fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cinema Negro é tema do 20º Festival Internacional de Curtas de BH

Por Thiago Fonseca *

10/08/2018 às 13:09 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Thais Faria / Divulgação

O Festcurtas chega à sua 20º edição consolidado não apenas como espaço de exibição, mas, sobretudo, como um evento voltado para a reflexão sobre as relações entre cinema, estética e política. Nesta edição o Festival se volta para o cinema negro. “É hora de mostrar que com o tempo o negro sai de objeto de representação, vai aos poucos assumindo suas narrativas e fazendo o cinema acontecer”, explica Ana Siqueira, coordenadora de programação e curadoria do evento.

O Festival promovido pela Fundação Clóvis Salgado, será realizado até o dia 19 de agosto. Assim, ocupará o Cine Humberto Mauro, na Sala Juvenal Dias e no jardim interno do Palácio das Artes. Além das sessões de cinema, a programação contará com seminário, oficinas e show. Em dez dias serão exibidos 138 filmes de 70 países e doze estados brasileiros.

O evento surgiu em 1994 do fruto do pensamento incessante do programador do Cine Humberto Mauro, José Zuba Junior. O intuito era mostrar a produção de curtas e fazer com que eles circulassem.  Dessa forma, identificar o papel dos filmes no lugar de formação de público, a busca da valorização da produção em seus diversos contextos, abordagens e reflexões.

“O que muda desde a primeira edição é o momento da produção de cinema, a forma de circulação e a chegada de pessoas novas pessoas fazendo filme. A essência continua a mesma, um festival de todos”, pontua Ana. Em 24 anos o evento ficou quatro edições sem acontecer. Parou em um período de doença e morte do idealizador, mas em seguida foi retomado. Hoje se consolida como um dos mais importantes do tipo para o cinema.

Cinema Negro em foco

Nesta edição o Festcurtas volta olhar para o cinema negro. O curador Heitor Augusto é um dos poucos pesquisadores e críticos de cinema no Brasil especializados nesta vertente. Dessa forma, o Festival apresentará três mostras especiais. A primeira, por exemplo, denominada “Cinema Negro: Capítulos de uma História Fragmentada”, será voltada para a produção brasileira com a exibição de 25 curtas realizados entre 1973 e 2018. Ela será dividida em cinco programas: ‘Família’, ‘Genocídio’, ‘Raízes’, ‘Diáspora’ e ‘Corpo’.

As duas outras permitirão ao público conhecer a obra de duas cineastas negras de diferentes países e gerações, cujos trabalhos serão exibidos pela primeira vez no Brasil. A Mostra Akosua Adoma Owusu apresentará nove filmes da premiada cineasta e produtora ganesa-americana. Já a Mostra Tributo a Safi Faye será dedicada à diretora de cinema e etnóloga senegalesa, que foi a primeira realizadora negra africana a dirigir filmes e lançá-los comercialmente.

 

Safi Faye será uma das homenageadas da mostra especial – Foto: arquivo pessoal

 

Mostras competitivas e paralelas

O Festcurtas ainda conta com já tradicionais Mostras Competitivas Minas, Brasileira e Internacional. Elas trarão curtas de produções recentes e premiarão os melhores filmes com prêmios em dinheiro e o Troféu Capivara. Ainda na programação há a exibição de curtas nas Mostras Paralelas. São elas: ‘Atravessamentos – memória da matéria, acessos alterados’ e ‘Extravasamentos – torções do artifício, maneiras de saltar e Mulher – Corpo Político’. Por fim, o público poderá conferir ainda as mostras ‘Juventudes’, ‘Animação’ e ‘Infantil’, com curtas voltados para o público infanto-juvenil e ‘Maldita’.

“Nesta edição foram inscritos 2.518 curtas, sendo 405 brasileiras e 2.113 estrangeiras para as mostras competitivas e paralelas. A curadoria do evento é composta por duas comissões. A internacional com sete integrantes e a nacional com cinco. São cinco meses de trabalhos para escolher os filmes. Selecionamos as produções que consegue lidar com o cinema de alguma forma inventiva e que proponha algo conforme o tema da edição. Já os filmes das mostras especiais foram escolhidos pelo curador Heitor.

Formação e música

Uma preocupação do Festival é trabalhar com atividades de formação. Dessa maneira, serão ofertadas as oficinas de cinema experimental e crítica de cinema. “Queremos consolidar o Festival como um lugar de debate e construção de pensamento. Que esses pensamentos aqui discutidos possam reverberar para além dos dez dias de eventos”, ressalta Ana.

Por fim, o Festival ainda contará com programações musical. Na abertura nesta sexta-feira, dia 10, o grupo Bala da Palavra se apresentará às 22h30, no Jardim Interno do Palácio das Artes. Toda a programação do evento é gratuita e os ingressos podem ser retirados 30 minutos antes de cada sessão. A programação completa do evento você confere clicando aqui.

 

photo

Filme de Ricardo Alves Jr confirma maturidade do novo cinema mineiro

Elon não acredita na morte é um daqueles filmes em que a curiosidade em ver era grande. Muito grande. Não porque estive no set, mas porque se trata do projeto mais robusto de Ricardo Alves Jr. Sigo os passos dele na arte desde quando escrevia em parceria com Grace Passô o Senhora K, nos tempos […]

LEIA MAIS
photo

Filmes para quem pretende dedicar o carnaval à Netflix

Se o carnaval é capaz de arrastar multidões e você faz parte do time do “vai que eu tô te vendo” essa lista é para você. Separamos alguns filmes que entraram recentemente no catálogo da Netflix e dão sinais de serem boas opções para o feriado. Digo dão sinais pois nem todos nós vimos. O […]

LEIA MAIS
photo

Se você ainda não começou, por que deveria ver La Casa de Papel?

Nove dos melhores ladrões da Espanha são convocados por um professor para assaltar a Casa da Moeda do país. O objetivo? Fabricar o próprio dinheiro e ter mais de seis dígitos na conta bancária. Eles estão em busca do “assalto perfeito”. A série de televisão La Casa de Papel foi produzida, inicialmente, para o formato […]

LEIA MAIS
photo

Happy: um documentário sobre a busca pela felicidade

Happy Entre as perguntas mais antigas que os seres humanos se fazem, definitivamente, está “O que é a felicidade?”. Tem mais uma:  “como faço para ser feliz?”. Apesar de todo avanço tecnológico que testemunhamos diariamente, essas duas perguntas ainda não foram respondidas. Diferentemente do que se poderia imaginar, o desenvolvimento econômico, científico e social não […]

LEIA MAIS
photo

Quem é MC Tha e por que foi ousado ela aparecer no Bar da Neca?

MC Tha Que há uma renovação em curso na música brasileira é inegável. Não se pode negar, também, que essa troca de pele passa por estilos que até então eram vistos com preconceito por boa parte do público. Especialmente os amantes da MPB. Sim, as recentes surpresas brotam muito mais do funk, do rap e […]

LEIA MAIS
photo

Banho de Sol volta ao cartaz para única apresentação em BH

É natural que cada espectador tenha uma relação particular com obras artísticas. Agora, é curioso quando há um sentimento comum de impacto. As intensidades podem variar, é claro, mas fato é que desconheço uma só pessoa que tenha saído inerte de Banho de sol, a nova peça da Cia Zula de Teatro. Por isso, repito […]

LEIA MAIS