Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

“Eu não tenho medo de ousar”, diz Gal Costa que chega a BH para show

Gal Costa apresenta no Palácio das Artes o show do disco mais recente, 'A Pele do Futuro'. Repertório mistura inéditas na voz dela com sucessos antigos

Por Carol Braga

14/02/2019 às 17:20

Publicidade - Portal UAI
Gal Costa. Foto: Camila Alcantara/Divulgação

Quando Gal Costa anunciou parceria com Marília Mendonça, um raciocínio mais imediato geraria estranhamento instantâneo. Mas se parar um pouco mais e analisar a carreira dela como um todo, verá que o convite feito à cantora sertaneja campeã de audiência no século XXI, faz sentido. “A gente deve estar aberta para ver o mundo de várias maneiras. E eu sou assim”, diz Gal em uma das respostas que enviou por e-mail ao Culturadoria.

O resultado da parceria entre Gal e Marília está no disco ‘A Pele do Futuro’, lançado no final do ano passado. O álbum teve a produção de Marcus Preto – o responsável pela busca das músicas – em dupla com Pupillo (ex-Nação Zumbi). Além do disco, foram eles que sugeriram à cantora o repertório do show. A mistura entre as novidades do álbum, sucessos antigos e outros nunca cantados por Gal que fazem a graça do show que chega ao Palácio das Artes no sábado, 16 de fevereiro.

Entre as inéditas na voz dela, estão, por exemplo As curvas da estrada de Santos (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1969), Motor (Teago Oliveira, 2013) e O que é que há (Fábio Jr. e Sérgio Sá, 1982). Esta última é bem conhecida na voz de Fábio Jr. Aguardaremos o que será na voz de Gal. Na entrevista abaixo ela avisa: está tudo diferente. “Todas as canções foram mudadas, com arranjos novos”, anuncia.

Clique aqui para conferir as outras dicas do Culturadoria para o fim de semana

[O QUE] Show ‘A Pele do Futuro” de Gal Costa [QUANDO] 16 de fevereiro, às 21h [ONDE] Palácio das Artes – Av. Afonso Pena, 1537, Centro – BH [QUANTO] De R$ 160 a R$ 220

[COMPRE AQUI] 

Confira a entrevista abaixo. Ela foi concedida por e-mail.

 

Gal Costa no show ‘A Pele do Futuro’. Foto: Camila Alcantara/Divulgação

 

O que mais te faz sentir orgulho do show A pele do futuro?

Esse disco é muito especial pra mim porque eu fiz com uma sonoridade que eu sempre sonhei, que era a disco music, com uma estética dos anos 70. É um disco maduro, alegre, para tempos sombrios. É um disco que eu acho que é um frescor para um momento com esse, não só no Brasil, mas no mundo. Música é pra isso, pra levar energia positiva para as pessoas.

De que forma canções inéditas na sua voz como As curvas da estrada de Santos (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1969) ou O que é que há (Fábio Jr. e Sérgio Sá, 1982), por exemplo, dialogam com a proposta de A pele do futuro? O que você gostaria de sublinhar com estas escolhas no repertório?  

O Marcus Preto foi o responsável pela busca das músicas, pediu canções, garimpou e juntos ouvimos tudo e fomos montando o repertório aos poucos. É como um quebra cabeça. Todas as canções foram mudadas, com arranjos novos. Eu pedi ao Pupillo que todas elas tivessem a mesma unidade musical.

Em que medida se renovar é um ato de coragem? Do que foi preciso abrir mão (se é que foi preciso) para buscar novos diálogos com a música brasileira?

Eu não tenho medo de ousar. Pelo contrário, gosto de dar saltos na minha carreira, de criar novos caminhos, gravar coisas novas, de um jeito diferente. A gente deve estar aberta para ver o mundo de várias maneiras. E eu sou assim.

Em entrevista para a Folha de São Paulo você disse que “uma música não precisa necessariamente ser militante para ser política”. Em qual sentido, para você, A pele do futuro é político?

Como meus álbuns e minha postura sempre foram. No Palco, nas letras.

Falar de amor, de sentimento, é uma forma de ser resistente no século XXI?

Sempre foi e sempre será.

Na mesma entrevista à Folha você continuou: “(…) Nos anos 1960, tudo o que eu fiz foi o quê? Foi politicamente foda. E não era militante”. O que é ser militante para você e acredita que há uma diferença entre a militância artística dos anos 1960 para os dias de hoje?

