31 jan 2018

Evento do VAC discute o nu na arte a partir de quadro de Manet

Cento e cinquenta e cinco anos se passaram desde que Édouard Manet pintou o quadro “O Almoço Sobre a Relva”. A obra traz o nu à tona. Na época o tema foi alvo de críticas e polêmicas. É incrível que ainda hoje o nu seja tabu.

“A ideia do evento foi convidar artistas, de diferentes técnicas, para que o quadro fosse recriado com o olhar para o contexto do século XXI, usando o nu no deslocamento da realidade do Brasil, de culturas e corpos diferentes. Nosso objetivo é reiterar o espaço do nu na arte devido às críticas e polêmicas dos últimos meses”, explica Ione de Medeiros, diretora artística do VAC sobre o Tableau Vivant, uma das novidades de 2018.

Cenas

Randolpho Lamonier, Nilcéa Moraleida, Gabriela Brasileiro e Warley Desali foram alguns dos pintores que participaram. Eles fizeram uma instalação que reproduzia um ateliê com modelos vivos. Cinco grupos, com 30 artistas, sendo 19 recriando a obra e 11 reproduzindo, foram espalhados pelo teatro. Cada grupo recriava duas cenas, totalizando dez diferentes.

Eles reproduziram a pintura com técnicas de pastel, carvão, tinta óleo, lápis de cor ou ate mesmo por meio de fotografia. Enquanto os artistas trabalhavam o público passeava entre eles. “Achei a proposta bem interessante. É necessário discutir o corpo nu na arte pois tudo tem um sentido. Gostei de terem trabalhado com corpos distintos: negros, mulheres e trans”, pontuou Rafael Souza.

O músico e ator Rafhael Braga foi um dos que se ofereceu a participar da criação das obras. Na primeira cena da praia interpretou Chapolin. Na segunda, com o corpo nu, segurava uma placa de proibido. “Por mais que pareça inusitado, tudo pra mim foi muito comum.É assim que deve ser. É importante mostrar a nudez na arte para desconstruir o tabu e ideias de que a temática tem que ser censurada”, explicou.

Nu como arte

“O nu é visto como o profano, sempre causa deslocamento e escândalo, mas isso tem que ser deixado de lado. É com eventos deste tipo que quebramos paradigmas. Mostramos a relação do pintor com o corpo e levantamos discussões sobre o nu”.

“Além de debater sobre o nu o Tableau Vivant nos proporcionou uma espécie de ateliê, com um quadro vivo onde nós pintores pudemos resgatar um momento da arte em que o artista pinta a cena no momento em que ela acontece”, afirma a artista Gabriela Brasileiro. Ela participou da reprodução da cena Os Executivos onde usou a técnica de carvão sobre tecido.

Depois de uma hora e meia de criação intensa, todos os trabalhos foram expostos no palco. As obras foram sorteadas entre o público presente.

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Da cidade do mar à cidade do bar: conheça o Boteco da Alaíde

Cadeiras e mesas de plástico no passeio. Estufa. Cartazes com propagandas de bebidas alcóolicas, músicas tocando ao fundo, cheiro de fritura, luzes baixas. Todas as características de um boteco tradicional da grande BH. Mas algo faz com que este seja diferente dos demais: a Alaíde Carneiro. Por muito tempo, o Bar Bracarense, localizado no Leblon […]

Leia Mais

La Vera Pizza Italiana: o lugar da pizza contemporânea em BH

Por Gabriel Lacerda La Vera Ah, a Itália. Nem é preciso dizer que não existe pizza igual a de lá, né?. Toda textura, sabores, recheios, modos de preparo e temperos típicos de um dos países mais bonitos da Europa. Mas se você acha que é preciso ir ao velho continente para degustar uma autêntica, calma […]

Leia Mais

‘Construções Sensíveis’: cinco motivos para ver a nova exposição do CCBB-BH

O ponto vira linha, que vira plano e que vira geometria. É sobre a arte abstrata geométrica na América Latina a exposição ‘Construções Sensíveis’ que chega ao Centro Cultural Banco do Brasil. O conjunto, de mais de 120 obras, foi montado a partir da coleção Ella Fontanals-Cisneros pelos curadores Rodolfo de Athayde e Ania Rodríguez. […]

Leia Mais

Comentários