31 jan 2018

Evento do VAC discute o nu na arte a partir de quadro de Manet

Cento e cinquenta e cinco anos se passaram desde que Édouard Manet pintou o quadro “O Almoço Sobre a Relva”. A obra traz o nu à tona. Na época o tema foi alvo de críticas e polêmicas. É incrível que ainda hoje o nu seja tabu.

“A ideia do evento foi convidar artistas, de diferentes técnicas, para que o quadro fosse recriado com o olhar para o contexto do século XXI, usando o nu no deslocamento da realidade do Brasil, de culturas e corpos diferentes. Nosso objetivo é reiterar o espaço do nu na arte devido às críticas e polêmicas dos últimos meses”, explica Ione de Medeiros, diretora artística do VAC sobre o Tableau Vivant, uma das novidades de 2018.

Cenas

Randolpho Lamonier, Nilcéa Moraleida, Gabriela Brasileiro e Warley Desali foram alguns dos pintores que participaram. Eles fizeram uma instalação que reproduzia um ateliê com modelos vivos. Cinco grupos, com 30 artistas, sendo 19 recriando a obra e 11 reproduzindo, foram espalhados pelo teatro. Cada grupo recriava duas cenas, totalizando dez diferentes.

Eles reproduziram a pintura com técnicas de pastel, carvão, tinta óleo, lápis de cor ou ate mesmo por meio de fotografia. Enquanto os artistas trabalhavam o público passeava entre eles. “Achei a proposta bem interessante. É necessário discutir o corpo nu na arte pois tudo tem um sentido. Gostei de terem trabalhado com corpos distintos: negros, mulheres e trans”, pontuou Rafael Souza.

O músico e ator Rafhael Braga foi um dos que se ofereceu a participar da criação das obras. Na primeira cena da praia interpretou Chapolin. Na segunda, com o corpo nu, segurava uma placa de proibido. “Por mais que pareça inusitado, tudo pra mim foi muito comum.É assim que deve ser. É importante mostrar a nudez na arte para desconstruir o tabu e ideias de que a temática tem que ser censurada”, explicou.

Nu como arte

“O nu é visto como o profano, sempre causa deslocamento e escândalo, mas isso tem que ser deixado de lado. É com eventos deste tipo que quebramos paradigmas. Mostramos a relação do pintor com o corpo e levantamos discussões sobre o nu”.

“Além de debater sobre o nu o Tableau Vivant nos proporcionou uma espécie de ateliê, com um quadro vivo onde nós pintores pudemos resgatar um momento da arte em que o artista pinta a cena no momento em que ela acontece”, afirma a artista Gabriela Brasileiro. Ela participou da reprodução da cena Os Executivos onde usou a técnica de carvão sobre tecido.

Depois de uma hora e meia de criação intensa, todos os trabalhos foram expostos no palco. As obras foram sorteadas entre o público presente.

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Ópera pelo avesso: nos bastidores de ‘La Traviata’

Ao terceiro sinal todos os 11 solistas e 140 músicos da Orquestra Sinfônica e do Coral Lírico de Minas Gerais  estão a postos. Se distribuem entre palco e foço. O abrir da cortina mostra o quão grandiosa é a produção. É o avesso dela que nos interessa revelar. Além dos solistas, músicos e do coral […]

Leia Mais

Programa de residência em arte digital seleciona artistas em BH

Um programa inédito da Casa Fiat de Cultura selecionará oito artistas para criarem projetos de arte digital inspirados no painel “Civilização Mineira” de Portinari. A ideia é conectar a obra do artista com a cidade e as diretrizes museológicas contemporâneas. A residência será de 14 de maio a 3 de junho. A curadoria é de […]

Leia Mais

Cinco motivos para conferir a exposição de Athos Bulcão no CCBB-BH

As múltiplas facetas de Athos Bulcão chegam a Belo Horizonte nesta quarta-feira, dia 11. A exposição comemora os 100 anos do artista consagrado em Brasília no CCBB. O objetivo é promover um mergulho profundo na diversidade da obra dele e desvendar o processo criativo. Os curadores Marília Panitz e André Severo escolheram mais de 300 […]

Leia Mais

Comentários