fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Mostra CineAfroBH: cinco filmes para entender a diversidade da mostra

No mês da Consciência Negra, BH recebe a terceira edição da primeira mostra audiovisual destinada à exibição de filmes produzidos por diretores afro-brasileiros

Por Jaiane Souza *

30/10/2019 às 17:50 | * Escreveu com a supervisão de Carolina Braga

Publicidade - Portal UAI
Filme Favela em diáspora, de Gabriela Matos

Novembro está chegando e com ele o dia da Consciência Negra. A data foi instituída para promover a reflexão sobre a inserção das pessoas negras na sociedade brasileira. Além disso, o 20 de novembro coincide com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. Ele foi um dos maiores líderes negros que o Brasil teve e lutou contra a escravidão e o sistema no qual ela estava inserida.

O dia das Consciência negra foi instituído em referência à morte do líder. Busca valorizar a cultura africana e reflete, também, questões como racismo, discriminação, cultura afro-brasileira e igualdade social. Pensando nisso, é realizada em Belo Horizonte neste fim de semana a terceira edição da Mostra CineAfroBH: Quilombos urbanos, fé e cultura.

Trata-se da primeira mostra audiovisual de Minas Gerais dedicada à exibição de filmes produzidos por diretores afro-brasileiros. A saber: serão dez obras da sétima arte em exibição. Dessa maneira, seis realizadores são de Minas e quatro do Rio de Janeiro, Maranhão, Espírito Santo e São Paulo. Dessa forma, separamos cinco filmes para você ficar de olho. Eles serão exibidos em dias e locais diferentes. Você pode consultar a programação no site da Mostra CineAfroBH

A mulher da casa do arco-íris [Gilberto Alexandre, 2017/18, ES]

O curta-metragem tem direção de Gilberto Alexandre e conta a história de Mãe Dango, sacerdotisa do Candomblé Angola. A história é destacada pela ancestralidade do pai, pessoa responsável por passar os ensinamentos da cultura bantu para a filha. Além disso, a trajetória de Mãe Dango é atravessada por momentos de superação e conquistas perante  o racismo presente no Brasil. A casa do Arco-Íris, que dá nome ao filme, é definida por ela como quilombo. O local abriga todos os filhos e são realizadas as tradições religiosas. Em síntese, é uma oportunidade para conhecer mais sobre as origens do povo brasileiro e sobre o candomblé, tão discriminado na nossa sociedade. 

[QUANDO] 02 nov, 17h [ONDE] MIS Santa Teresa (Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza, BH, MG)

mostra cineafroBH

Filme CONGADO.DOC: do rosário à coroa, de Dandara Andrade

CONGADO.DOC – do rosário à coroa [Dandara Andrade, 2016, MG]

A Mostra CineAfroBH, trata também do sincretismo na religião. Basicamente, é a fusão de diferentes cultos e doutrinas religiosas. É justamente sobre isso que CONGADO.DOC trata. O curta-metragem exibe a festividade do Congado em Esmeraldas, Minas Gerais. A festa tem origem no deslocamento compulsório das populações africanas no Brasil e percorre as ruas da cidade. Além disso, mostra a mistura de elementos de suas crenças e a devoção aos santos católicos. Para mostrar os diferentes elementos, a população da cidade veste-se com gungas, chapéus e turbantes, espadas, bastões e tambores. Aliado a isso, dançam rezam, lamentam e coroam. A tradição é mantida por poucas famílias, que seja como for, ainda lutam e enfrentam muitos obstáculos e preconceitos para manter a tradição viva. 

[QUANDO] 03 nov, 17h [ONDE] MIS Santa Teresa (Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza, BH, MG)

Favela em Diáspora [Gabriela Matos, 2017, MG]

Onde está a memória de um grupo de pessoas? O lugar no qual se mora faz diferença a construção de uma história? Esse assunto é retratado por Gabriela Matos no curta Favela em diáspora, lançado em 2017. A narrativa mostra relatos de moradores do Morro do Papagaio sobre como o processo de migração compulsória provocou uma ruptura em suas histórias. O projeto de migração foi realizado pela prefeitura da cidade. O curta-metragem vai ajudar na reflexão sobre a periferia de Belo Horizonte, sobre as memórias de um povo e sobre política. 

[QUANDO] 01 nov, 19h30 [ONDE] MIS Santa Teresa (Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza, BH, MG)

Cabeceira do Turco [Cristiano Pereira, 2017, MG]

A diversidade de temas está presente na Mostra CineAfroBH. Outro filme que será exibido é o documentário Cabeça do Turco. A saber, foi gravado junto a comunidade que dá nome ao filme, localizada na zona rural do distrito de Sebastião do Bom Sucesso. O local também é conhecido como Sapo e fica em Conceição do Mato Dentro. Em resumo: foi feito com o intuito de relatar as violações de direitos dos moradores do distrito causados pela mineradora inglesa Anglo América. Esta é uma oportunidade para refletir ainda mais sobre o impacto que a mineração tem no Brasil e como isso afeta a vida das pessoas. 

[QUANDO] 03 nov, 19h30 [ONDE] MIS Santa Teresa (Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza, BH, MG)

Kabadio [Daniel Leite, 2016, RJ]

Neste filme o espectador é convidado a conhecer o cotidiano de um pequeno vilarejo muçulmano da região de Casamansa. Ele está localizado no Sul do Senegal e é permeado por ritos, música e maga. Dessa maneira, as histórias relatadas são de personagens reais que lutam para sobreviver mantendo as tradições, ainda que estejam no meio de uma guerra civil e em um cenário de contrabando de mercadorias. 

[QUANDO] 02 e 03 nov, 17h [ONDE] MIS Santa Teresa (Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza, BH, MG)

 

 

 

 

mostra cineafroBH

Filme Kabadio, de Daniel Leite

 

photo

Por que não vivemos?: um ponto de vista sobre a nova peça da Cia Brasileira

A provocação filosófica que o título da nova montagem da Cia Brasileira de Teatro faz é instigante. Ela vem de um dos embates entre o personagem Platonov (Rodrigo dos Santos) e Sofia (Josi Lopes). É ele, figura um tanto controversa, quem questiona: por que não vivemos como poderíamos ter vivido? Ao escolher a expressão conjugada […]

LEIA MAIS
photo

Quem é Elisa de Sena: tambor, poesia e mistura contra o atraso

Como se conta a História? A cantora e compositora Elisa de Sena começa com o tambor. A artista criada no bairro Goiânia, em Belo Horizonte, formou-se em História, atuou com produção cultural e agora lançou seu primeiro disco, aos 37 anos. Sendo assim, ela é a convidada deste terceiro episódio do podcast Quem é. “Eu […]

LEIA MAIS
photo

Nós vimos: ‘Tragédia’, do grupo Quatroloscinco

Já faz um tempo que as possibilidades de encontro entre o cinema e o teatro seduzem o diretor Ricardo Alves Jr.. É dele, por exemplo, a adaptação do filme Sarabanda, Ingmar Bergman para a versão teatral apresentada nos palcos do Palácio das Artes e do Sesc Palladium. Já ali, em 2014 e em parceria com […]

LEIA MAIS