fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Febre do vinil: procura por discos cresce no Brasil

Por Thiago Fonseca *

05/11/2018 às 09:35 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Thiago Fonseca

Um levantamento da eBay, empresa internacional de marketplace, revelou que os brasileiros compram mais de 100 discos de vinil por mês na plataforma. Ainda segundo o último levantamento da indústria discográfica, divulgado em 2016, de 1991 até a data da pesquisa, as vendas e produções dos discos cresceram 53% em todo o mundo. No mesmo ano, 17,2 milhões de unidades foram vendidas no EUA. De lá pra cá as coisas só melhoraram. Em Belo Horizonte a procura por vinil também cresce.

Fernanda Cavalcante é dona do sebo ‘Sétima Arte’ no edifício Arcangelo Maletta, no centro de BH, que, além de livros, vende vinis. Como a loja está localizada em um ponto turístico da capital, ela atende clientes de todos os cantos do Brasil em busca de discos. “Vendo há 10 anos, há cinco anos vejo aumento nas vendas. Quem compra muito é quem gosta, entretanto, de dois anos para cá tem muita gente nova vindo comprar”.

Segundo Paulo Sérgio, dono da loja ‘All Wave Disco’, especializada em discos, também no centro da capital mineira, a procura por disco de vinis por lá também aumentou de cinco anos para cá. “Houve uma mudança grande. Muita gente que vendeu discos no passado voltou para comprar e tem gente nova também”, conta.

 

Continua após a publicidade...

 

Saudosismo e qualidade

Os motivos, segundo os empresários, estão na valorização do som de qualidade, no saudosismo e na volta de fabricação dos vinis. “Muitos artistas e algumas empresas voltaram a lançar discos, como por exemplo, a Marisa Monte e Fernanda Takai. Isso chama atenção. Muita gente ainda tem toca disco em casa e resolveu voltar a usar. Além desses, há os colecionadores que nunca deixaram de comprar”, afirma Paulo.

É o caso do jornalista e sociólogo Felipe de Jesus. Desde os 17 anos coleciona vinis, hoje, aos 36 anos já soma na coleção mais de oito mil exemplares. Por mês, compra de 15 a 25 discos. Geralmente recorre a sebos e livrarias de BH. Nos últimos anos anda preocupado porque está mais difícil achar as raridades ou até mesmo um disco novo. “Esses dias fui em uma livraria para comprar um disco, não havia mais. É preciso correr”.

Felipe acredita que o aumento na busca por vinis está relacionado com o saudosismo e novos aparelhos de toca disco. “Os tocadores de vinis pequenos se popularizaram. Quem gosta de uma boa música está comprando mais. As pessoas estão voltando a ouvir vinil por conta do som que é bem diferente do CD e do digital. Elas também estão enjoadas com tudo o que a internet dá e o vinil resgata. Além disso, há a questão do material, de colecionador e história”, salienta.

 

Foto: Arquivo Pessoal

 

Retomada nas produções

No início do ano a Sony voltou a fabricar discos de vinil após quase 30 anos. A empresa havia cancelado a produção do formato em 1989, por causa dos CDs. Mas, por conta do crescimento de vendas no mundo, principalmente nos Estado Unidos, e novos lançamentos no antigo suporte analógico, resolveu retomar a fabricação no Japão. Esse é um fator que também colabora com os aumentos das vendas. É um processo cíclico, se há procura, há produção. Novos discos nas lojas, aumento nas compras.

Em junho deste ano a cantora Fernanda Takai lançou o disco ‘O Tom da Takai’ em homenagem a Tom Jobim e aos 60 anos da Bossa Nova. Além das plataformas digitais e o tradicional CD, a artista também decidiu disponibilizar o álbum em vinil pela gravadora Deck. O cantor Roberto Carlos é outro exemplo. Em meados de outubro lançou álbum em vinil. ‘Amor Sin Límite’, é o primeiro disco de inéditas em espanhol em 25 anos. O disco também foi lançado em CD, mas segundo material de divulgação, o lançamento em vinil foi satisfazer os fãs que não abrem mão de colecionar e ouvir a velha bolacha.

Clássicos lideram a procura

Embora as vendas de lançamentos estão à todo vapor os mais procurados são os antigos. Especialidade do sebo de Fernanda, já que não trabalha com lançamentos por conta do preço. Alguns variam de R$ 70 a R$ 200. “Com a grande procura está até mais difícil de encontrar fornecedor. Às vezes é preciso comprar de quem tem coleção e está desfazendo. Mas não é qualquer vinil que vende, há diferença de gênero. Rock e MPB são os campões de vendas”, conta Fernanda.

Contudo, o levantamento da eBay releva o reggae como o gênero favorito quando se trata de vinil. Mesmo assim, há apenas um artista de reggae no Top 5 dos mais pesquisados em discos de vinil por brasileiros este ano, que foram: Madonna, Donzela de Ferro, Roberto Carlos, Eric Donaldson e Beatles. Os dados também apontam que os brasileiros venderam uma média semanal de 115 discos de vinil para os compradores de outros países em 2018.

Continua após a publicidade...

photo

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 26 de maio

Dorival Caymmi deu a dica: “Quem não gosta de samba, bom sujeito não é”. Esse parece ser o lema da agenda cultural de Belo Horizonte no fim de semana. Tereza Cristina, Roberta Sá e Diogo Nogueira estarão na cidade para honrar a máxima do mestre. Entre as atrações musicais ainda tem o poderoso encontro entre […]

LEIA MAIS
photo

Elza Soares vem a BH com show ‘Deus é Mulher’

Começa amanhã (09/04), as 12h, a venda de ingressos para a estreia do show ‘Deus é mulher’, de Elza Soares no Sesc Palladium, em BH. A apresentação está marcada para o dia 11 de maio e o preço dos ingressos varia de R$ 45 (meia) a R$ 150 (inteira). Elza  será acompanhada pela banda formada […]

LEIA MAIS
photo

Resistência como a palavra de ordem para a música independente

O ano de 2016 foi de lançamento para o Graveola. Camaleão Borboleta saiu em julho e repercutiu bem. Com ele o Grav apareceu em publicações internacionais como o jornal The Guardian. “É um conjunto original, gentilmente sutil que soa melhor com cada escuta”, publicou Robin Denselow no jornal britânico. O disco da banda também apareceu […]

LEIA MAIS