fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Green Book: jornada coletiva contra preconceitos estruturais

Filme dirigido por Peter Farrelly recebeu cinco merecidas indicações e conta com interpretação magistral de Mahershala Ali

Por Carol Braga

23/02/2019 às 09:45

Publicidade - Portal UAI
Foto: Diamond Films / Divulgação

Lembra nos anos 90, daqueles filmes de comédia bem bestas? Se você quer dar esse exemplo pra alguém é bem provável que diga: “tipo Debi e Loide?”. Pois sabia que esse filme que é ícone do besteirol americano tem uma relação com o belo e sensível Green Book. Sim, o diretor é o mesmo: Peter Farrelly.

É por isso em que alguns – poucos, é verdade – momentos do longa que recebeu cinco indicações ao Oscar 2019 há um toque de humor. Um toque, porque fazer rir parece ser não a máxima desse filme tão sensível, baseado em uma história real. O objetivo de Green Book parece ser muito mais tocar, fazer refletir sobre problemas estruturais que ainda precisamos enfrentar.

Bem, é a história de Tony Lip. Em resumo: o papel de Viggo Mortensen é de um homem tosco em Green Book. Tão tosco que me irritou muito (Vigo, foi mal, eu sei que isso mostra a qualidade do seu trabalho, mas foi too much pra mim). O objetivo era esse mesmo: mostrar o quão babaca são muitos homens brancos, héteros e que se sentem superiores somente por serem, vale repetir, brancos e héteros.

Pois esse cara, sem trabalho, é quase obrigado a aceitar a proposta para ser motorista de um cara de um talento enorme, mas que é oposto dele. Ou seja: negro e gay. Estamos nos Estados Unidos dos anos 60 e eles precisam pegar a estrada juntos. Mas, como o patrão é negro, – pasmem – naquele tempo nem tão longínquo assim tinha um livro, o tal Green Book, que dizia os hotéis em que pessoas como ele poderiam se hospedar. Absurdo!

 

Foto: Diamond Films / Divulgação

 

Jornadas

O que Peter Farrelly em Green Book faz a partir dessa história é convidar a gente para uma jornada de transformação. Acho que por isso o filme é tão tocante. Ao mesmo tempo em que fala sobre como uma amizade é capaz de transformar alguém, nos faz pensar no tanto essa nossa sociedade ainda precisa evoluir. Mudar mesmo. O racismo que convivemos hoje é estrutural. Estrutural e isso precisa se transformar. Cada um tem que fazer a sua parte. Um filme que faz pensar sobre isso já é um passo.

Bem, nos aspectos cinematográficos não há como não começar destacando a potência de Mahershala Ali como Dr. Don Shirley. É um dos melhores atores da geração dele, sem dúvida. Viggo Mortensen também convence no papel do tosco que se transforma. Outro aspecto a se destacar em Green Book, é o roteiro. O filme vai apresentando o crescimento dos dois aos poucos. Sim, porque rola uma troca, né! Mérito também da montagem, que entendeu o tempo do filme. Sim tem isso: assim como a vida, nos filmes também há o tempo certo para cada um digerir as informações.

 

 

 

photo

Público aprova tom político presente nas telas de Tiradentes

Jaloo é um artista. Pode ser considerado por muitos apenas cantor. Entretanto o paraense também é ator. Uma das grandes surpresas e uma das apostas da música indie brasileira. O show dele na noite deste domingo, dia 20, na Mostra de Cinema de Tiradentes só reforça a proposta do evento em dialogar com outras artes. […]

LEIA MAIS
photo

Momentos marcantes fora das telas de Tiradentes

Além dos encontros entre público e realizadores, a Mostra de Tiradentes sempre badala a cidade para além daquilo que é exibido nas telas ou nos debates promovidos no Centro Cultural Yves Alves. Destacamos alguns momentos marcantes da 22a edição do festival.   Identidade visual A identidade visual da Mostra de Cinema de Tiradentes é sempre […]

LEIA MAIS
photo

‘The Post: a guerra secreta’: as impressões decantadas sobre o belo encontro entre Meryl, Hanks e Spielberg

Eu sou suspeita para escrever qualquer coisa sobre filmes que tem o jornalismo como protagonista. A paixão pela profissão me faz sair emocionada na maioria das experiências que tive com o gênero. Com The Post: A Guerra Secreta não foi diferente. Sabe aquela coisa de achar maravilhosa toda cena que tem rotativa, o ritual do […]

LEIA MAIS