Foto: Deborah Gabrich/Divulgação
03 set 2018

Comer, andar e conversar: um passeio pelo Festival de Gastronomia de Tiradentes

Gastronomia 

Por Gabriel Lacerda

Imagine você ir a um lugar no qual estivessem alguns dos melhores Chefs do país reunidos e servindo os melhores pratos de seus restaurantes.

Além disso, nesse mesmo lugar, você também possa fazer aulas de gastronomia, experimentar alimentos típicos da região, beber cervejas artesanais e vinhos, reunir família e amigos, além de curtir, ao vivo, vários estilos musicais, como o MPB, Jazz e Rock. Imaginou?

Pois é, isso tudo aconteceu no 21 Festival Cultura e Gastronomia de Tiradentes, realizado pela plataforma Fartura – Comidas do Brasil! A cidade, em 2018, completa 300 anos e quem ganhou os presentes foram os moradores e visitantes.

De Belo Horizonte até Tiradentes são, aproximadamente, 192 Km. Uma viagem que duraria quatro horas, no máximo, e que não precisaria de paradas. Mas, são raros os que não fazem isso.

Cerveja temática. Foto: Gabriel Lacerda / Culturadoria

Parada quase obrigatória

Point na estrada, o Charm Country é realmente charmoso. O pão de queijo recheado com linguiça e queijo é pedida certa. Em resumo: é bem gostoso e mata a fome. Já o pastel de nata não valeu o preço. Ao todo, o lanche saiu por R$ 21, sendo R$ 15 pão de queijo e R$6 do pastel. Detalhe: tudo no dinheiro! Então, se passar for passar lá, lembre-se disso.

A cidade de Tiradentes estava lotada. Com o trânsito impedido, o estacionamento ficou ao lado da Igreja Matriz de Santo Antônio. Só nessa decida já foi possível perceber o que estaria por vir.

De acordo com alguns moradores da cidade, a temperatura de sábado era uma das mais altas do ano. Claro que o calor não atrapalhou a programação e, segundo a administradora Vanessa Miranda, foi mais motivo para apreciar os diferentes sabores da cerveja Wäls. “Acho que cada situação tem algo que a gente pode aproveitar. Agora, o bom é tomar a cerveja o mais gelado possível e comer coisas leves”, conta.

A Wäls especial 300 anos de Tiradentes (R$22) foi produzida para o homenagear o festival. O sabor da cerveja não é muito forte e levemente adocicada.

Comer ou não comer? Eis a questão!

Pode ser até estranha essa pergunta, mas foi difícil escolher o que comer num festival gastronômico. Tinham pratos simples e outros bem mais sofisticados.

Desse modo, o Fajita Mineira aos três filés era algo surpreendente. A cada colherada era uma reação diferente. O ácido do limão, o doce do abacate, o ardente da pimenta e o salgado da carne formavam juntos uma combinação perfeita e diferente. A chef Rejane Cunha, do Casazul Bistrô, acertou em cheio! A refeição custava R$ 40 e, dependendo da fome, servia duas pessoas.

O engenheiro aposentado Márcio Lisandro diz que vem ao festival há nove anos e que para ele momentos assim, com a família, são inesquecíveis. “A gente vem para aproveitar tudo. Às vezes, só sentar na praça e olhar o lugar, ver as pessoas, já é prazeroso. Estar com família é algo único. São gerações aproveitando Minas.”, afirma.

A cachaça comemorativa de 300 anos de Tiradentes gerou fila. De acordo com o pessoal do Café em Tiradentes, a cachaça é produzida no alto da região do Rio Paraopeba. O sabor é uma mistura de sensações de estar na roça e estar com quem amamos. É uma bebida que foi feita para ser tomada em doses, para ser apreciada. Ah, e claro, um ótimo presente!

Fajita Mineira Foto: Gabriel Lacerda/Culturadoria

Coxinha 2.0

Parece até clichê, mas outra protagonista do Festival foi a famosa e querida coxinha, que, dessa vez, era recheada com carne de sol e requeijão. Uma porção com quatro unidades medianas acompanhada de pimenta estava saindo por R$ 30. O recheio é bem farto e a massa é bem leve. Realmente, o chef Caetano Sobrinho, do Caê Bar e Restaurante, conseguiu conquistar grande parte do público de Tiradentes. Além de satisfazer, o prato também estava entre os de menor preço do evento.

