fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Artistas assinam manifesto contra Festival de Literatura Marginal

Artistas da cena marginal de Belo Horizonte acusam organizadores do Festival de Literatura Marginal de não dialogar

Especial para o Culturadoria | Por Da Redação

21/02/2019 às 15:53

Publicidade - Portal UAI
Protesto de Leandro Zerê. Coletivo Terra Firme. Slammer do Slam Trincheira.

O Festival de Literatura Marginal, o FELIM, tem gerado muitas polêmicas desde o seu anúncio oficial. Depois da matéria divulgada no dia 20 de fevereiro pelo Culturadoria, uma série de artistas contrários à iniciativa se pronunciaram. Eles alertaram para o modo autoritário como o evento foi construído. Sendo assim, diversos escritores e poetas marginais de Minas assinaram um manifesto contra a existência FELIM que será realizado até o dia 21 de março.

Segundo o documento, não houve diálogo com os coletivos de Sarau e Slam’s de Belo Horizonte e Região Metropolitana. Dessa maneira, a denúncia é que os organizadores teriam se apropriado de um espaço que não tem conhecimento e ignorado a relevância da cena local. Assinaram o manifesto poetas como Nívea Sabino, Rogério Coelho, Juliana Tolentino e diversos grupos, dentre eles o Coletiva Manas e a Academia TransLiterária.

O Felim é uma realização do rapper Flávio Renegado e de Danusa Carvalho, por meio da associação, Arebeldia. Até março, o festival terá atividades no Barreiro, Aglomerado da Serra e Alto Vera Cruz. Procurado pelo Culturadoria, Renegado gravou um áudio para responder às críticas feitas pelos movimentos contrários ao evento. Ele começa lembrando a todos que o rap é reconhecidamente uma forma de poesia falada. “Eu queria que o pessoal me explicasse o que o rap é e como ele atua nas comunidades. Eu canto rap desde os 13 anos e trabalho com ele há 12. Continuo acreditando no rap como instrumento de transformação da juventude periférica deste país”, diz.

Repúdio

“Repudiamos a construção desastrosa e desrespeitosa do Festival. É oportunista e utilitarista a construção deste evento que ignora a trajetória das pessoas que movimentam a cena de poesia falada na cidade. Nós existimos e exigimos respeito”, diz um trecho do texto que circula pelo Facebook.

Segundo Nívea Sabino, assim que ficaram sabendo do evento, os artistas da cena assustaram por não terem participado do processo de construção. Além disso, os idealizadores não vivenciam a cena de Poesia Marginal Falada. “Tentaram dialogar com o grupo, disseram que iam incluir mais pessoas da cena mineira e articulariam uma programação em conjunto, mas isso não foi feito”, afirma.

O manifesto é, ainda, um convite aos idealizadores do Festival parar construir coletivamente o evento. Os artistas criaram o grupo ‘Repúdio ao FELIM – Festival de Literatura Marginal de BH’ em uma rede social. Uma das postagens diz: “É uma ofensa para todos nós Poetas ter que nos defender dessa mercantilização da palavra”. João Paiva, Pieta Poeta e Dalva Maria, poetas de BH, que estavam na grade do Festival, decidiram se retirar em respeito aos movimentos de Poesia Marginal.

Construção coletiva

Segundo Renegado, foram identificadas falhas no processo de curadoria mas elas foram corrigidas a tempo. Dessa maneira, os movimentos foram convidados ao diálogo. “As pessoas não quiseram participar. Isso é uma posição delas. Sou a favor que as pessoas se posicionem, concordem ou não com os processos. É legítimo não concordar. Faz parte do processo democrático de construção”, afirma.

O rapper também faz questão de ressaltar o quanto acredita na construção coletiva. Segundo ele, o Felim é um espaço aberto. “Se as pessoas quiserem vir aqui trocar ideia, estaremos aqui”, completa. O que ele diz repudiar é o fato de haver certa coação por parte do movimento contrário. “O Felim segue. Não podemos parar porque a vida não para. Quero lembrar que os excluídos não excluem e sim agregam. Estou aqui para agregar valor e construir para as comunidades”, finaliza.

 

 

Protesto de Emily Roots publicado no Facebook. Crédito: Reprodução Facebook

 

photo

Carnaval de BH cresce e blocos alteram percursos históricos

Há menos de duas semanas para o carnaval os blocos começaram a divulgar as datas e os locais de desfile. Muitos surpreenderam o público com mudanças.  ‘Chama o síndico’ e’Então, Brilha’ são os responsáveis pelas maiores surpresas. O primeiro, que tradicionalmente abria a festança na quarta-feira na Afonso Pena, trocou de data e local. Apesar […]

LEIA MAIS
photo

Primavera dos Museus 2018: onde ir e o que fazer

A décima segunda edição da Primavera dos Museus é nesta semana. Até o dia 23 de setembro mais de 900 instituições em todo o país participam do projeto. O tema é “Celebrando a Educação em Museus”. Dessa forma, o evento propõe uma reflexão sobre uma das principais funções do museu, como educar e contribuir no […]

LEIA MAIS
photo

Seis espaços culturais de BH abrem editais de ocupação

Seis instituições culturais em Belo Horizonte estão com editais de ocupação abertos. Tem disponibilização de espaços para todo tipo de arte, entretanto, as artes visuais estão em destaque. Alguns também ofertam patrocínio financeiro. Confira: Palácio das Artes O Edital de Ocupação de Artes Visuais do Palácio das Artes irá selecionar três projetos para ocupar as galerias Arlinda Corrêa […]

LEIA MAIS