fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

FETO 2018 amplia espaço e discussão sobre teatro estudantil

Por Thiago Fonseca *

17/10/2018 às 10:24 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Espetáculo ‘Manual dx Guerrilheirx Urbanx’ - Foto: Paulo Lacerda / Divulgação

Vivência pessoais, luta e o documento mimeografado de Carlos Marighella foram as inspirações dos alunos do CEFART – Centro de Formação Artística e Tecnológica – para a criação do ‘Manual dx Guerrilheirx Urbanx’. O espetáculo de formação da turma de 2017 chega ao Teatro Francisco Nunes, no dia 23 de outubro, como parte das ações do Festival de Teatro Estudantil, o FETO. O festival completa sua maioridade e ocupará diversos teatros da cidade de 21 a 26 de outubro. Na programação estão espetáculos de cinco estados brasileiros, oficinas e debates.

Esta é a primeira vez que a estudante de teatro Efigênia Maria participa do evento. No elenco de ‘Manual dx Guerrilheirx Urbanx’ a jovem vê no evento a possibilidade de alcançar novos públicos e de estar em um espaço de referência. “O FETO é muito visado por quem estuda arte. Estamos muito felizes em poder vivenciar e estar com outros trabalhos. O Festival é bem amplo e acolhe os estudantes. Dessa forma, entendemos que essa é uma oportunidade de fazer arte em meio a tempos difíceis”, afirma.

O espetáculo que Efigênia faz parte surgiu ao longo da trajetória de sua turma. O texto, segundo a atriz, foi apresentado em uma das aulas como fonte de inspiração para um trabalho. Desde então, virou base para a montagem do espetáculo de conclusão do curso. “Durante a montagem enfrentamos diversas lutas na instituição. Luta pelo espaço, pela democracia e pelo lugar de instituição pública. Aliado a isso, trouxemos experiências pessoas. Dessa forma, a peça mistura vivências e dramaturgia”.

Com direção de Marina Viana, segundo material de divulgação, a montagem propõe o encontro de nomes históricos que se conectam em um espaço atemporal. Eles se confrontam com diversos discursos, criando, assim, uma revolução suspensa, com um tempo que começa de novo.

 

Continua após a publicidade...

 

O Festival

Foi sobre a vontade de expressar que o Festival de Teatro Estudantil surgiu em 1999. Ele foi criado por estudantes de teatro que queriam um espaço para apresentar suas experimentações. Em suma, o evento oferece um espaço de valorização, visibilidade e fomento do teatro produzido nas escolas, universidades e cursos livres e técnicos. Em seus cinco primeiros anos foi realizado de maneira independente, com apoio de teatros e grêmios estudantis. Entretanto, desde 2005, ganhou maturidade e nova forma com financiamento via Lei de Incentivo a Cultura.

“O festival dá aos estudantes a oportunidade de criar interlocuções com o teatro. Ainda é uma oportunidade de fazer com que os alunos gostem da arte o e criem coragem de fazê-la como profissão. No Festival os estudantes também criam relações com os profissionais, discutem e, por fim, mostram seus trabalhos. Em resumo, no evento, procuramos trazer para os jovens subsídios e damos a mão para eles que precisam força para continuar lutando”, afirma Rodrigo Soares, um dos organizadores.

 

FETO 2017 – Foto: Daniel Protzner / Divulgação

 

Programação

Neste ano, o FETO chega a sua decima oitava edição com roupagem robusta e alicerce calcado na ação formativa. Durante cinco dias, o Festival trará a BH uma programação teatral diversificada, com um total de 10 trabalhos. São grupos estudantis vindos da Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás e dois da cena belo-horizontina.

Os dez espetáculos foram selecionados de um total 154 trabalhos inscritos. Os grupos estão divididos nas categorias: ‘Escola de Teatro’, peças de estudantes de instituições profissionalizantes em artes cênicas; e ‘Teatro na Escola’, que abriga espetáculos de estudantes de cursos livres ou de quaisquer níveis de ensino. As obras selecionadas para esta edição trazem relevantes debates estéticos e políticos.

“Os espetáculos foram selecionados por um grupo de pessoas da área artística, que trabalham com pedagogia do teatro, por membros da sociedade em geral. A curadoria levou em conta, como por exemplo, estética e amadurecimento do teatro, entre outras”, explica Rodrigo. Além da mostra de espetáculos, o festival oferece ainda atividades formativas gratuitas.

Dessa maneira, são quatro oficinas, 10 debates e um grande encontro dentro do tradicional CaFETO, com discussões sobre o panorama e perspectivas da produção teatral contemporânea. Eles são voltados para professores, atores, estudantes de teatro e interessados na arte.

A abertura do evento, no dia 21 de outubro, no Sesc Palladium, será com a apresentação do espetáculo “Prazer” criado pela Cia Luna Lunera. Grupo mineiro, fundado em 2000 por alunos do CEFAR. Integrantes da companhia também participarão das atividades formativas e de debates após os espetáculos. As oficinas, debates e encontros são gratuitos. Os ingressos para os espetáculos custam R$6. Clique aqui e confira a programação completa do Festival. As inscrições para oficinas já foram encerradas.

 

photo

Bia Lessa dirigirá Macunaíma com Cia Barca dos Corações Partidos

A companhia Barca dos Corações Partidos vai montar Macunaíma com direção de Bia Lessa. Foi o que revelou Alfredo Del Penho e Renato Luciano, em entrevista ao Culturadoria. Eles estão em cartaz em Belo Horizonte com o espetáculo ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’.  A montagem tem previsão de estrear em março de […]

LEIA MAIS
photo

Imperdível montagem do Grupo Encena encerra temporada neste domingo

O encontro para um café com Wilson Oliveira é daqueles que qualquer pessoa que se interessa por teatro deveria desejar ter um dia. O tempo voa em papo que começa sobre a cena, discute a crítica, política, as novas gerações dos palcos de BH, as escolhas estéticas feitas em cada uma das 17 montagens criadas […]

LEIA MAIS
photo

Cine Splendid: uma conversa crítica sobre a peça e seus significados

A sessão de estreia de Cine Splendid me despertou mais reflexões sobre o papel da crítica de teatro hoje do que propriamente pensamentos relacionados ao que a peça propõe. Isso porque saí com a certeza de não ter gostado do que vi. Esse “não gostar”, teve um peso. Pensei se deveria publicar algo ou apenas […]

LEIA MAIS