fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Saiba como foi o show do Los Hermanos na Esplanada do Mineirão

Marcelo Camelo e companhia foram recebidos por uma cantante - e saudosa - plateia na sexta, 26 de abril

Por Carol Braga

27/04/2019 às 09:48

Publicidade - Portal UAI
Foto: @GlaucimaraCastro / @MalabProducoes

Nem adianta ir ao show do Los Hermanos esperando qualquer novidade. Dessa vez, caberia a ‘Corre, corre’, a música lançada em abril de 2019, colocar um pouco de frescor no repertório. Nem assim. Ela soou como qualquer uma das antigas. E olha, foram muitas.

Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Bruno Medina e Rodrigo Barba subiram ao palco pontualmente às 22h. Até quase meia-noite tocaram 27 canções de todos os álbuns em um belo cenário rodeado de luzes de led. O que mais chamou a atenção, no entanto, não foi exatamente performance dos quatro ou o embrulho tecnológico, mas como as pessoas na plateia cantavam cada uma das músicas.

As letras do Los Hermanos dizem sobre cotidianos ordinários. Nelas se encaixam todos os tipos de relacionamento do mundo. Por isso, um breve passeio entre a multidão durante o show bastava para você encontrar muita gente cantando alto, de olhos fechados. Como se estivesse mandando um recado para alguém.

Talvez por perceber a relação que os fãs já criaram com as canções eu eles lançaram, Camelo e companhia fazem o show mais para as pessoas cantarem junto do que propriamente apresentar qualquer novidade. Ou seja, entenderam que chega um momento em que as músicas já não são mais deles. Se é que algum dia pensaram assim.

Nem mesmo nos arranjos eles fizeram qualquer alteração ou atualização.

O que muda, mesmo assim bemm timidamente, é o modo de cantar de uma ou outra canção. Mas vale repetir: bemm timidamente. Isso é mais do calor da coisa. Bem, falando em calor, os artistas deixaram claro que estavam felizes de estar no palco, mas vamos combinar que empolgação demais nunca foi a vibe do Los Hermanos, né?

Repertório

Foto: @GlaucimaraCastro / @MalabProducoes

Foi a segunda vez que a banda se apresentou na Esplanada do Mineirão, a primeira foi em 2015. Em um dos raros momentos em que os artistas conversaram com a plateia, Marcelo Camelo quis saber quem havia estado na primeira. Boa parte de quem estava lá levantou a mão. Isso diz que não há tanta renovação assim no público fiel dos barbudos.

Entre as 27 canções que fizeram parte do repertório, aquelas gravadas no álbum Ventura (2003) foram as que mais marcaram presença. O disco foi, de fato, muito importante para a consolidação do Los Hermanos como uma banda de respeito no cenário musical brasileiro após todo o fuzuê pop causado por Anna Júlia (1999).

De Ventura, então, eles tocaram nove das quinze faixas gravadas. Entre elas estavam ‘Além do que se vê’, ‘O vencedor’, ‘Samba a dois’, ‘De onde vem a calma’, ‘Conversas de Botas Batidas’, que lindamente encerrou a apresentação. O segundo disco com maior presença no set-list foi 4 (2005). Foram sete, entre elas, ‘O vento’, ‘Condicional’, ‘Pois é’.

Fase pop porém rock

Anna Júlia entrou no repertório no bloco dedicado a Los Hermanos, o disco de estreia de 1999. O povo, obviamente, foi à loucura. Além dela, do mesmo álbum, entraram ‘Tenha dó’, ‘Quem sabe’, ‘Azedume’ e ‘Pierrot’, essas duas últimas no bis. Bloco do eu sozinho (2003) foi o menos contemplado. Tocaram, apenas, ‘A flor’, que inclusive abriu o show, ‘Retrato pra Iaiá’, ‘Todo carnaval tem seu fim’ e ‘Sentimental’.

Enfim, eles tocaram, tocaram, tocaram e muito pouco falaram. Afinal, era um show, né. Mais que isso, pra muita gente que estava na Esplanada do Mineirão foi mais do que isso. Soou como uma volta no tempo.

No fim de tudo, Rodrigo Amarante soltou um “Até a próxima”. Terá sido protocolar? Seria uma despedida comum se não fosse Los Hermanos mas uma banda que estivesse aí na ativa. Os quatro não estão e, pelo menos por enquanto, não parece ser esse o plano. Talvez o lance seja esse mesmo: encontros esporádicos para matar a saudade. E isso vale pra todo mundo, para eles e principalmente para o público. Então, que tenha mesmo um próximo, Rodrigo.

 

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Foi um show para matar saudade. De todas as fases. @loshermanos mostrou o seu melhor e o público cantou junto. @malabproducoes #loshermanos #bh #loshermanosbh

Uma publicação compartilhada por Culturadoria (@culturadoria) em

 

Continua após a publicidade...

photo

Lenine leva ‘tecnologia do afeto’ para show em Inhotim

“Confesso que como cidadão nunca vi tanta falta de justeza”, desabafa Lenine. Assim mesmo, usando uma palavra que parece fora do lugar para falar sobre adequação. “É porque a justiça está banalizada. Isso gera um desencanto, essa cor sombria que o projeto ‘Em Trânsito’ tem”, justifica. É também por isso que ele abre o disco […]

LEIA MAIS
photo

Cinco aprendizados sobre Djonga no lançamento do disco ‘Ladrão’

O único artista de rap que eu vi ao vivo foi Criolo. Ou seja, tenho pouquíssima experiência nesse quesito. Eu quis ver Djonga. Talvez já tivesse a sensação do que ele representa. Também do quanto é importante ouvir o que ele tem a dizer. Mais que isso: ver e estar a aberta a tudo o […]

LEIA MAIS
photo

Confiras dicas para o seu fim de semana: 26 de abril

Chegou o grande dia. Vingadores: O Ultimato estreia ocupando 80% das salas de cinema do Brasil inteiro. Alguma dúvida que é a maior abertura no cinema no ano? Eu não, mesmo estando em abril. As redes exibidoras terão uma taxa de ocupação neste fim de semana bem superior ao que estavam tendo ultimamente. Sim, você […]

LEIA MAIS