fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Grupo XIX de Teatro chega a BH com peça infantil interativa

Por Thiago Fonseca *

26/11/2018 às 08:17 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Jonatas Marques / Divulgação

Uma discussão para início de uma conversa entre pais e filhos sobre assuntos difíceis. É assim que Luiz Fernando Marques, um dos diretores de ‘Hoje o escuro vai atrasar para que possamos conversar’, gosta de definir a função do espetáculo que chega no CCBB-BH no dia 30 de novembro. Uma montagem lúdica, sensorial e de experiência que fala sobre respeito às diferenças e bullying para as crianças.

Esse é o primeiro espetáculo infantil do Grupo XIX de Teatro. Estreou em março deste ano e tem no elenco Janaina Leite, Juliana Sanches, Rodolfo Amorim, Ronaldo Serruya e Tarita Souza. A dramaturgia é de Ronaldo Serruya,  direção de Luiz Fernando Marques e Rodolfo Amorim.

Conhecido pelos espetáculos ‘Hysteria’ e ‘Marcha para Zenturo’ o grupo sempre buscou tratar de assuntos importantes, com peças interativas e ocupar os espaços. Dessa vez não será diferente. Só que agora é a hora de falar com as crianças. ‘Hoje o escuro vai atrasar para que possamos conversar’ teve o processo criativo inspirado no romance ‘De repente, nas profundezas do bosque’, do escritor israelense Amós Oz. Em resumo,  fala sobre os conflitos entre Israel e a Palestina por meio de uma fábula.

“Sempre conversamos sobre o que falar, quando surgiu o livro todo mundo leu e decidimos montar o infantil. Era algo que já queríamos. Vimos na fábula uma oportunidade de dizer para as crianças o que já era dito para os adultos. A peça tem uma relação muito grande com o espaço e a interatividade. Dessa maneira, discutimos a diferença entre a as pessoas e bullying”, explica Luiz.

 

Continua após a publicidade...

 

A montagem

A peça se passa em uma aldeia onde não vivem mais animais. Eles fugiram no passado e agora são quase mitológicos. Os adultos não tocam do assunto, apenas a professora Rafaela. Nesse lugar, vivem os amigos Luna, Santi e Clara. Luna, depois de sofrer bullying por ser diferente de seus colegas, também desaparece. Desconfiados de que ela teria sido raptada pelo Espírito do “não-sei-o-quê” do bosque, seus amigos partem floresta a dentro em busca dela e descobrem o motivo pelo qual os animais foram embora. Ainda se encontram com um espírito diferente.

Segundo Ronaldo Serruya, o texto além de ser inspirado no livro, parte de uma vivência do dramaturgo e provoca. “Queremos falar de assuntos considerado difíceis em uma estrutura fabular. O texto tem muitas metáforas e preocupei muito em não subestimar a capacidade das crianças lidar com elas. Falamos sobre a importância de ser diferente, questões de gênero e respeito ao outro”, conta Rodolfo.

 

Foto: Jonatas Marques / Divulgação

 

Interação

O espetáculo não será apenas dentro do teatro. Todos os ambientes do CCBB, como por exemplo, as galerias e o café, também serão palcos da história. O público poderá também conhecer o camarim, interagir com os atores, tocar no cenário e figurino.

“Pensamos em brincar com a fábula, onde as crianças saem buscando pelos animais pelo museu. Assim elas interagem com o espaço e entram em contato com parte do teatro que desconhecem. É uma peça de participação para pais e filhos. Um momento de comunhão para que depois a conversa continue em casa. A gente pensa muito no público e queremos prepará-los para o diálogo’, pontua Luiz.

O cenário funcionará como uma instalação inspirada no trabalho da artista mineira Lygia Clark, usando estímulos com o escuro, claro, barulhos e diferentes texturas para provocar os sentidos da plateia. A trilha é recriada com materiais naturais acompanhados de violão. Já o figurino, passa por transformações ao longo da peça e busca quebrar os paradigmas do masculino e feminino.

Serviço

[O QUE] Espetáculo ‘Hoje o escuro vai atrasar para que possamos conversar’, do Grupo XIX de Teatro [QUANDO] De 30 de novembro a 23 de dezembro, sextas e segundas, às 16h e sábados e domingos, às 11h e 16h [ONDE] CCBB – Praça da Liberdade, 450, Funcionários – BH [QUANTO] R$ 30

 

photo

Crítica em Diálogo: provocações sobre o Tiradentes em Cena 2018

O exercício da crítica, assim como a busca de novas possibilidades para este gênero jornalístico é um dos desafios do Culturadoria. Acredito na possibilidade de construção de diálogos sobre as obras e os eventos artísticos. O convidado da vez é o Tiradentes em Cena. A dinâmica é a seguinte: registramos aqui as impressões que ficaram […]

LEIA MAIS
photo

A volta de João das Neves à vida de ator

Lá se vão 25 anos desde que João das Neves pisou no palco como ator. Até que, por coincidência, Lazarillo de Tormes, texto do século XVI, de um autor anônimo, arrebatou o artista de 82 anos. “Brincamos de fazer teatro o tempo todo. É muito gratificante e profundo”, revela. Pronto, João está de volta à […]

LEIA MAIS
photo

Peça ‘Banho de Sol’ faz convite à empatia após experiência em presídio

A arte pode ajudar a recuperar o que se perde nos piores momentos da vida. É esse recado que a peça ‘Banho de Sol’, da Zula Cia. de Teatro, pretende dar a cada um que for conferir o espetáculo em cartaz no CCBB até o dia 22 de abril. ‘Banho de Sol’ é um projeto […]

LEIA MAIS
photo

Arte e Liberdade: Zula Cia de Teatro monta peça a partir de experiência em presídio

Teatro para além dos palcos: atravessando muros Por Lara Alves Reza uma lenda japonesa que aquele que fizer mil tsurus de origami terá um desejo realizado. Ao cabo de séculos essa tradição viajou entre ocidente e oriente. Do lado de cá do oceano, mulheres que cumprem pena no pavilhão externo do Complexo Penitenciário Feminino Estevão […]

LEIA MAIS