Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Documentário inédito revela processo de criação do Grupo Corpo em ‘Triz’

Por Carol Braga

27/03/2017 às 15:57

Publicidade - Portal UAI
Cena do documentário 'Por um triz', sobre os bastidores de criação do Grupo Corpo. Foto: Camisa Listrada/Divulgação

Cena do documentário ‘Por um triz’, sobre os bastidores de criação do Grupo Corpo. Foto: Camisa Listrada/Divulgação

Podem até existir processos criativos que sejam mais tranquilos. Árduos sempre serão. É essa a impressão que fica depois de ver o documentário Por um triz, dirigido por Eduardo Zunza e produzido pela Camisa Listrada. O filme, que estreia nesta terça (28) no canal Curta! às 21h30, acompanha os meses finais de criação da coreografia Triz, balé que o Grupo Corpo estreou em 2013 no Palácio das Artes.

É um avesso inédito na história de 40 anos da companhia mineira. É um lado sem glamour, muito suor e também uma obra necessária para a desmitificação dessa arte. Não tem mágica não. Dá trabalho, exige dedicação, persistência, perseverança, estudo, companheirismo e muita paixão.

Triz não foi uma montagem simples para o Corpo. O coreógrafo Rodrigo Pederneiras foi diagnosticado com um sério problema no tendão do ombro (com direito a recuperação de uma cirurgia) seis meses antes da estreia, marcada para agosto de 2013. Para complicar o quadro, em maio daquele ano o coreógrafo rompeu o menisco do joelho.

A ideia da filmagem partiu, então, de uma necessidade. Para que Rodrigo acompanhasse os primeiros ensaios, as bailarinas Jaqueline Gimenez e Carolina Amares registraram movimentações com as próprias câmeras. Por que não fazer um filme com isso?

Mas o problema de Rodrigo Pederneiras é apenas o ponto de partida para o documentário. No fundo, o longa é o registro de um processo. Repito: é um avesso inédito do Grupo Corpo que dá a dimensão do quão complexo é aquilo que eles criam anualmente.

A estrutura do documentário aposta bastante na voz em off. Se por um lado coloca o esforço dos bailarinos em primeiro plano – já que a maior parte do filme tem imagens de ensaios – isso acaba camuflando a experiência individual de quem fala. Quando não são os diretores que estão falando (eles sempre aparecem), grande parte dos testemunhos em off compõe um mosaico de vivência.

Embora o resultado seja do conjunto, senti falta de conhecer mais sobre os percursos individuais daqueles que compõe o coletivo.

https://www.youtube.com/watch?v=PALlOyX0X9I&feature=youtu.be

FÁBRICA

Criar um espetáculo de dança é como colocar uma fábrica para funcionar. Enquanto Rodrigo Pederneiras e os bailarinos trabalham para descobrir como traduzir a música de Lenine em movimento, Paulo Pederneiras quebra cabeça com o cenário, discute figurino com Freuza Zechmeister, pensa na luz, no nome, conversa com Pedro Pederneiras sobre a estrutura técnica e por aí vai. Isso sem dizer na dificuldade de batizar a obra.

Todos tem voz. Mas as que mais me surpreenderam foram as dos bailarinos. Talvez por isso queria uma identificação mais clara sobre quem diz o quê. Acompanhar os ensaios e ouvi-los dá a dimensão do quanto a “invenção” dos Pederneiras não é simples. Nunca foi. São 40 anos de desenvolvimento de uma linguagem corporal, muito particular, conhecida, consagrada mas que, pelo que o filme revela, procura novos caminhos. O grau de dificuldade não importa.

Vale o desafio. Independentemente do tamanho.

Por um triz estreia na grade de programação do canal Curta! (nos canais 56 da NET, 132 na GVT, 76 na Oi TV, 664 na Vivo TV e 69 na Claro TV).

FICHA TÉCNICA: POR UM TRIZ

Longa / Documentário / 90 minutos
Ideia original: Carolina Amares e Jacqueline Gimenez
Direção e Roteiro: Eduardo Zunza
Produção: André Carreira e Júlia Nogueira
Produção Executiva: Júlia Nogueira
Direção de Fotografia: Gustavo Pains
Montagem: Joana Rennó
Trilha Sonora: Lenine
Produção e Realização: Camisa Listrada
Coprodução: Quarteto Filmes
Correalização: Grupo Corpo

photo

“Gabriel e a montanha”: um filme sobre contradições, contrastes, liberdade e natureza

Três anos separam Gabriel e a Montanha (2017) de Casa Grande (2014), os dois longas-metragens de ficção dirigidos por Fellipe Barbosa. Entre eles, alguns pontos em comuns, embora tenham temática completamente diferentes. São dois bons filmes, inspirados em pessoas do círculo afetivo do diretor. Se no primeiro estavam algumas lembranças da vida em família, o […]

LEIA MAIS
photo

Reações políticas acaloradas marcam abertura da Mostra de Tiradentes

Quem foi à abertura da 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes, nesta sexta-feira, dia 18, para ver Grace Passô ser homenageada sentiu-se em casa. Afinal, foi uma ode a toda geração dela. A cerimônia foi marcada por diversos atos políticos, apresentações artísticas e exibição do média-metragem ‘Vaga Carne’, com direção de Ricardo Alves Jr. e […]

LEIA MAIS
photo

Documentários sobre Bethânia e Adoniran são ovacionados na CineOP

A CineOP é uma Mostra voltada para o cinema como patrimônio e faz um resgate histórico sobre o tema de cada edição. Assim, a maioria dos filmes em exibição não são inéditos. Mas há alguns. As pré-estreias destacadas nesta edição foram  ‘Fevereiros’, de Marcio Debellian, e ‘Adoniran – Meu nome é João Rubinato’, de Pedro Serrano. […]

LEIA MAIS