fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Tempo real: conheça o trabalho do artista audiovisual Henrique Roscoe

Por Carol Braga

20/04/2018 às 13:04

Publicidade - Portal UAI

Mariana Peixoto – colaboração especial para o Culturadoria

Sincronicidade. Este é um bom começo para conhecer o trabalho do artista audiovisual Henrique Roscoe. Basicamente ele trabalha com áudio, som e vídeo. Mas cada projeto tem um conceito próprio e utiliza diversas ferramentas – que podem ser instrumentos musicais, computadores e toda a sorte de ferramentas, digitais e analógicas.

Muitos o conhecem pelo nome de 1mpar, principalmente quem frequentou a noite eletrônica de Belo Horizonte a partir dos anos 2000. Envolvido com música desde a adolescência, começou a atuar como VJ há 15 anos.

Participou dos grandes festivais do boom da música eletrônica do início do milênio – Skol Beats, Creamfields, Nokia Trends, Eletronika. Ao mesmo tempo, passou a fazer trabalhos para terceiros, na criação de vídeo-cenários. Gente grande mesmo: Roberto Carlos, Skank e Earth Wind and Fire. Foi ainda um dos idealizadores do Festival de Arte Digital (FAD), onde atua como curador.

Outras áreas

“Até hoje faço trabalhos como VJ, mas acabei diversificando. A ideia foi sair do ambiente da pista de dança e ir para o teatro, o espetáculo, fazendo trabalhos para as pessoas assistirem, prestarem atenção. É um clima bem diferente do da festa, da pista”, comenta Henrique, que tem uma pá de projetos em andamento.

Logicamente, os avanços tecnológicos fizeram com que ele evoluísse como artista. “Principalmente na parte visual, já que a evolução do áudio não foi tão grande quanto a da imagem. Quando comecei como VJ, eu trabalhava com vídeos numa resolução baixa. Hoje, a resolução é quatro, cinco vezes maior. Com isto, as imagens são mais elaboradas.”

A maioria dos trabalhos que Henrique faz é ao vivo, ainda que de vez em quando ele também produza performances. “O processo é todo em tempo real, é gerado na hora.” E cabe tudo: música eletrônica, experimental e até erudita, como mostram os projetos abaixo.

Foto: Eduardo Magalhaes / Divulgação.

HOL

É hoje o principal projeto autoral de Henrique, que já o levou a participar de festivais em 15 países. Foi criado para mostrar a relação entre arte e tecnologia. Grosso modo, ele cria som e imagem ao vivo – cada performance é única. Mas a coisa não é tão simples quanto parece. “É um trabalho em que misturo tudo que sei sobre música, artes visuais, design, programação. Não uso vídeos pré-gravados, é o computador que gera a imagem na hora”, comenta. E estas imagens dialogam com o som que ele também produz na hora, a partir de instrumentos que ele próprio criou.

“Tenho instrumentos físicos e outros, criados a partir de software, que tocam de forma autônoma. Há inclusive alguns que geram imagens, que chamo de instrumentos audiovisuais.” Como cada performance é única, Henrique parte de um tema para criar o trabalho. Synap.sys, por exemplo, trata das sensações e sentimentos que ativam a memória.

 

 

Foto: Divulgação.

1MPAR COLOR MUSIC

Música eletrônica ao vivo, é seu projeto mais dançante. Sem computador – ele só utiliza hardware de áudio, como sintetizadores, samplers e sequencers – ele apresenta suas composições, que variam do IDM (estilo mais experimental, que mistura diferentes gêneros) até o techno. Acompanhando as batidas da música, está a luz. “A luz está sempre em sincronia com o som através de um instrumento que criou que converte a parte sonora em luz”, explica.

Foto: Danielle Curi / Divulgação.

LUMIA

Música erudita com projeções. Ao lado da pianista Joana Boechat, Henrique mostra que é possível água e óleo se misturarem. “O repertório é de música erudita, mas de compositores do século 20”, conta. À medida que ela executa uma peça, ele apresenta imagens que dialogam com a música. Música e imagem acabam formando uma unidade, um dos princípios da chamada Visual Music (o tratamento da imagem de forma musical). O projeto, ao contrário do que possa parecer, não é “difícil”. “A música que a Joana toca é mais tradicional, tranquila. Fizemos esse projeto para um público mais leigo”, acrescenta.

O Lumia se apresenta no dia 25 de abril, às 20h, no teatro de bolso do Sesc Palladium. Ingressos: R$ 25

CLUBE DO SYNTH

Este projeto é super novo, foi criado no início do ano. Quatro produtores/músicos – Fabiano Fonseca (do Amateuur), Daniel Nunes (Lise e Constantina) e André Thitcho, além de Henrique – apaixonados por sintetizadores resolveram se unir para, de forma descompromissa, promover encontros e apresentações. “Na verdade é grupo de improvisação com sintetizadores”, conta. As performances são totalmente livres, criadas a partir do zero e sem nenhum ensaio. Mas há uma regra única: não se pode usar computador.

photo

Toni Garrido chega a BH para falar sobre carreira artística

“Você não sabe o quanto eu caminhei. Pra chegar até aqui. Percorri milhas e milhas antes de dormir. Eu não cochilei. Os mais belos montes escalei […]”. A letra da música ‘A Estrada’, de Toni Garrido, resume bem como é a vida de um artista. “As coisas não são fáceis. Nada vem mastigado”, resume. Justamente […]

LEIA MAIS
photo

Academia Orquestra Ouro Preto apresenta montagem inédita de ópera

Tem gente que torce o nariz para música de orquestra, pois acha que é feita para público segmentado. Ou que só pode ser desfrutada por pessoas de cultura erudita e classes altas. Entretanto, quem acompanha o trabalho feito pelas Orquestras de Minas Gerais, sabe que não é assim. Definitivamente. Seja a Filarmônica, a Sinfônica, a […]

LEIA MAIS
photo

Cinco pontos sobre o show de Roger Waters em BH

Show de Roger Waters está para os fãs de Pink Floyd assim como um parque de diversões para crianças. Volte no tempo e pense em todas as emoções que sentiu a primeira vez que experimentou um daqueles brinquedos. Assim como as outras turnês, Us + Them é um espetáculo que, sobretudo, desperta sensações. Deste modo, […]

LEIA MAIS