Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Fim de semana no Fit-BH: cheio de sentidos e vazio de público

Por Carol Braga*

17/09/2018 às 11:18

Publicidade - Portal UAI
Foto: Guto Muniz / Divulgação

Sou da turma que enfrentou mais de 12 horas de fila para comprar um ingresso para ver Peter Brook e Teatro da Vertigem no Fit-BH de 2004. Em 1997, na edição do centenário de BH, também estava lá correndo com uma multidão atrás do Generik Vapeur do Parque Municipal até a Praça da Estação.

Antes da reforma da praça, quando ainda havia árvores em nossa praia de concreto, literalmente cai de uma delas na noite de abertura. Tinha gente demais e eu precisava ver.

A onda saudosista toma conta de mim a cada espetáculo que entrei para ver nesse Fit de 2018. Isso porque tenho achado as plateias mais vazias do que em outras edições. O que é uma pena pois as atrações estão muito interessantes. Contundentes, melhor dizer.

Vi três peças no fim de semana. A campeã do meu ranking particular, vale confessar, é a que eu menos botava fé. Até agora, mais de 48 horas depois, fico me perguntando o que me prendeu tanto no espetáculo português Um Museu Vivo de memórias pequenas e esquecidas. Foram 6h30 de peça, com um jantar de 45 minutos.

 

Um Museu Vivo de memórias pequenas e esquecidas – Foto: Guto Muniz

 

Longa jornada

Cheguei no Teatro Marília toda armada. Estava decidido, se a história não fosse boa, não ficaria. Já vivenciei diversas experiências longas no teatro, principalmente no FIT. Todas elas, no entanto, os espectadores andavam, bebiam durante a peça, o elenco era maior. Assim, nada mais normal do que duvidar que um monólogo, em palco italiano, fosse capaz de prender a minha atenção.

Acontece que a atriz Joana Craveiro, que concebeu, pesquisou, escreveu o texto, tem tanta paixão – e consegue transmitir – que é impossível não ficar vidrado no que ela conta. Difícil também não encontrar diversos paralelos em nossas histórias e ficar com muito medo no retrocesso ao qual estamos sujeitos com o avanço do fascismo.

Um Museu Vivo de memórias pequenas e esquecidas parte de um questionamento pessoal. Em síntese: por que a ditadura portuguesa durou 48 anos? Joana se coloca muito na história. Munida de muitas referências, dezenas de livros, fala da família dela, da educação que recebeu dos pais e aos poucos foi me conquistando.

Abordou, inclusive, a tragédia do Museu Nacional ao questionar a importância que a memória tem na constituição da identidade de um povo.

A encenação é até simples. A mistura de teatro documentário e palestra, ela fica sentada em uma mesa e a medida em que nos vai apresentando os fatos, projeta imagens em uma tela que fica no centro do palco.

É até difícil explicar. Fato é que na hora que parou para o jantar eu apenas não queria ir embora mas estava louca para voltar. A reflexão que tirei disso tudo é o teatro, para ser bom, precisa ter, antes de mais nada um artista com propósito. Ponto!

 

Black Off – Foto: Guto Muniz

 

Cara gente branca, segura essa!

É o que Ntando Cele, de Black Off, a peça que vi no domingo, também tem de sobra. A temática do espetáculo tem tudo a ver com o recorte curatorial do FIT-BH. A montagem que vem da Suíça/Africa do Sul propõe uma interessante inversão. Na primeira parte Ntando usa uma White face para fazer críticas contundentes sobre o nosso mundo. Como ela diz, o mundo dos brancos.

É impressionante como a energia do espetáculo e da atriz se transformam no segundo ato. A performance ganha o corpo, abandona o texto formal, se apoia na música e na força que as imagens podem ter.

Ntando Cele demonstra um domínio absurdo de tudo que leva para a cena. Sobretudo o próprio corpo. Me chamou atenção também a dedicação da atriz em procurar entender o contexto do país em que se apresenta e, assim, fazer críticas bastante atualizadas sobre a nossa realidade. Black off proporcionou aquele tipo de experiência que continua reverberando depois que a peça termina.

 

Arde brillante em los bosques de la noche – Foto: Guto Muniz

 

Revolução Russa nos dias de hoje

Entre as três montagens do fim de semana, digamos que Arde brillante em los bosques de la noche, do argentino Mariano Pensotti é a mais soft. Isso não significa, no entanto, menos crítica. Curiosamente, dialoga de maneira bem direta com Um museu vivo.

A peça portuguesa conta – e reflete – sobre a Revolução dos Cravos que acabou com a ditadura por lá em 1974. Os argentinos se apoiam na Revolução Russa de 1917 para falar da sociedade de hoje.

Realmente não é à toa que o nome de Mariano Pensotti tem sido incensado como uma promessa do teatro argentino. Arde brilhante mistura linguagens. Muitas. Se os bonecos abrem muito bem o espetáculo, depois rola uma intertextualidade com o teatro e, por fim, chega a vez do cinema.

A primeira parte – a dos os bonecos – me marcou mais. Tem mais ritmo. Ali vi um grande trabalho de atores associado à técnica. É preciso ser muito bom para que haja equilíbrio entre bonequeiro e boneco. Um não ser maior do que o outro. A montagem alcança isso.

A peça dentro da peça e o filme me soaram um pouco repetitivos. Além dessas questões, vale ressaltar a carpintaria do texto de Pensotti. Ele consegue refletir sobre o legado das revoluções – especialmente a Russa – com humor e ironia. Quando revisamos o passado, as lutas valeram a pena?

De uma certa maneira, essa é uma questão os três espetáculos abordam. Mais do que julgar os resultados de cada uma das lutas, as peças – e imagino que o FIT-2018 de uma forma geral – chama atenção para a necessidade de resistência.

photo

Culturadoria para o fim de semana: 12 de maio

O encontro entre Elza Soares e Marcelo Veronez é a grande aposta do Culturadoria para o fim de semana. Mas além da festa Divina Maravilhosa, Belo Horizonte terá comédia no teatro, clássicos ao ar livre e também o início da temporada de hambúrgueres diferentões com o Burger Fest. Se você prefere cinema, a dica é […]

LEIA MAIS
photo

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 04 de agosto

A poesia de João Cabral de Melo Neto virou dança com a Cia Deborah Colker. Cão sem plumas é um dos destaques da culturadoria da semana que tem também a estreia do novo filme de Selton Mello e os eventos derradeiros do Cura, o festival de arte urbana que tem colorido o centro da cidade. […]

LEIA MAIS
photo

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 24 de novembro

Na Culturadoria do fim de semana, teremos peças de grupos tradicionais em cartaz, participação portuguesa na agenda musical e documentário sobre uma das figuras mais ilustres de nossa literatura. AQUELES DOIS Desde o espetáculo de formatura no Palácio das Artes, ‘Perdoa-me por me traíres’ e que deu origem à Luna Lunera o grupo nunca mais […]

LEIA MAIS