fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Razões para ver a série História Secreta do Pop Brasileiro disponível na Amazon Prime Video

A produção aborda o Lado B da indústria musical brasileira entre os anos 1970 e 1980 e está disponível na Amazon Prime Video

Por Jaiane Souza *

15/09/2020 às 18:11 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Grupo Os Carbonos. Crédito: Kuarup Produtora

O que há por trás de sonoridades, estéticas e caminhos de grandes sucessos musicais? Algumas vezes são pessoas que sequer recebem crédito ou devido reconhecimento. São histórias como essas estão presentes na série História Secreta do Pop Brasileiro, disponível em oito episódios, na Amazon Prime Video.

Para falar dos bastidores, a produção evoca músicos, empresários e produtores do show business que atuaram entre os anos 1970 e 1980 no Brasil. A produção é baseada no livro Pavões misteriosos, lançado em 2014 por André Barcinski (também o diretor). Mostra como era a indústria fonográfica antes da era digital.

Os episódios tem cerca de 25 minutos. Os roteiros abordam os primórdios da música pop no país. Para isso, a série passa por diferentes fenômenos, como os clones de artistas gringos, a música infantil e até a influência dos bailes na projeção de canções para o rádio. Em resumo, mostra como o lado B influenciou na indústria fonográfica.

Sendo assim, destacamos alguns pontos marcantes que oferecem alguns argumentos para conferir a série. 

 

Você vai conhecer mais sobre falsos gringos

Quando as músicas românticas estadunidenses eram sucesso nas rádios de lá, algumas pequenas gravadoras desenvolveram formas de suprir a demanda no Brasil. Para isso, criaram os falsos estrangeiros, já que não tinham verba para licenciar os artistas internacionais. Dessa forma, vendiam os artistas aqui e os proibiam de conceder entrevistas para que passassem como originais.

Alguns nomes famosos atualmente surgiram assim. Alguns deles são Jessé (Tony Stevens) e Fábio Jr. (Mark Davis). A farsa pegou, foi abraçada por público e até por trilha de novelas. Exemplo disso é a canção Feelings, de Morris Albert. A música esteve na novela Corrida de Ouro, da Globo, em 1974. Além disso, vendeu mais de 300 mil cópias no Brasil e três milhões nos EUA. Também foi regravada por centenas de artistas, como Caetano Veloso, Nina Simone, Frank Sinatra, Elvis Presley e The Offspring. É mole?

Vai conhecer os clones também

Paralelamente aos falsos gringos, haviam os clones. Eram artistas brasileiros que faziam covers dos internacionais utilizando nomes parecidos. Por exemplo, Prini Lorez, era versão de Trini Lopez, Dee D. Jackson, mesmo nome do fenômeno da era disco. Teve também a Brazilian Genghis Khan, versão da alemã dos Dschinghis Khan. Eles tinham características estéticas e sonoras parecidas e cantavam músicas originais e versões em português.

história secreta do pop brasileiro

Integrantes do grupo Os Carbonos atualmente. Crédito: Kuarup Produtora

Vai se admirar com a trabalheira dos “heróis anônimos”

Sabe a parte instrumental das músicas É o amor (Zezé di Camargo e Luciano), O boi vai atrás (João da Penha), Feelings (Morris Albert), Fuscão Preto (Almir Rogério), Feiticeira (Carlos Alexandre)? Todas foram interpretadas pelo grupo Os Carbonos. Muitos músicos no Brasil não tinham banda própria. Por isso, precisavam contratar uma de estúdio para fazer a base. Raramente eram citadas nos créditos dos trabalhos, mas foram fundamentais para o resultado final. 

A mais atuante foi Os Carbonos. Outras que se destacaram foram Renato e seus Blue Caps e The Fevers. Entretanto, nenhuma gravou tanto quanto Os Carbonos. Durante 30 anos de atuação, foram mais de 100 discos autorais e mais de mil participações em trabalhos de outros artistas. O número não é exato porque não recebiam créditos e nem cópias dos discos que participavam.

Vai ficar de queixo caído com a quantidade de histórias de bastidores

Como é em formato de documentário, a série apresenta vários personagens que ajudaram a construir a História Secreta do Pop Brasileiro. Sejam os mais famosos ou os mais anônimos. Por exemplo, Regina Shakti, a Dee D. Jackson brasileira. Ela foi um dos clones criados pela indústria para fugir dos royalties dos artistas dos EUA. A curiosidade nesse caso é que a vida pessoal era o oposto da personalidade montada para aparecer na mídia. Ou seja, Regina sempre se dedicou à Yoga e atualmente trabalha exclusivamente no ramo e na quirologia.

Outra personalidade presente é Gretchen. Ela conta sobre a origem do nome artístico, que utiliza até hoje, a entrada na indústria musical e o sucesso. 

Gretchen, o produtor Mister Sam e Sharon. Crédito: Kuarup Produtora

Vai ouvir muita música que trarão nostalgia

Em algum momento da sua vida você já ouviu alguma das músicas citadas em História Secreta do Pop Brasileiro. Se não ouviu, é uma boa oportunidade para conhecer. Além dos relatos e das imagens de arquivo contidas na série, muitos artistas interpretam versões inéditas. Menção especial aqui para o episódio dos Carbonos e dos Corais, três e cinco, respectivamente.

Dessa forma, para já adiantar os trabalhos fica a dica da playlist com a trilha sonora da série disponível no Spotify. Confira a série na íntegra aqui.

 

 

photo

Web séries mineiras criadas em contexto de pandemia exploram novas linguagens e formas de fazer o audiovisual

“É que às vezes eu penso na falta. Eu penso do que eu sinto falta… se eu faço falta…”. É sobre essa frase que a web série Os Dias de Clara se debruça. Criada pela atriz Raquel Lauar e dirigida por Marcelo do Vale, o projeto tem sido produzido durante a pandemia e será exibido […]

LEIA MAIS
photo

É Tudo Verdade: confira cinco filmes imperdíveis no festival

A segunda etapa do É Tudo Verdade, Festival Internacional de Documentários, já tem data para ser realizada: de 23 de setembro a 4 de outubro. A primeira fase ocorreu em março e abril com 30 filmes e séries disponíveis em formato online. Já a segunda etapa tem caráter competitivo e hors-concours, ou seja, produções que […]

LEIA MAIS
photo

“É uma afronta à nossa democracia”, diz Eryk Rocha sobre o descaso com a cinemateca

No início de setembro o cineasta Eryk Rocha lançou no Globoplay o longa Breve Miragem de Sol. O drama, de 2019, passaria por vários festivais e salas de cinema, contudo, por conta da pandemia, teve que ir para o streaming. “É a primeira vez que eu lanço um filme em uma plataforma. É uma nova […]

LEIA MAIS