fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Protagonismo da mulher no cinema é tema de mostra feminista em BH

Por Thiago Fonseca *

12/03/2018 às 18:16 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Coletiva Malva - Foto: Cardes Amâncio / Divulgação

Até o dia 16 de março o cinema do Sesc Palladium recebe a 4ª Mostra de Cinema Feminista. Serão exibidos gratuitamente 69 filmes de todo o Brasil e de outros 11 países. O festival ainda conta com roda de conversa com diretoras convidadas.

O objetivo é dar visibilidade às produções cinematográficas realizadas por mulheres e promover debates sobre as lutas dos movimentos feministas. Pela primeira vez, a mostra contará com a exibição de produções assinadas por um diretor trans, Calí dos Anjos.

“Queremos difundir e debater sobre o papel da mulher na produção de filmes e também o feminismo. Ainda mostrar que o cinema alcança os olhares das mulheres nas suas mais diversas concepções. A ideia é que a programação funcione como uma ferramenta para criação de pontes de diálogos entre os diversos lugares de fala e bandeiras de lutas das mulheres”, explica Letícia Souza, produtora e curadora da amostra.

A mostra é fruto de um evento de luta de mulheres do coletivo Diversas: Feminismo, Arte e Resistência. O festival traz filmes que discutem o universo do feminismo, saúde, direitos reprodutivos, abuso, violência, emancipação, empoderamento e as questões LGBT. Os 70 filmes foram escolhidos entre 379 inscritos. Na seleção, a produção levou em conta a diversidade, a interseccionalidade e os olhares.

A busca por maior representatividade feminina no cinema surgiu após a constatação da minoria. Das produções lançadas em 2016, 75,4% foram feitas por homens brancos. Mulheres brancas assinam 19,7% e homens negros, 2,1%. Não houve nenhum longa dirigido por mulheres negras, segundo a pesquisa da Ancine. “Queremos questionar nosso espaço, cobrar políticas e editais que incentivam produções femininas no cinema. Aos poucos as mulheres vão ocupando o espaço na sociedade e também na cultura”, pontua Letícia.

A PROGRAMAÇAO

As exibições são distribuídas em sessões que trazem em seus nomes os gritos que têm ecoado pela luta feminista ao longo dos anos. As sessões têm início a partir de 18h nos dias 13 e 14 de março. Já nos dias 15 e 16 de março, começam a partir de 16h30.

A abertura da mostra foi no último dia 08 com o tema o Dia Internacional da Mulher. Além da exibição de dois curtas, houve um debate sobre a representação da mulher negra no cinema. Beatriz Vieirah, diretora de “Em busca de Lélia”, Mariana Luiza, diretora de “Casca de Baobá”,  Débora Rodrigues,  do Quilombo dos Pinhões e Julia Santos, atriz e jornalista, foram as debatedoras da noite.

No terceiro dia de mostra, 10 de março, a sala foi ocupada pelas sessões “O Que Você Sente Não É Drama”, “Mexeu com uma Mexeu com Todas” e “Essa Terra É Minha”. Ainda teve debate sobre as mulheres indígenas e o direito à terra, com participação de AvelinBuniacá e ValdeliceVeron, diretora de Tekoha – O som da Terra.

No dia 11 de março, as sessões foram voltadas para o público infanto-juvenil com apresentação dos filmes “Sou Livre, Sou Luta, Sou Minha” e a “Sessão Torna-se mulher”.

Foto: Mirela Persechini / Divulgação

DEBATES

No dia 13, será a vez das as sessões “Uma Mulher Que Levante Outras Mulheres” e “Vamos Juntas, Estamos na Luta”. Já no dia 14, o Sesc receberá a sessão “Meu Corpo Minha Revolução”. A noite será encerrada com “Lírios não nascem da Lei”, com debate sobre representação da mulher encarcerada com a diretora “Fabiana Leite” e as integrantes da Coletiva Malva.

As sessões “Liberdade É Não Temer” e “Nós Sempre Podemos Mais” ocupam as salas do cinema no dia 15. Dia 16 é o encerramento da mostra com as sessões “Pilote Sua Própria Cabeça” e “Nenhuma a Menos”. Ainda será exibido o longa “Dancing with Monica” da diretora Anja Dalhoff, com o tema voltado para a prostituição. Pra fechar a mostra ainda debate com SarugDagir e Cida Vieira, da Associação de Prostitutas de Minas Gerais.

Vale lembrar que os ingressos são gratuitos e estarão disponíveis meia hora antes das sessões. A programação completa da mostra você confere aqui.

photo

Globo de Ouro 2020: breves reflexões sobre a lista de indicados

Será a vez da Netflix ser reconhecida como um dos grandes players – jogadores mesmo – de Hollywood? A julgar pela lista de filmes e séries indicados ao Globo de Ouro 2020, será bem difícil ignorar a força da plataforma de streaming na produção cinematográfica. Isso vale também para a HBO, que, igualmente, tem pegado […]

LEIA MAIS
photo

Manchester à Beira-Mar e as coisas que foram feitas para se viver com elas

Em uma das cenas finais da peça Amores surdos, montagem do grupo mineiro Espanca!, com texto de Grace Passô, uma família precisa aprender a conviver com um hipopótamo enorme. O animal foi criado escondido dentro de casa. Quando descoberto, um dos irmãos pensou em matar. A mãe, então, gritou: “Tem coisas que foram feitas para […]

LEIA MAIS
photo

Mostra CineAfroBH: cinco filmes para entender a diversidade da mostra

Novembro está chegando e com ele o dia da Consciência Negra. A data foi instituída para promover a reflexão sobre a inserção das pessoas negras na sociedade brasileira. Além disso, o 20 de novembro coincide com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. Ele foi um dos maiores líderes negros que o […]

LEIA MAIS
photo

Por que não vivemos?: um ponto de vista sobre a nova peça da Cia Brasileira

A provocação filosófica que o título da nova montagem da Cia Brasileira de Teatro faz é instigante. Ela vem de um dos embates entre o personagem Platonov (Rodrigo dos Santos) e Sofia (Josi Lopes). É ele, figura um tanto controversa, quem questiona: por que não vivemos como poderíamos ter vivido? Ao escolher a expressão conjugada […]

LEIA MAIS
photo

Quem é Elisa de Sena: tambor, poesia e mistura contra o atraso

Como se conta a História? A cantora e compositora Elisa de Sena começa com o tambor. A artista criada no bairro Goiânia, em Belo Horizonte, formou-se em História, atuou com produção cultural e agora lançou seu primeiro disco, aos 37 anos. Sendo assim, ela é a convidada deste terceiro episódio do podcast Quem é. “Eu […]

LEIA MAIS
photo

Nós vimos: ‘Tragédia’, do grupo Quatroloscinco

Já faz um tempo que as possibilidades de encontro entre o cinema e o teatro seduzem o diretor Ricardo Alves Jr.. É dele, por exemplo, a adaptação do filme Sarabanda, Ingmar Bergman para a versão teatral apresentada nos palcos do Palácio das Artes e do Sesc Palladium. Já ali, em 2014 e em parceria com […]

LEIA MAIS