fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

“História de avó é literatura pronta”, diz Júlia Medeiros, vencedora do Prêmio Jabuti 2019

Autora participou do Show da Tarde, que vai ao ar todas as quartas-feiras pelo nosso Instagram, e falou sobre a relação afetiva com as avós e sobre o livro que rendeu o Jabuti

Por Jaiane Souza *

22/07/2020 às 16:10 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Escritora Júlia Medeiros. Foto: Pablo Bertola / Divulgação

Quando se fala em avó, o que vem à sua cabeça? Para muita gente, é sinônimo de afeto, doçura, compreensão e muitos mimos. “Quando estamos perto delas é como se a gente acionasse um botãozinho para um lugar que é mais doce e terno, outra dimensão”, reflete a escritora Júlia Medeiros. E justamente por pensar nisso e na história com a própria avó Esmeralda que Júlia escreveu o livro A Avó Amarela, vencedor do Prêmio Jabuti como o melhor livro infantil em 2019. A narrativa se passa em um domingo em família, num almoço na casa da avó. 

Justamente no próximo domingo (26), no dia em que é comemorado o Dia dos Avós, Júlia participa  celebração online promovida pela Casa Fiat de Cultura. Ela vai realizar uma contação de histórias do livro A Avó Amarela às 10h. “Recomendo que todo mundo veja junto, mesmo que distante”, recomenda. Júlia participou nesta quarta (22) do Show da Tarde, programa realizado ao vivo pelo Instagram do Culturadoria. 

Foi uma conversa cheia de memórias afetivas sobre as avós. “É um universo que fica um pouco fantástico”, ressalta Júlia. A atriz e escritora compartilhou com Carol Braga as respectivas lembranças sobre os cuidados recebidos das avós. “O tempo com a avó não era o das obrigações. Era o tempo do prazer. Isso tudo ia deixando o momento muito encantado e mágico”, acrescentou.

O livro

Júlia Medeiros contou que até publicar A Avó Amarela o texto teve um longo período de decantação. Ou seja, foi amadurecendo com o tempo desde que começou a ser escrito em 2012. O lançamento da obra rendeu para Júlia não apenas o Jabuti, uma das maiores premiações literárias brasileiras. Ela também foi reconhecida pela Fundação Nacional do Livro Infantil como autora revelação, em 2019, e obteve o selo de Altamente Recomendável, também pela Fundação.

A outra avó 

O nome do livro também vem de uma doce recordação. A denominação veio quando Júlia e a irmã acharam no quarto de uma das avós uma foto em que estavam as duas avós, uma de roupa amarela e a outra de azul. Se a Vó Amarela, Esmeralda, está no livro, a homenagem para a azul chegou em forma da personagem Temporina. Ela fez parte do espetáculo e da Coleção presente de Vô, em colaboração com o coral dos Meninos de Araçuaí. “Não era exatamente a história da minha avó, mas inspirada nela”.

Júlia Medeiros remonta as memórias da infância e da magia da casa das avós para criar as narrativas na literatura, no teatro e na música. A autora fez parte do grupo Ponto de Partida durante 16 anos, no qual trabalhou como atriz, compositora e dramaturga. 

 

júlia medeiros

Capa do livro A avó amarela. Crédito: Editora ÔZé

Casa Fiat de Cultura

Além de Júlia, a celebração do Dia dos Avós na Casa Fiat de Cultura também terá, às 11h, Tatiana de Azevedo, diretora executiva do Museu dos Brinquedos. Ela conversa com a historiadora e educadora da Casa Fiat de Cultura, Carolina Ministério. O bate-papo é sobre o tema “De avós para netos: heranças e tradições dos brinquedos”.  Ambas as atividades serão realizadas no YouTube da Casa Fiat de Cultura

Lembrando que é preciso fazer inscrição gratuita: Clique aqui para a contação de histórias e clique aqui para bate-papo com Carolina Ministério e Tatiana Azevedo.

 

Confira o Show da Tarde da quarta, 22 de julho:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Com @juliamedeiros @elisatolomelli.oficial e @contatoong

Uma publicação compartilhada por Culturadoria (@culturadoria) em

photo

Confira cinco exposições virtuais imperdíveis em BH

Já na primeira página da exposição virtual Em Nome das Rosas, do BDMG Cultural, o visitante se surpreende com fotos e relatos de mulheres agredidas. No Memorial Minas Gerais Vale as visitas pelo acervo fixo são virtuais em 360º graus. No Centro Cultural Minas Tênis Clube, a exposição sobre Raymundo Colares é pelo Instagram. Essas […]

LEIA MAIS
photo

Dia do Cantor Lírico: artistas comentam desafios da profissão

Cinquenta anos da vida de Vanya Soares, de 73, foram dedicados ao canto lírico. Meia vida da Melina Peixoto, de 36, e do Pedro Vianna, de 30, também. O dia 22 deste mês será especial para eles. Na data é celebrado no Brasil o dia do cantor lírico. O gênero surgiu na Grécia antiga, antes […]

LEIA MAIS
photo

Como começar a ler poesia na internet?

A poesia é um gênero literário que pode intimidar, causar receio e até ser rejeitado por algumas pessoas, já que tem muitas complexidades, estilos e formas. Mas o fato é que ela está em diversos lugares, como na música, no teatro, no cinema e também nas redes sociais. Vai dizer que nunca viu um verso […]

LEIA MAIS