Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Conheça os quatros intérpretes selecionados para o Sarau do Minas

Por Thiago Fonseca *

04/09/2018 às 09:52 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Orlando Bento / Divulgação

Ivan Lins, Maria Bethânia, Sérgio Santos e Alceu Valença serão interpretados, respectivamente, pelos mineiros Lívia Itaborahy, Octávio Cardozzo, Maíra Manga e grupo Faca Amolada. Eles foram os selecionados para a segunda edição do Sarau Minas Tênis Clube. O projeto ocupará o Teatro do CCMTC nos dias 1, 2, 22 e 23 de outubro. Dessa forma, a apresentação dos shows será da jornalista e atriz Christiane Antuña. Os ingressos custam R$ 2.

Os quatro interpretes foram escolhidos entre 80 candidatos mineiros. Os jurados levaram em conta a melhor justificativa para a escolha do cantor ou compositor da música brasileira, e, por fim,  qualidade artística do candidato. O objetivo do Sarau é mostrar a inventividade e a criatividade dos intérpretes de Minas Gerais. Conheça os quatro selecionados:

 

Lívia Itaborahy – Foto: Orlando Bento / Divulgação

 

Lívia Itaborahy

“Ele me influencia desde nova. Um artista que me movia a ponto de defender uma canção dele em rede nacional. Suas letras são lindas e com muitas mensagens”, comenta Lívia sobre Ivan Lins. O compositor foi o escolhido por ela para o show no Sarau. A cantora, que se inscreveu nas duas edições do projeto, abrirá a série de apresentações no dia 01 de outubro.

O trio belo-horizontino ‘Trivial’ acompanha Lívia nessa empreitada. Assim, tocarão algumas canções de Ivan que transitaram entre as novelas, com letras mais leves, e as do período da ditadura, com letras mais críticas. Com a participação no projeto, Lívia acredita ganhar maior projeção como interprete, e, com isso, alcançar mais pessoas. A cantora está no ramo há muito tempo, atualmente canta em casamentos, em eventos, dá aulas e tem um projeto musical com duas amigas dentro de casa. No ano quem vem, pretende lançar disco.

 

Octávio Cardozzo – Foto: Orlando Bento / Divulgação

 

Octávio Cardozzo

Maria Bethânia foi a grande responsável por Octávio Cardozzo seguir como músico profissional. É ela que mineiro homenageará no seu show, no dia 2 de outubro. “Em BH existe uma cultura do cantautor e do compositor. Me sentia deslocado porque sou mais cantor do que compositor. Desde a adolescência acompanho a artista e tinha certeza que poderia fazer um trabalho de cantor intérprete sem perder minha identidade, assim como Bethânia”, conta.

No show, Octávio fará um recorte específico das músicas da artista que falam do sertão. Ele inserirá na apresentação instrumentos elétricos, como por exemplo, o teclado, a bateria e o baixo. ‘Sertão elétrico’ é um show inédito. Ao lado do artista estarão os músicos Guilherme Ventura e Pedro de Grammont. A direção é de PC Guimarães. Octávio está feliz em poder participar do projeto. Ele começou a carreira na adolescência e já tem alguns discos gravados. O último, ‘Âmago’, saiu em setembro do no ano passado. Nele, o artista interpreta músicas, em sua maioria, de compositores mineiros.

 

 

Maíra Manga – Foto: Orlando Bento / Divulgação

 

Maíra Manga

Maíra Manga interpretará no show canções de Sérgio Santos. O compositor e músico é considerado pela cantora patrimônio musical do Brasil. Dessa forma, escolheu Sérgio por admirar suas obras e reconhecer sua importância para a história. “Vou levar ao show canções já consagradas do artista e algumas que são novas. Acho Sérgio incrível, me identifico com suas letras. Elas me batem muito. Já trabalhei com ele e agora quero prestar minha homenagem”, explica.

A música está na vida de Maíra desde a infância. O pai é compositor, por isso, e sempre foi uma forte influencia. Aos 18 anos, decidiu estudar música e desde então, buscou aprimorar seu instrumento: a voz. Ela vê no Sarau uma possibilidade de ampliar seu trabalho. “Como não componho, gosto de interpretar canções de outras pessoas que chegam de uma maneira especial. Dessa maneira, acabo participando também em uma cocriação da canção”. No dia 22 de outubro dividirá o palco com o pianista Rafael Martini e o homenageado Sérgio Santos.

 

Chico Rocha, Isadora Rocha e Ébora Coy – Foto: Orlando Bento / Divulgação

 

Faca Amolada

As canções do compositor Alceu Valença serão interpretadas nas vozes do ‘Faca Amolada’, o único grupo musical a se apresentar no Sarau. Fazem parte do projeto os músicos Chico Rocha, Isadora Rocha e Ébora Coy. Segundo Chico, o grupo tem uma relação muito conceitual com a música de Alceu. “Escolhemos o artista pois ele vem de encontro com o nosso trabalho. Suas canções não deixam de lado o dia-a-dia, falam da natureza e das pessoas. Por fim, participar do Sarau é uma oportunidade que sempre almejamos”.

A apresentação do grupo será no dia 23 de outubro. No repertório, do mesmo modo em que destacarão as canções de Alceu, ainda estarão algumas autorais do grupo. O ‘Faca Amolada’ surgiu há nove anos e leva uma vida musical interiorana com participações em festivais. Dentre os trabalhos do grupo estão os projetos ‘Pelas cidades’ e ‘Olho da rua’. Neles, em suma, o grupo sai pelas ruas da cidade com performances, música e poesia. Agora, pretendem ampliar novos horizontes.

 

Continua após a publicidade...

photo

Confira as dicas para o seu fim de semana: 07 de dezembro

Nossa Culturadoria do fim de semana destaca muitas atrações de BH. Além da comemoração dos dez anos da DelegasCia, tem o encontro de Titane e Elomar no palco da Sala Minas Gerais. No teatro, destacamos o retorno da peça mais recente do coletivo As Bacurinhas. 14 Bis Acústico Eis outra banda cheia de hits e […]

LEIA MAIS
photo

[PONTO DE ESCUTA] ‘Djalma não entende de política’ ignora crise e renova irreverência

Hard-samba progressivo pós-wagneriano. Oi? É assim que Djalma não entende de política, banda formada por André Albernaz, Carlos Bolívia, Carol Abreu, Drica Mitre, Fernando Feijão e Terêncio de Olveira se apresenta. É para entender? Claro que não. Irreverência é a marca do coletivo que desde 2011 se reúne para fazer música na vibe do sem […]

LEIA MAIS
photo

Lá da Favelinha completa três anos de revolução cultural

  Desde que o Centro Cultural Lá da Favelinha nasceu na Vila Novo São Lucas a rotina e a vida dos moradores não são mais as mesmas. O simples andar pela rua hoje já é diferente. Um tímido espaço colorido chama a atenção de quem passa por lá. Pelo tamanho poderia ser confundido com um […]

LEIA MAIS