31 jan 2018

Evento do VAC discute o nu na arte a partir de quadro de Manet

Cento e cinquenta e cinco anos se passaram desde que Édouard Manet pintou o quadro “O Almoço Sobre a Relva”. A obra traz o nu à tona. Na época o tema foi alvo de críticas e polêmicas. É incrível que ainda hoje o nu seja tabu.

“A ideia do evento foi convidar artistas, de diferentes técnicas, para que o quadro fosse recriado com o olhar para o contexto do século XXI, usando o nu no deslocamento da realidade do Brasil, de culturas e corpos diferentes. Nosso objetivo é reiterar o espaço do nu na arte devido às críticas e polêmicas dos últimos meses”, explica Ione de Medeiros, diretora artística do VAC sobre o Tableau Vivant, uma das novidades de 2018.

Cenas

Randolpho Lamonier, Nilcéa Moraleida, Gabriela Brasileiro e Warley Desali foram alguns dos pintores que participaram. Eles fizeram uma instalação que reproduzia um ateliê com modelos vivos. Cinco grupos, com 30 artistas, sendo 19 recriando a obra e 11 reproduzindo, foram espalhados pelo teatro. Cada grupo recriava duas cenas, totalizando dez diferentes.

Eles reproduziram a pintura com técnicas de pastel, carvão, tinta óleo, lápis de cor ou ate mesmo por meio de fotografia. Enquanto os artistas trabalhavam o público passeava entre eles. “Achei a proposta bem interessante. É necessário discutir o corpo nu na arte pois tudo tem um sentido. Gostei de terem trabalhado com corpos distintos: negros, mulheres e trans”, pontuou Rafael Souza.

O músico e ator Rafhael Braga foi um dos que se ofereceu a participar da criação das obras. Na primeira cena da praia interpretou Chapolin. Na segunda, com o corpo nu, segurava uma placa de proibido. “Por mais que pareça inusitado, tudo pra mim foi muito comum.É assim que deve ser. É importante mostrar a nudez na arte para desconstruir o tabu e ideias de que a temática tem que ser censurada”, explicou.

Nu como arte

“O nu é visto como o profano, sempre causa deslocamento e escândalo, mas isso tem que ser deixado de lado. É com eventos deste tipo que quebramos paradigmas. Mostramos a relação do pintor com o corpo e levantamos discussões sobre o nu”.

“Além de debater sobre o nu o Tableau Vivant nos proporcionou uma espécie de ateliê, com um quadro vivo onde nós pintores pudemos resgatar um momento da arte em que o artista pinta a cena no momento em que ela acontece”, afirma a artista Gabriela Brasileiro. Ela participou da reprodução da cena Os Executivos onde usou a técnica de carvão sobre tecido.

Depois de uma hora e meia de criação intensa, todos os trabalhos foram expostos no palco. As obras foram sorteadas entre o público presente.

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

‘Pagliacci’ é um dos destaques do Festival Mundial de Circo

Uma grande homenagem à arte do palhaço e uma das montagens mais elogiadas do ano passado em São Paulo. Só por essa combinação, Pagliacci a mais recente montagem da Cia LaMínima, já deveria estar na programação do Festival Mundial de Circo de 2018. Porém, existe uma série de outros fatores afetivos que fazem a presença […]

Leia Mais

Confira os bastidores de “São Francisco na Arte de Mestres Italianos”

Durante dois anos a produtora executiva de exposições, Cláudia Marques, visitou 15 museus italianos e travou uma conversa intensa com os donos para que eles pudessem liberar obras de seu acervo. Um árduo trabalho que quem visitar a exposição “São Francisco na Arte de Mestres Italianos” verá que valeu a pena. Para que obras tão […]

Leia Mais

Conheça os artistas que influenciam os ambientes da CASACOR

Amilcar de Castro, Hélio Oiticica, Isaura Pena, Nuno Ramos, Rivane Neuenschwander, Leonilson, Vik Muniz. Estes são apenas alguns dos representantes da fina arte brasileira que marcam presença na CASACOR 2018. Pois é, não pense que o evento montado no Casarão da Rua Sapucaí é uma mostra estritamente de decoração e arquitetura. Aliás, será possível dissociar […]

Leia Mais

Comentários