fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Documentário: dez dicas para ver no streaming

Estão na lista Ex Pajé, Elena, Democracia em Vertigem, Jogo de Cena e outros

Por Thiago Fonseca *

03/06/2020 às 18:29 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Cena de Elena - Foto: Espaço Filmes/ Divulgação

Documentário: um gênero do cinema que explora a realidade e conta histórias diversas. Pode até ser considerado por muitos como cult, mas não. É uma forma de retratar a vida real em audiovisual e de maneiras distintas. Começou a ser explorado a partir de 1913, por Robert Flaherty. Logo se tornou popular. E tem, ainda, festivais exclusivos, como o mineiro Forumdoc.bh. Neste post, separamos dez dicas de documentários, disponíveis no Streaming, que você deve ver! 

Ex pajé

O documentário é sobre aculturação e etnocídio. Sendo assim, o filme mostra a história da tribo Pater Saruí, na Amazônia, que teve suas tradições e crenças perdidas ao longo dos anos após o contato com o homem branco. O foco do longa está em Perpera Suruí, um antigo pajé que sofre nas mãos de pastores evangélicos que condenavam os atos e saberes do líder. Um filme com uma análise social profunda. Clique aqui e leia a crítica que fizemos sobre o filme. 

Disponível no YouTube e Google Play

Elena

De Petra Costa, o documentário é a história da busca por Helena, irmã mais velha da diretora. Ela se mudou para Nova York para realizar o sonho de ser atriz e nunca mais voltou. Duas décadas depois, Petra e a mãe vão atrás da jovem. Durante as buscas, descobrem o inesperado. As cenas são gravadas pela diretora, que traz para a narrativa cartas e arquivos de infância. Um filme afetivo que nos toca com leveza. O longa ganhou seis prêmios, por exemplo, o de melhor documentário no Festival de Brasília. Clique aqui e conheça mais sobre a cineasta. 

Disponível na Netflix 

Ônibus 174

No dia 12 de junho de 2000 o Brasil parou para ver o sequestro do ônibus 174. Dois anos depois, o episódio foi retratado em um documentário de José Padilha e Felipe Lacerda. A produção mostra cenas do sequestro, realizado por Sandro Barbosa do Nascimento, e depoimentos de envolvidos no crime. Além disso, mostra a vida do jovem, uma criança em situação de rua que entrou para o mundo do crime, e sugere as causas da violência nas cidades brasileiras. Em 2005 venceu o Emmy Awards como melhor documentário. Além de entrar para a lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos, feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

Disponível no Vimeo  

Hot Girls Wanted

Este é um documentário que aborda a lucrativa indústria do pornô amador e conta a história de como meninas mudam para Miami para fazer filmes adultos. É  interessante pois mostra os bastidores do meio, como os produtores atraem as jovens e como eles vão sendo aliciadas. Uma boa reflexão sobre a pornografia.

Disponível na Netflix 

Jogo de Cena

Dirigido por Eduardo Coutinho, o documentário reúne histórias de vida de 23 mulheres. Elas são interpretadas por atrizes, como Marília Pera e Andréa Beltrão. Os contos foram selecionados por meio de um anúncio de jornal, em junho de 2006. São narrativas que surpreendem. O interessante é que Jogo de Cena propõe ao telespectador uma reflexão sobre o que é real e o que é ficção. Em 2008 recebeu o Prêmio APCA de Melhor Filme. 

Disponível no Now 

Circus of Books

O longa é a estreia da diretora Rachel Mason e conta a história de uma família americana que tem uma livraria e sex shop gay. No longa, o casal proprietário da Circus of Books, conta as memórias de décadas a frente do negócio, enquanto acompanham os últimos dias do estabelecimento, que por anos foi ponto de encontro e referência LGBTQI+ em Los Angeles. O longa fala sobre memória, aceitação, religião e luta da comunidade. 

Disponível na Netflix 

Tarja branca

De Cacau Rhoden, Tarja Branca resgata a infância. Sendo assim, o documentário revisa memórias infantis dos adultos e reflete sobre a importância do brincar em diferentes fases da vida. A ideia do diretor foi passar que as brincadeiras têm o poder de curar e nos fazer lembrar da criança que existe em nós. 

Disponível no Youtube

Minha História

Em 2018, a ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, publicou um livro de memória sobre a vida dela. O processo de divulgação da obra e histórias contidas nele foram parar em um documentário. Dessa forma, Minha História acompanha Michelle em uma jornada de lançamento do livro por 34 cidades, além de trazer entrevista com familiares, e fragmentos da vida dela.

Disponível na Netflix 

Branco Sai, Preto Fica

O título do documentário, dirigido por Adirley Queirós, lançado em 2015, é uma frase dita por policiais durante a invasão de um baile de black music em Brasília na década de 1980. Depois de separar os integrantes do lugar, os militares atiram nos negros. É sobre esse pano de fundo que desenvolve o filme, que também, tem cenas de ficção. Além disso, mostra como vivem dois dos atingidos na invasão. 

 Disponível na Netflix 

 

Democracia em Vertigem

Para terminar esta lista não podemos deixar de fora Democracia em Vertigem, de Petra Costa. O longa foi um dos cinco indicados ao Oscar 2020 de melhor documentário. Nele, a cineasta acompanha o processo e os bastidores do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. Além disso, o julgamento de Lula, a eleição de Bolsonaro e a crise político-econômica do Brasil. Uma produção muito reflexiva que retrata a política e memórias pessoais de Petra. 

Disponível na Netflix 

Petra Costa. Foto: Diego Bresani/divulgação
photo

José Saramago: cinco livros para embarcar na narrativa do autor

Há 10 anos morria José Saramago, escritor português vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, em 1998, e do Prêmio Camões, em 1995, o mais importante da língua portuguesa. Nome fundamental da literatura contemporânea, Saramago deixou um legado de obras que abordam a sociedade, fazendo críticas à política, reescrevendo religião (a exemplo de O evangelho segundo […]

LEIA MAIS
photo

Cinema na quarentena: Dois irmãos: uma jornada fantástica

Não tem ninguém igual no mundo onde os irmãos Ian e Barley vivem. A mãe dos elfos, a Laurel, faz ginástica pela televisão e se preocupa com a alimentação. Mas digamos que, mesmo com essas coincidências com a vida dos humanos, não existe qualquer padrão, mesmo corporal, naquele universo. Sendo assim, naturalizar a diferença é […]

LEIA MAIS
photo

Cinco programas de humor que fizeram história na televisão brasileira

O primeiro programa humorístico da televisão brasileira foi Rancho Alegre. Originalmente transmitido pela Rádio Tupi, era ao vivo e tinha como protagonista Mazzaropi, humorista, ator e cineasta. Com o surgimento da televisão, em 1950, o formato foi para as telinhas da TV Tupi de São Paulo e abriu caminho para os mais diferentes estilos de […]

LEIA MAIS