fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Manchester à Beira-Mar e as coisas que foram feitas para se viver com elas

Por Carol Braga

16/01/2017 às 23:14

Publicidade - Portal UAI
Casey Affleck como o introspectivo Lee

Casey Affleck como o introspectivo Lee

Em uma das cenas finais da peça Amores surdos, montagem do grupo mineiro Espanca!, com texto de Grace Passô, uma família precisa aprender a conviver com um hipopótamo enorme. O animal foi criado escondido dentro de casa.

Quando descoberto, um dos irmãos pensou em matar. A mãe, então, gritou: “Tem coisas que foram feitas para se viver com elas. Viver com elas”, repetiu para ecoar no silêncio da plateia. Manchester à Beira-Mar faz lembrar isso.

Sim, tem coisas que, por mais duras que elas sejam, foram feitas para se viver com elas. Os fatos que abalam a vida de Lee Chandler (Casey Affleck, vencedor do Globo de Ouro de melhor ator de drama pelo papel) são deste tipo. Nem por isso Manchester à Beira-Mar é um dramalhão derramado. O filme é tão seco quanto seu protagonista.

O diretor Kenneth Lonergan (roteirista de Gangues de Nova York) não tem pressa em nos apresentar o contexto que transformou a vida do protagonista em um vazio quase insustentável. Metaforicamente, o fez conviver com o hipopótamo.

Conhecemos Lee como zelador temperamental, funcionário de um prédio na nevada Boston. Leva uma vida medíocre. Entremeada à rotina do presente do personagem, o diretor vai construindo o passado a partir dos afetos dele. A sutil montagem é séria candidata a uma indicação ao Oscar.

O sobrinho e o irmão são os primeiros da lista e razão pela qual Lee é obrigado a voltar à cidade natal, Manchester. Joe Chandler (Kyle Chandler) morre e cabe ao irmão os trâmites do enterro. Cabe a ele também a guarda do sobrinho adolescente Patrick (Lucas Hedges). Não é uma volta simples. O mérito do filme está em como o diretor consegue disparar todas emoções (pesadas!) a partir disso.

Kenneth Lonergan faz um longa onde tudo é contido. As cores do inverno de Manchester e a mudança das estações ajudam a dar a dimensão da jornada dos protagonistas.

As interpretações de Casey Affleck e Michele Williams (custei a reconhecer) são tão boas quanto irritantes. São personagens tomados por uma apatia que sufoca, os próprios e os espectadores (a mim, pelo menos). Dar equilíbrio a esse vazio existencial que eles levam para a tela é tarefa do jovem Lucas Hedges como Patrick. Ele demonstra que mesmo em uma situação difícil, tem lugar para humor e leveza.

Sim, Patrick ele sabe que “tem coisas que foram feitas para se viver com elas”. Com o tio aprende, no entanto, que todo mundo tem um limite. É próprio do humano. É preciso respeitar.

Casey Affleck e Michele Williams

Casey Affleck e Michele Williams

photo

21ª Mostra de Tiradentes chega ao fim anunciando chegada de uma geração cheia de talentos

Um festival de cinema têm significados diferentes para as pessoas que passam por ele. Para a imprensa, significa trabalho. Para os realizadores, é uma oportunidade de apresentar suas obras. Já para o público, é uma chance de ter acesso a filmes que dificilmente serão encontrados em outros lugares. A Mostra de Tiradentes, além de reunir […]

LEIA MAIS
photo

Filme de Ricardo Alves Jr confirma maturidade do novo cinema mineiro

Elon não acredita na morte é um daqueles filmes em que a curiosidade em ver era grande. Muito grande. Não porque estive no set, mas porque se trata do projeto mais robusto de Ricardo Alves Jr. Sigo os passos dele na arte desde quando escrevia em parceria com Grace Passô o Senhora K, nos tempos […]

LEIA MAIS
photo

Quer concorrer a ingressos para ver o filme ‘O cidadão ilustre’?

O Culturadoria vai levar cinco leitores ao cinema para ver O cidadão ilustre. Basta participar do concurso cultural promovido pelo blog. O filme foi indicado pela Argentina a concorrer uma vaga ao Oscar. Confira a crítica do longa aqui. É a história de um famoso escritor que retorna à sua terra natal depois de anos […]

LEIA MAIS