Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Mostra 9 e Meio Zula! marca os quase dez anos da Zula Cia de Teatro

Realizada de 8 a 25 de abril, a mostra apresenta três espetáculos, oferece oficinas, workshop e realiza o congresso A Arte como Possibilidade de Liberdade.
Mostra 9 e Meio Zula
Banho de Sol. Foto: Guto Muniz / Divulgação

A Zula Companhia de Teatro está prestes a completar dez anos! Já se preparando para comemorar uma década de trajetória, a companhia realiza de 8 a 25 de abril a Mostra 9 e Meio Zula!, apresentando os espetáculos As rosas no jardim de Zula, Mamá! e Banho de Sol. Todas as apresentações são online em formato de live comentada. Além disso, faz parte da programação da mostra oficinas, workshops, além do congresso A Arte como Possibilidade de Liberdade. As atividades são gratuitas e contam com recursos da Lei Emergencial Aldir Blanc da Secult MG. Os espetáculos e o congresso terão tradução em Libras e as inscrições devem ser feitas pelo site da Zula Cia de Teatro.

Teatro documentário

A história da Zula Cia de Teatro começou em 2011, quando as atrizes Talita Braga e Andréia Quaresma apresentaram uma cena no Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto. A cena venceu o festival, circulou em algumas cidades e foi premiada em Goiânia, Manaus e Curitiba. Dessa forma, tal reconhecimento destacou o ineditismo que a companhia trouxe para a cena: o Teatro Documentário. Um dos pontos de partida foi a pesquisa sobre a vida de Rosângela, mãe de Talita Braga. Em resumo, retrata a trajetória de uma mulher casada, com filhos, que abandona tudo que tinha para viver na rua, local onde encontra o mundo da prostituição. Sendo assim, o grupo começou a pesquisar a utilização da realidade no teatro até desenvolver a linguagem documental. O resultado é o espetáculo As rosas no jardim de Zula

O segundo espetáculo da companhia que está presente na programação da Mostra 9 e Meio Zula! é Mamá!. A peça investiga o universo feminino e materno. Ele surgiu a partir de workshops realizados em centros culturais de BH com aproximadamente 150 mulheres. A direção é de Grace Passô e dramaturgia de Assis Benevenuto. 

Banho de sol tem origem na participação de Talita Braga no Núcleo de Estudos de Teatro para Educadores, do Galpão Cine Horto. Lá, ela idealizou o projeto A Arte como Possibilidade de Liberdade, que realizou atividades artístico-pedagógicas para mulheres em privação de liberdade. A experiência durou 13 meses e resultou no espetáculo extremamente sensível, com codireção de Mariana Maioline e Talita Braga e dramaturgia de Talita Braga.

Atividades formativas

O congresso A arte Como Possibilidade de Liberdade ocorre de 9 a 11 de abril, das 16h às 18h. A ideia é mostrar para o público como a arte-educação pode promover, de diferentes formas, mudanças em ambientes de privação de liberdade e uma aliada na prevenção da criminalidade. 

As oficinas são a Mãe, mulher?, que visa dividir com os participantes jogos e reflexões que fizeram parte da experiência que resultou no espetáculo Mamá!. A outra é Teatro documentário e biodrama, com objetivo de compartilhar referências teóricas e exercícios práticos de atuação realizados no processo de criação de As rosas no jardim de Zula. Inscreva-se pelo site da Zula.

Programação

Banho de sol – Live comentada do espetáculo: 8 de abril, 20h, pelo YouTube da companhia.

Mamá: 15 de abril, 20h, pelo YouTube da companhia.. 

As rosas no jardim de Zula: 22 de abril, 20h, pelo YouTube da companhia..

Mostra 9 e Meio Zula

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!