Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

As expectativas que cercam a Mostra Aurora 2019

Vencedor da Mostra Aurora será entregue na noite de sábado, 26 de janeiro. Sete longas estão na disputa

Por Carol Braga

26/01/2019 às 09:30

Publicidade - Portal UAI
Cine Tenda. Foto: Jackson Romanelli/Divulgação

A Aurora não é só a ‘menina dos olhos’ da Mostra de Cinema de Tiradentes mas de quase todo cineasta independente, que tem um trabalho autoral e está em início de carreira. A seção competitiva foi criada em 2008 com o objetivo de revelar novos cineastas.  É o que tem feito desde então.

Sendo assim, os representantes dos sete longas que concorrem ao prêmio na noite deste sábado (26) chegam à disputa com expectativas diversas. Dessa maneira, para além dos prêmios materiais concedidos, o que vale mais é a visibilidade e poder estrear em um evento que tem promovido o cinema experimental.

Visibilidade, aliás, foi grande prêmio para cineastas que já venceram por aqui. Sendo assim, a Aurora revelou Adirley Queirós (A Cidade é uma só?, 2012), Affonso Uchoa (A vizinhança do Tigre, 2014), Juliana Antunes (Baronesa, 2017), entre outros.

Mesmo com estes exemplos, para o diretor Gustavo Vinagre, ganhando ou não, a circulação do filme sempre será relativa. Dessa maneira, como dependerá de outras variáveis, o mais interessante que Tiradentes oferece é mesmo a troca entre os pares.

Diálogo e visibilidade

Lívia de Paiva, que dirigiu com Elena Meireles o filme ‘Tremor iê’, destaca que, por se tratar de uma mostra dedicada a jovens realizadores, a Aurora acaba privilegiando a continuidade da carreira. Em resumo: ‘carreirismo’, como define Lívia.

O ganhador receberá R$10 mil, equivalente a locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria para serem utilizados em uma única produção. A Aurora também concede 40 horas de mixagem; legenda descritiva, áudio descrição e Libras para um longa de até 100 minutos e master DCP para longa até 120 minutos.

Em resumo: os prêmios conquistados aqui serão usados em outros filmes do mesmo realizador. “Nem todo mundo que esteve neste filme vai estar no próximo. Seria massa se fosse retroativo”, comenta. Sendo assim, é por isso que a diretora concorda que a visibilidade é o mais valioso.

“O que conta é a possibilidade de exibição vontade de dialogar”, resume Arthur Lins, diretor de Desvio. “O mais legal é que foi se configurando um grau de troca. Tiradentes tem a tradição de um público muito ativo, interessado em discutir. É isso o que mais me atrai”, diz Caetano Gotardo, diretor de “Seus ossos e seus olhos”.

Para Isabel Casimiro, diretora de ‘A rainha Nzinga chegou’ em parceria com Junia Torres, a participação na Mostra Aurora vai ampliar o acesso ao filme. “Tudo é para todo mundo. Essa é a nossa visão. Estamos corrigindo distorções seculares”, diz sobre o longa que aborda tradições do Congado mineiro.

 

Integrantes da Mostra Aurora. Foto: Leo Lara/Divulgação

Engajamento

A diretora de ‘Um filme de verão’, Jo Serfaty diz que a partir da experiência que vem tendo em Tiradentes, pensando em 2019, vê o cinema muito como engajamento. “Não apenas militante, mas com as relações sensíveis que estão se dando. As nossas condições”, afirma.

Segundo ela, estar em uma seleção como a Aurora é estabelecer engajamento entre obras criadas nesse processo histórico. “Tiradentes me possibilitou criar uma suspensão nesse caos em que estamos vivendo”, diz.

Internacional

Além de participar da Mostra Aurora, os diretores Caetano Gotardo e Gustavo Vinagre exibirão seus respectivos filmes nos festivais de Rotterdam e Berlim. Para Gustavo, a expectativa em relação a recepção de ‘A rosa azul de Novalis’ é maior em Tiradentes do que no evento na Alemanha.

“Existem camadas que podem ser compreendidas aqui que vão escapar em Berlim”, diz. “Tem uma curiosidade grande nas duas experiências”, afirma Caetano Gotardo. Tiradentes, segundo ele, o que mais interessa é a pluralidade de olhares. Em síntese: isso, de fato, é o que não falta em Tiradentes.

 

VENCEDORES DA MOSTRA AURORA

2019 – A ser anunciado no sábado, dia 26 de janeiro

2018 – “Baixo Centro”, Ewerton Belico e Samuel Marotta

2017 – “Baronesa”, Juliana Antunes

2016 – “Jovens Infelizes ou um Homem que Grita não é um Urso que Dança”, Thiago B. Mendonça

2015 – “Mais do que Eu Possa me Reconhecer”, Allan Ribeiro

2014 – “A Vizinhança do Tigre”, Affonso Uchoa

2013 – “Os Dias com Ele”, Maria Clara Escobar

2012 – “A Cidade É uma Só?”, Adirley Queirós

2011 – “Os Residentes”, Tiago Mata Machado

2010 – “Estrada para Ythaca”, Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti

2009 – “A Fuga, a Raiva, a Dança, a Bunda, a Boca, a Calma, a Vida da Mulher Gorila”, de Marina Meliande e Felipe Bragança

2008 – “Meu Nome é Dindi”, Bruno Safadi

 

A equipe do Culturadoria viajou a convite da Mostra de Tiradentes

Continua após a publicidade...

photo

De Tom Zé a Veronez: programação artística da CineOP 2018 destaca o tropicalismo e cena local

Mais de cinquenta anos se passaram desde que um movimento de ruptura sacudiu o ambiente da música popular e da cultura brasileira entre 1967 e 1968. O tropicalismo misturou manifestações tradicionais da cultura brasileira a inovações estéticas radicais. Foi consagrado e imortalizado, por exemplo, nas vozes de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé, da banda Mutantes, […]

LEIA MAIS
photo

Links para filmes do Oscar 2019 já disponíveis no streaming

Foi-se o tempo em que filmes de Oscar se via primeiro no cinema e, se não desse, o negócio era esperar até chegar a uma locadora mais próxima ou passar na televisão. Os lançamentos na tela grande são muito rápidos e logo as produções são disponibilizadas para ver em casa. Como tudo na vida, há […]

LEIA MAIS
photo

Manchester à Beira-Mar e as coisas que foram feitas para se viver com elas

Em uma das cenas finais da peça Amores surdos, montagem do grupo mineiro Espanca!, com texto de Grace Passô, uma família precisa aprender a conviver com um hipopótamo enorme. O animal foi criado escondido dentro de casa. Quando descoberto, um dos irmãos pensou em matar. A mãe, então, gritou: “Tem coisas que foram feitas para […]

LEIA MAIS