Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

“Kililana Song” é um sensível romance de formação na linguagem dos quadrinhos

Gostou? Compartilhe!

Lançamento da Editora Nemo, Kililana Song, quadrinho do francês Benjamin Flao tem uma arte deslumbrante que flerta com o realismo mágico

Por Gabriel Pinheiro | Colunista de Literatura

Lamu é um verdadeiro paraíso na Terra. Essa cidade portuária majoritariamente muçulmana do Quênia parece viver num outro tempo, negando a velocidade do capitalismo contemporâneo, com suas casas de pedra, telhados de palha e o ofício da pesca passado de geração em geração. Mas a especulação imobiliária e disputas de poder rondam este Patrimônio da Unesco. “Kililana Song” é um quadrinho do francês Benjamin Flao lançado pela Editora Nemo.

Kililana Song (Nemo)
Kililana Song (Nemo)

Protagonista de espírito livre

É nesse ambiente idílico, entre a costa do oceano Índico e as ruelas de seu movimentado centro, que encontramos o jovem Naim. Desde a sua apresentação no quadrinho, Naim está em constante movimento. Quando não está correndo do irmão, fugindo da obrigatoriedade do estudo do Corão, o órfão busca maneiras de sobreviver, colaborando com os escassos rendimentos domésticos.

Naim é um jovem de espírito livre e toda essa liberdade ganha contornos vivazes pelos traços de Benjamin Flao. Entre a ganância do mundo dos homens e a liberdade do mundo dos espíritos, Naim mergulha de maneira frenética entre as ruelas da pequena cidade, metamorfoseadas em labirintos. Se percorre este labirinto físico como a palma de sua mão, um outro, interno, o desafia, o convida a se perder para, quem sabe, poder se descobrir. Numa arte deslumbrante, Benjamin Flao constrói cenas em alto mar de tirar o fôlego, mergulhando tanto o protagonista quanto os leitores nos tons de azul de um oceano profundo e escondido dos olhos dos homens.

Kililana Song (Nemo) (1)
Kililana Song (Nemo)

Um romance de formação em quadrinhos

“Kililana Song” é construído a partir da experiência pessoal do autor na cidade queniana. É interessante que, ao final, descubramos uma série de fotografias que serviram de inspiração para a construção da cidade e de seus personagens enquanto graphic novel. Talvez nenhum registro fotográfico ou da memória alcance a realidade experiência vivida. Mas, arrisco dizer, a linguagem dos quadrinhos se aproxime de maneira assombrosa, revelando tanto o real quanto o imaginário e o onírico. 

Benjamin Flao cria em “Kililana Song” um verdadeiro romance de formação pincelado pelo realismo mágico. Entre o real e o fantástico, ao fim do trabalho, o jovem Naim não é o mesmo do qual nos despedimos no virar da última página. Uma grande jornada de autoconhecimento – a qual, por vezes, ele não procura, mas se vê imerso de maneira vertiginosa – que o transforma irreversivelmente.

Encontre “Kililana Song” aqui

Gabriel Pinheiro é jornalista e produtor cultural. Escreve sobre literatura aqui no Culturadoria e também em seu Instagram: @tgpgabriel (https://www.instagram.com/tgpgabriel)

Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!

[ RECOMENDADOS ]