fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

De Nederlands Dans Theatre a Francisco, el Hombre: resenha de uma variada noite de sábado em BH

Por Carol Braga

08/10/2017 às 12:46

Publicidade - Portal UAI
Francisco el hombre fez show na festa Mientras Dura em BH. Crédito: Carolina Braga

Francisco el hombre fez show na festa Mientras Dura em BH. Crédito: Carolina Braga

Se as letras e a sonoridade da banda Francisco, el hombre já eram conhecidas, o que mais impressionou na passagem deles pela festa Mientras Dura foi o vigor. Que energia maravilhosa é aquela, minha gente!!!!! E a dança do Nederlands Dans Theatre? Apesar dos 60 anos de história a companhia holandesa mostrou de três diferentes maneiras que não ficou – mesmo – parada no tempo. Modernidade define.

A banda de Campinas formada por Juliana Strassacapa, Sebastián Piracés-Ugarte, Mateo Piracés-Ugarte, Andrei Martinez Kozyreff e Rafael Gomes entrou no palco do CentroeQuatro depois das 2h. Muito por isso, as pessoas ali presentes viraram “guerreiros da madrugada” para o elétrico Mateo. Os guerreiros são eles.

Com um repertório ainda curto o show durou só um pouquinho mais de uma hora. Em compensação, Francisco el hombre demonstrou uma produção autoral totalmente conectada com nosso tempo. São explícitos e políticos nas letras. Multiculturais na sonoridade.

Em Bolso Nada faz uma crítica explícita ao deputado Jair Bolsonaro.  Diz a letra: Esse cara tá com nada/ sabe pouco do que diz, muito blablabla que queima quem podia ser feliz/ desrespeito é o que pregas então é o que colherás/ jogo purpurina em cima para o feio embelezar. Tá com dólar, tá com Deus não fica atrás: O dólar vale mais que eu / Eita, fudeu / Vale mais que eu/ Se essa vida se resume a dinheiro / Corre corre o dia inteiro para a vida se pagar / Faço o quê, se acordo sem trocado.

O repertório do show se concentrou nas canções do disco Soltabruxas. Como já era esperado, o momento mais bonito foi a execução de Triste, louca ou má, canção indicada ao Grammy Latino e que tem dado outra dimensão para a carreira da banda. Juliana Strassacapa ressaltou o quanto a canção soa como um grito de liberdade. Ela se transformou cantando!

O show também teve uma canção inédita, Muero por ti, e apenas uma versão: Meu sangue ferve por você, conhecida na voz de Sidney Magal. Não rolou nem bis, o que foi uma pena. A passagem de Francisco el Hombre pela festa Mientras Dura deixou claro que eles precisam voltar. E que seja em breve.

Cena de Cacti, da Nederlands Dans Theatre 2. Crédito: Árvore de Comunicação/Divulgação

DANÇA

Na primeira passagem por Belo Horizonte a companhia de dança holandesa Nederlands Dans Theater 2 (NDT) demonstrou o quanto a dança contemporânea pode ter humor e leveza. O programa apresentado tinha três coreografias. Não arrisco dizer que houve equilíbrio, embora pense que isso seja até proposital.

Esse é o grupo de jovens bailarinos da companhia fundada há 60 anos na Holanda. Em projetos assim, é muito comum perceber o vigor de quem está começando a carreira. O caso estrangeiro é muito parecido com exemplos brasileiros, como o finado Balé Jovem do Palácio das Artes e mesmo a atuante Cia de Dança do Sesc.

Os balés I new then, Sad Case e Cacti não tem nada a ver um com outro. A primeira, com as canções de Van Morrison (“Madame George,” “The Way Young Lovers Do,” “I’ll Be Your Lover Too,” “Sweet Things,” e “Crazy Love”) chamou atenção pela simplicidade e a cotidianidade. Sad Case, bem menos vibrante do que a primeira, propõe um pequeno diálogo com a sonoridade latina.

Cacti, pelo que pude perceber ao ler algumas críticas internacionais, é o trabalho mais popular do grupo. Uma coreografia cheia de truques, uma sincronia impressionante que me divertiu. Fez falta uma legenda para acompanhar o que dizia a voz em off. O que deu para pegar é uma crítica à arte e uma defesa do coletivo na criação.

Se você não conhece a banda Francisco el Hombre é chegada a hora 😉

 

photo

Carnaval: lista completa dos blocos de BH com horário de concentração

Belo Horizonte se prepara para ter o maior carnaval de sua história. Cerca de 4,6 milhões de foliões são esperados para curtir uma extensa programação carnavalesca.  Serão 515 cortejos de blocos de rua.  Mais de seis mil banheiros fixos distribuídos em 55 pontos, entre os dias 1º e 5 de março. Um esquema de segurança que envolve […]

LEIA MAIS
photo

Casa do Saber perde mais de mil livros em ação da Prefeitura

Muitas vezes é até difícil compreender porque a arte é tão atacada. Sabemos que quem tem uma convivência maior com a literatura, o teatro, a música e o cinema tem um modo muito mais crítico para o viver. Mesmo assim, por que isso ameaça tanto? A questão vem à mente quando recebo a notícia que […]

LEIA MAIS
photo

Antiga Casa da Árvore vira biblioteca a céu aberto

Uma casa do saber ressurgida das cinzas. É assim que o morador de rua, Klinger Douglas, chama o novo espaço onde havia a Casa da Árvore que construiu e costumava encantar quem  passava pela Avenida Barão Homem de Melo, esquina com a Rua Maria Macedo, no bairro Nova Granada, na Região Oeste de Belo Horizonte. […]

LEIA MAIS