Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

A artista Luísa Bahia lança primeiro livro de poesia, “Dá Pé”

Gostou? Compartilhe!

A atriz, cantora e escritora Luísa Bahia apresenta um feixe de “lembretes para corpos avoados, poemas gordos para vozes emocionadas, testes e outras jogatinas”

Patrícia Cassese | Editora Assistente

“Dá Pé”, livro de estreia da também cantora e atriz Luísa Bahia, foi acontecendo em dois momentos. O primeiro, temporalmente ligado à pandemia do novo coronavírus, de matiz mais introspectivo. “Bem, a ideia, o nome, o conceito, surgiram mais ou menos em 2021, no meio da pandemia. Assim, essa primeira parte de escrita do livro se deu dentro de casa, olhando para dentro também de mim. Desse modo, tentando entender a ‘cura’. Acho que essa palavra esteve muito presente nos nossos pensamentos, no nosso cotidiano durante a pandemia”, explica ela. Na segunda etapa, já com a flexibilização em curso, por meio do contato com o externo. “Então, acho que é isso, na primeira etapa, o dentro, e na segunda, o fora”, sintetiza ela, que autografa o livro neste sábado.

Pormenorizando o primeiro momento, o ocorrido durante a pandemia, Luísa Bahia conta que, à época, procurou criar diversos rituais para dar conta do isolamento social. “Assim, cantos, danças, desenhos, escritas, rezas… Rituais que pudessem ser um alento para aquele momento que a gente estava vivendo, e também uma fonte fértil de inspiração. Então, sobre as coisas que estavam acontecendo ali, na minha vida, atravessada (a escrita) também pelas minhas leituras, pelas vivências”.

Luísa Bahia, que lança o livro de poemas "Dá Pé" no Mama/Cadela (Alexandre Hugo/Divulgação)
Luísa Bahia, que lança o livro de poemas "Dá Pé" no Mama/Cadela (Alexandre Hugo/Divulgação)

Descobertas

Já ao destrinchar a segunda etapa, ela conta das viagens, que renderam uma série de descobertas. “Falo de uma itinerância minha por várias cidade do Brasil. Conheci a floresta amazônica, indo a Alter do Chão no Pará. Pude ter a vivência com o rio Tapajós, e com comidas, pessoas, bichos, palavras, danças e rituais. Então, foi maravilhoso poder conhecer esta parte do Brasil. Também conheci Salvador, um cidade igualmente muito importante para a nossa identidade. E passei por São Paulo, por Vitória, por várias cidades do interior de Minas. Assim, cada lugar me agregou um olhar sobre a vida”.

A capa do livro “Dá Pé”, que marca a estreia de Luísa Bahia no mercado editorial (Alexandre Hugo/Divulgação)

Dessa forma, Luísa pode conhecer várias filosofias de vida. “Logo, vários jeitos de estar no mundo. Assim, entendi que as pessoas têm jeitos diferentes de estar neste mundo, de lidar com este mundo, com os desafios que são de ordem mental, emocional, social. Assim, essa segunda parte de escrita do livro foi atravessada por essas vivências, por essas viagens, e por observar as pessoas e essas filosofias de vida, esse jeitos de estar no mundo que também dizem respeito às perspectivas espirituais”.

A este caldeirão, Luísa acrescenta a vivência com a educação, “pro meio dos vários cursos que pude conduzir e que, claro, também atravessaram a experiência da escrita”.

Norte

“Dá Pé”, o livro, ainda de acordo com Luísa, tem alguns fios condutores. Acho que a primeira flecha disparada foi pensar em como convidar o leitor para criar. Esse foi sempre o principal desejo. Desse modo, o livro conta com sete partes. Assim, tem poemas de múltipla escolha, tem adedanha, tem desenhos que têm instruções para convidar o leitor a criar… (Tal qual) tem poemas enormes, tem poemas muito curtinhos. E aí tem outras coisas, outros nortes me atravessaram. As brincadeiras, um pouco da criança ao olhar as coisas pela primeira vez”.

Luísa Bahia e o livro que autografa neste sábado, 9 de dezembro (Alexandre Hugo/Divulgação)
Luísa Bahia e o livro que autografa neste sábado, 9 de dezembro (Alexandre Hugo/Divulgação)

Do mesmo modo, a presença de alguns autores. “Tipo coisas do Arnaldo Antunes, Adriana Falcão… Um livro lindo do Pablo Neruda, chamado ‘Livro das Perguntas’. Penso que isso também me guiou, foi um norte. Essa coisa desse encantamento diante do mundo, e essa surpresa também”.

Ao lado de outras mulheres

Um outro componente encorpou o conteúdo de forma orgânica. “Ou seja, não foi uma coisa pensada, mas que foi se tornando presente”, diz Luísa, referindo-se à atuação, investigação e prática com o feminismo. “Com fazer trabalhos com mulheres. E tem várias vozes de mulheres neste livro. Assim, tem a estrangeira, a cívica, tem a safada. Várias historinhas com mulheres. Então, foi muito interessante, várias outras vozes surgindo. Para além da minha voz, várias outras vozes de mulheres”.

No cômputo geral, portanto, foram várias frentes. “Investiguei, li coisas, pude conhecer lugares. De um modo geral, a filosofia está muito presente neste livro. A poesia com um pensamento filosófico, sobre como é que a gente está neste mundo, como a gente é neste mundo. A identidade também aí como um tema muito presente. Logo, convido o leitor a criar uma perspectiva brincante, com essas vozes das mulheres e a filosofia de como é que a gente pode estar neste mundo. Pensando a nossa atuação nele, desde a maneira mais íntima até as perspectivas sociais, o encontro com o mundo”.

Sobre a autora

Luísa Bahia nasceu em Congonhas, Minas Gerais, em 1989. Artista e educadora formou-se em Teatro pelo CEFART – Fundação Clóvis Salgado e Escola de Belas Artes da UFMG. Criou, em parcerias diversas, a peça-show Risco, a cena curta Brasa, os videopoemas Tatuada e Lembretes e os singles/clipes Leoa Azul, A Brisa Arde e Ciberneticamará, com participação de Flaira Ferro (PE). Desde 2017, coordena a Plataforma Doras, encontro artístico para mulheres cis e pessoas trans. Em 2021, foi colunista do Blog Mirante do Jornal Estado de Minas.

Luísa é uma das escritoras das Coletâneas Janela de Dramaturgia, da Editora Perspectiva, e Doze Horizontes, Um Mirante da Editora 7 Autores. Atualmente, circula com o seu show autoral Coisa de Bicho, realiza performances poéticas e conduz cursos e mentorias buscando fortalecer a presença e a expressão livre das pessoas no mundo. “Dá Pé” é o primeiro livro dela.

SERVIÇO

Lançamento “Dá Pé”
Data: 09/12/23
Horário: 16h
Local: Espaço Cultural Mama Cadela
Endereço: Rua Pouso Alegre 2048, Santa Tereza, BH
Venda dos livros via pix a R$ 52,00 cada
Editora Impressões de Minas
Entrada gratuita


Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!

[ RECOMENDADOS ]