fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Grupo Galpão apresenta cinco peças na festa de seus 35 anos

Por Carol Braga

30/05/2017 às 16:44

Publicidade - Portal UAI

Grupo Galpão comemora 35 anos de carreira. O elenco é o mesmo há 22 anos. Crédito: Guto Muniz

Quando os integrantes do Grupo Galpão começam a se lembrar dos encontros que costumam ter com público depois das apresentações aparece um pouco de tudo. Se um ator conta do fã que nunca viu e sempre amou a trupe mineira, o outro se lembra da experiência no interior seja de Minas ou do Maranhão. Logo aparecem mais e mais depoimentos que coincidem em um ponto: como o Galpão é importante para a vida dessas pessoas e para o teatro brasileiro.

São 35 anos ininterruptos atividades. Nos 23 espetáculos montados ao longo da carreira, teve de tudo: diversos clássicos, obras contemporâneas, espetáculos de rua, palco italiano e até um sarau musical. Mostrar um pouco dessa diversidade é o tema temporada comemorativa que começa no dia 08 de junho, no teatro Sesiminas com a montagem de Nós, o caçula do repertório.

Na sequência teremos Os Gigantes da Montanha (16/06), De tempo somos (17/06) e Till, a saga de um herói torto (18/06) na Praça do Papa; Tio Vânia (aos que vierem depois de nós) (22 a 25 de junho) no Teatro Francisco Nunes seguido do repeteco de De tempo somos, no Teatro Raul Belém Machado (29 de junho). Depois os atores seguem com o repertório para o Rio de Janeiro, Natal, João Pessoa e Aracaju.

35 anos de pesquisa

“É um trabalho que começou em 1982, nasceu na rua e vem sendo fiel ao teatro popular e de rua ao longo desses 35 anos. Sempre nos propusemos ocupar todos os espaços possíveis”, comenta o ator Eduardo Moreira. Com um adendo importante: é um projeto artístico que cresceu, fomenta a formação de novas gerações via Galpão Cine Horto, cuida da memória e se mantém fiel ao estudo do teatro. “É sempre um desafio não repetir fórmulas”, acrescenta Eduardo.

Ao longo dessas três décadas o Galpão se tornou raridade no cenário nacional por alguns aspectos: nenhum grupo conseguiu manter regularidade de produção ao longo de tanto tempo; são pelo menos 22 anos em cena com o mesmo elenco; e também é uma das poucas companhia que assume com muita dignidade o envelhecimento de cada um de seus artistas dentro da cena.

Claro que isso se reflete naquilo que o Galpão leva para a cena. Nas duas últimas montagens do grupo Nós, com direção de Márcio Abreu e De Tempo Somos, dirigida por Lydia del Picchia e Simone Ordones a companhia olha de maneira mais intensa para si própria. O resultado surpreende.

Enquanto o sarau é um encontro afetivo com a trajetória musical, Nós é mais cru na forma como simboliza o mundo contemporâneo, as dores e as delícias das convivências. É uma montagem em que o Galpão experimenta um flerte mais intenso com a performance. Ou seja: um lugar novo, desconhecido, para quem está na lida teatral há mais de 30 anos.

Trecho da Entrevista Coletiva 

Próximo espetáculo

Como Eduardo Moreira destaca, cada montagem tem uma dificuldade específica. Os Gigantes da Montanha, por exemplo, clássico de Pirandello dirigido por Gabriel Villela tem demandas técnicas que são muito específicas. Já Tio Vânia, dirigido por Yara de Novaes, requer uma presença cênica dos atores em um registro totalmente diferente.

“Estar no jogo do teatro sempre exige muita vida. É preciso concentração para que não venha como um ato morto”, pontua Eduardo. “Basta ser verdadeiro”, completa Antônio Edson. Para Lydia, espetáculos como Nós ou De tempo somos, tem o sabor especial de surpreender a plateia. Mesmo aquela que acompanha o grupo há muito tempo. “O negócio é se colocar em desafios. O que a gente ainda não fez?”, questionou Chico Pelúcio.

O Grupo Galpão renovou a parceria com Márcio Abreu. Os atores e o diretor já estão conversando sobre a nova montagem, ainda sem data definida. Aliás, nada está definido. Por enquanto se debruçam em textos teatrais contemporâneos. O desejo é esse: partir de um texto pronto para falar do hoje, do agora.

Grupo Galpão 35 anos de teatro

08 a 11 de Junho – Nós. Teatro Sesiminas (Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia) R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). [COMPRE AQUI]

16 de Junho – Os Gigantes da Montanha. Praça do Papa

17 de JunhoDe Tempo Somos. Praça do Papa

18 de JunhoTill, a saga de um herói torto. Praça do Papa

22 a 25 de JunhoTio Vânia (aos que vierem depois de nós). Teatro Francisco Nunes (Av. Afonso Pena, s/n, Centro. R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). [COMPRE AQUI] 

29 de JunhoDe tempo somos. Teatro Raul Belém Machado (Rua Leonil Prata, s/n, Alípio de Melo. R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

photo

Crítica em Diálogo: provocações sobre o Tiradentes em Cena 2018

O exercício da crítica, assim como a busca de novas possibilidades para este gênero jornalístico é um dos desafios do Culturadoria. Acredito na possibilidade de construção de diálogos sobre as obras e os eventos artísticos. O convidado da vez é o Tiradentes em Cena. A dinâmica é a seguinte: registramos aqui as impressões que ficaram […]

LEIA MAIS
photo

O que faz o Cirque du Soleil uma referência no entretenimento mundial?

Disciplina. Essa é uma palavra chave não apenas para quem trabalha no Cirque du Soleil como também para alguém que, como eu, passou algumas horas visitando os bastidores de OVO, a montagem que acaba de chegar ao Brasil. O espetáculo, com direção de Déborah Colker, tem dez anos de vida e alguns marcos. Por exemplo, […]

LEIA MAIS
photo

[Ponto de vista] ´Fauna´: teatro provocativo no melhor sentido

Foi um susto quando ainda no corredor do Teatro Wanda Fernandes do Galpão Cine Horto o ator e diretor Ítalo Laureano lembrou que o Grupo Quatroloscinco – Teatro do Comum inicia agora as comemorações de seus dez anos de carreira. Fauna, o espetáculo mais recente do repertório abre a série de atividades que inclui a […]

LEIA MAIS