Acho que o mundo de hoje está perigoso, naquela época tinha ditadura. Meus amigos estavam exilados, foram tempos complicados.

Cantar London, London (Caetano Veloso) hoje tem significado político renovado? A escolha por incluir a canção no repertório do show tem a ver com o momento em que estamos passando?

Eu amo a música, ela é um hino. Escolhi junto com Marcus Preto.

Por fim, qual a sua memória mais doce e marcante sobre Belo Horizonte?

Sempre fui muito bem recebida pelo publico mineiro. 3 anos atrás passei um aniversario meu ai e foi muito gostoso.

 

Confira o repertório de Gal Costa no show ‘A Pele do Futuro’

 

GRAVAÇÕES ICÔNICAS: E/OU OS GRANDES SUCESSOS

Gal Costa acompanhada de sua banda no palco. Foto: Camila Alcantara/Divulgação

Dê um rolê  (Moraes Moreira e Luiz Galvão  = Disco e show “Fa-Tal”)

Mamãe, coragem  (Caetano Veloso e Torquato Neto  = Disco “Tropicália”)

Vaca profana  (Caetano Veloso  = Disco “Profana”)

London, London  (Caetano Veloso =  Disco “Legal”)

Lágrimas negras (Jorge Mautner e Nelson Jacobina =  Disco e show “Cantar”)

Que pena (Ela já não gosta mais de mim) (Jorge Ben Jor =  Disco “Gal – 1969”)

Volta (Lupicínio Rodrigues = Disco e show “Índia”)

Sua estupidez (Roberto Carlos e Erasmo Carlos =  Disco e show “Fa-Tal”)

Oração de Mãe Menininha (Dorival Caymmi  = Show  Phono 73, com Maria Bethânia)

Chuva de prata (Ed Wilson e Ronaldo Bastos = Disco “Profana”)

Azul (Djavan = Disco “Minha voz”)

Bloco do prazer  (Moraes Moreira e Fausto Nilo =  (Disco “Minha voz”)

Balancê (João de Barro e Alberto Ribeiro = Disco e show “Gal Tropical”)

Massa real (Caetano Veloso = Disco e show “Fantasia”)

Festa do interior (Moraes Moreira e Abel Silva = Disco e show “Fantasia”)

 

AS INÉDITAS NA VOZ DA GAL COSTA

As curvas da estrada de Santos (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1969)

Motor (Teago Oliveira, 2013)

O que é que há (Fábio Jr. e Sérgio Sá, 1982)

 

AS EXTRAÍDAS DO DISCO  “A  PELE DO FUTURO”

Mãe de todas as vozes (Nando Reis, 2018)

Viagem passageira (Gilberto Gil, 2018)

Palavras no corpo (Silva e Omar Salomão, 2018)

 Minha mãe (César Lacerda, 2018)

Cuidando de longe (Marília Mendonça, Juliano Tchula, Junior Gomes e Vinicius Poeta, 2015)

Sublime (Dani Black, 2018)

photo

Teach Me Tiger: o som do mundo a partir de BH

Sábado tem lançamento de Two Sides novo álbum do Teach Me Tiger. E o que isso tem de diferente? Será a minha oportunidade de matar a curiosidade de ver essa banda ao vivo em um cenário privilegiado: o Museu de Arte da Pampulha. Tentei algumas vezes, mas nunca consegui. O Teach Me Tiger é um […]

LEIA MAIS
photo

Bandas locais animam 2º UniBH Campus Aberto em ritmo de carnaval

O clima dos dias de folia tomou conta do UniBH Campus Aberto. A edição realizada neste sábado, dia 28, valorizou a cena musical da capital mineira. O evento reuniu projetos e bandas que se formaram a partir de blocos, tais como, Chama o Síndico, Bloco da Calixto e Os Baianeiros. A dupla formada por Danniel […]

LEIA MAIS
photo

Gretchen lança novo disco em BH e reafirma título de ‘Rainha do Rebolado’

Por Thiago Fonseca* Gretchen está com tudo! Depois da participação no clipe da música Swish Swish, da cantora Katy Perry, e de ter reinado na internet, a rainha do rebolado desembarcou em Belo Horizonte para lançar o novo disco: The Queen. Além disso, anunciou a participação em um reality show no Multishow nos moldes do […]

LEIA MAIS