Para todos os gostos

Se você é vegetariano ou vegano, não se preocupe. O Festival Gastronômico de Tiradentes também estava pronto para te atender. Ou seja, também tinha cardápio completo e cheio de opções, o restaurante Cultivo Tiradentes ofereceu ao público opções sem itens de origem animal e extremamente deliciosos.

Uma das comidas que mais saiam da casa era o arroz de carreteiro com banana da terra, cenoura, pimentão, brócolis, abóbora, páprica e mostarda. A opção leve, saudável e vegana custava R$ 30.

As crianças

No início da manhã e da tarde do segundo sábado do Festival, a maioria do público era composta por muitos jovens e casais. Ao cair da tarde, o número de crianças foi aumentando e sabe qual foi o lugar que elas eram mais encontradas? Nas aulas de culinária. Além de todos os pratos e atrações, o 21 Festival Cultura e Gastronomia Tiradentes ofereceu aulas para o público! Além de comer, as pessoas também podiam pôr a mão na massa!

No praça Senac do Conhecimento, Maria Clara, 12 anos, participou da aula da Chef Mariana Oliveira, do restaurante Roça Grande. Dessa forma ela aprendeu fazer broinha mineira.

“Eu gosto de cozinhar, eu vejo na TV e tento fazer em casa. Minha mãe me ajuda só no fogão, ainda tenho medo”, conta. “Vou fazer isso (broinha mineira) para meu pai quando eu chegar em casa”, completa dando um belo sorriso.

Coxinha de Carne de Sol Foto: Gabriel Lacerda/Culturadoria

PF e a despedida

Junto ao anoitecer a hora de ir embora chegava. Por fim, a despedida foi com um jantar em um dos restaurantes parceiros do evento, o Biroska. O cardápio, igualmente, era farto. O biroskao foi o campeão de pedidos! Esse nome é o nome artístico do prato feito (PF) em Tiradentes.

Certamente os ingredientes principais para aproveitar esse tipo de passeio sejam os mais simples. Boas companhias, gostar de conversar, gostar de atividade física (a gente anda muito), gostar de apreciar o que Minas Gerais oferece de melhor e saber aproveitar os mínimos detalhes.

Se você não participou dessa edição, não se preocupe! A plataforma Fartura, que já posso neste ano em Porto Alegre e São Paulo, vai para Belo Horizonte, MG, nos dias 22 e 23 de setembro, na versão tradicional, e nos dias 29 e 30 do mesmo mês, vem com a versão para crianças.

Abaixo, veja outros locais e datas que a Fartura vai estar:

Brasília – data não confirmada

Lisboa (POR) – data não confirmada

Fortaleza – 10 e 11 de novembro

Belém – 26 e 27 de janeiro de 2019

 

 

 

 

Continua após a publicidade

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Miles Davis, carne e Pampulha: conheça Soul Jazz Burger

Por Gabriel Lacerda burger Como se destacar no mercado gastronômico competitivo de BH? Essa foi uma das perguntas que Bárbara, Bruno, Érico e Maíra fizeram antes de abrir a Soul Jazz Burger. Os quatros amigos, amantes do ritmo musical, perceberam que não existiam locais na capital mineira no qual as pessoas pudessem aproveitar clássicos do […]

Leia Mais

Primavera dos Museus 2018: onde ir e o que fazer

A décima segunda edição da Primavera dos Museus é nesta semana. Até o dia 23 de setembro mais de 900 instituições em todo o país participam do projeto. O tema é “Celebrando a Educação em Museus”. Dessa forma, o evento propõe uma reflexão sobre uma das principais funções do museu, como educar e contribuir no […]

Leia Mais

Confira o processo de montagem das três novas exposições do Inhotim

O primeiro adesivo de poá, dos muitos, que compõe a obra ‘I’m Here, But Nothing’, de Yayoi Kusama, exposta na Galeria Lago, foi colado por María Eugenia Salcedo, diretora artística adjunta do Inhotim. Ela e a curadora assistente, Cecília Rocha, acompanham de perto cada detalhe do processo de montagem das 17 obras temporárias que serão inauguradas […]

Leia Mais

Comentários