Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Impressões teatrais: Boca de Ouro e o teatro estético de Gabriel Villela

Por Carol Braga

19/03/2018 às 13:18

Publicidade - Portal UAI
© João Caldas Fº

Não estava em meus planos escrever sobre Boca de Ouro, a montagem com texto de Nelson Rodrigues e direção de Gabriel Villela. Como muita gente perguntou as minhas impressões no Facebook e Instagram, resolvi cometer este texto. Sim, comenter pois se trata, apenas, de um ponto de vista. A peça esteve em cartaz no fim de semana no Grande Teatro do Palácio das Artes.

 

Confesso que o cenário, também assinado por Gabriel, me impactou assim que entrei. Talvez essa primeira impressão tenha funcionado para o mal. Aumentou a expectativa. Sou realmente fã do trabalho do diretor. Acredito na capacidade que ele tem de criar encenações muito belas.

 

Nesse caso, Villela é feliz ao derrubar a quarta parede. Escolhe se aproximar da sátira, da farsa ao contar uma tragédia em tom carnavalesco. Ou seja, o tempo todo ele deixa muito claro para o público que se trata de teatro. É uma encenação bem rasgada. De certa forma, até simples se compararmos a outros trabalhos do diretor.

 

 

Encenação

 

Todos os momentos que me chamaram atenção, no entanto, têm mais a ver com as escolhas estéticas feitas para a cena. Por exemplo, genial o dedilhar nas mesas para representar a redação. E o figurino? Um mais bonito do que o outro. Há uma constante resignificação de objetos.

 

Gabriel adota ótimos recursos cênicos, principalmente na representação das mortes. Sim, é Nelson Rodrigues então tem muita morte. Vale lembrar que Boca de Ouro faz parte das tragédias cariocas. O sangue mortal aparece em conta-gotas.

 

Apesar disso tive sensação de repeteco em algumas cenas. A escada do lado esquerdo – já usada no Romeu e Julieta do Grupo Galpão – as sombrinhas, são elementos que frequentemente aparecem na obra do diretor. Se estão ali é porque elas tem um significado. Em Boca de Ouro, ele não me pareceu muito claro (sim, posso ter pescado).

 

© João Caldas Fº

 

Proximidade

 

O espetáculo foi concebido para espaços menores. Soube que em São Paulo foi apresentado no Tuca Arena, que é minúsculo se comparado ao Palácio das Artes. Certamente isso nos aproximaria mais do drama daqueles personagens. Como o espaço era muito grande, de longe, o melodrama rasgado fica exagerado. Inclusive no tom da interpretação.

 

À distância, perdemos as sutilezas do numeroso elenco encabeçado por Malvino Salvador como Boca de Ouro. Mel Lisboa está irreconhecível como Celeste. A escolha do carnaval, do cabaré acabam licenciando a caricatura como recurso de interpretação.

 

A escolha da música – e o tom carnavalesco – para conduzir a trama é acertada. Canções de Dalva de Oliveira, Herivelto Martins, Lupcínio Rodrigues e outro se acoplaram à dramaturgia de Nelson. É, sem dúvida, uma força do espetáculo. Achei forçado, porém, o uso de um humor quase clownesco, o que, aliás, tem a ver com a caricatura mencionada acima.

 

Dramaturgia

 

Não conhecia este texto de Nelson Rodrigues. Sei que não costuma figurar entre os melhores dele. Tem lacunas, repetições que acabam prejudicando o fluxo narrativo. Ainda mais hoje em dia, quando ficar mais de uma hora no teatro passa a ser um grande exercício de concentração.

 

Além disso, acho delicado reverberar hoje algumas questões da forma como o dramaturgo coloca. A mulher como objeto, por exemplo, é algo que me incomoda bastante. Sim, é preciso denunciar o feminicídio. Ainda mais em um contexto como o que atravessamos hoje. (Em tempo: Marielle, presente!)

 

De certo modo o texto faz esse tipo de denúncia. É tímida. Será que não valeria uma revisão crítica?

 

Talvez esteja aí também minha dificuldade em embarcar na história que estava sendo contada. Minha experiência com Boca de Ouro se resumiu à estética de Gabriel Villela. Aí sim, eis algo que sempre valerá à pena.

 

Continua após a publicidade...

photo

Solidariedade no frio: CCBB troca agasalhos por ingressos para o teatro

Quem levar ao Centro Cultural Banco do Brasil agasalhos, calças, cobertores, calçados, meias e outros acessórios de inverno, limpos e em bom estado de conservação poderá assistir de graça a um dos espetáculos em cartaz na casa. Ou seja, o ótimo Sobre Ratos e Homens e Jardins, que ainda não vi. Diariamente serão disponibilizados até […]

LEIA MAIS
photo

Culturadoria para o seu fim de semana: #30mar_02abr

O fim de semana está com atrações interessantes principalmente na música. A programação tem desde veteranos como Lô Borges comemorando os 45 anos do “Disco do Tênis” como representantes da novíssima geração revelada pela internet, elenco do Festival Sai da Rede. No teatro, Letícia Sabatella traz a Belo Horizonte montagem que está mais para show […]

LEIA MAIS
photo

Crítica em diálogo: monólogo ‘Peixes’, de Ana Regis

Crítica em diálogo é um experimento proposto pelo Culturadoria para a crítica de teatro. Mais que uma relação unilateral, acreditamos na potência da conversa. Por isso, convidamos a atriz, dramaturga e diretora Ana Regis a participar desse diálogo crítico sobre Peixes. Peixes, por Carolina Braga Peixes não é um espetáculo fácil de se ver. Incomoda. […]

LEIA MAIS