fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Dia Nacional do Samba: conheça nomes expressivos da cena mineira

Separamos nesta lista cinco sambistas que representam a cena e despontam com trabalhos impressionantes. As mulheres se destacam

Por Thiago Fonseca *

01/12/2020 às 18:55 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Adriana Araújo - Foto: Nonato Fotografia / Divulgação

Dois de dezembro é o dia nacional do samba, o gênero musical que mais representa o Brasil. A data foi criada em 1963, em homenagem ao compositor Ary Barroso. O samba surgiu por influência africana no Rio de Janeiro e na Bahia no início do século passado. Por muito tempo esteve ligado à religiosidade. Foi em 1917 que ganhou reconhecimento com a canção Pelo Telefone, de Mauro Almeida Donga. Em 1930 se popularizou e caiu nas graças do brasileiro. 

Na capital mineira o samba esteve aliado ao carnaval. Em 1897 a cidade ganhou a primeira festa da folia. Já as rodas de samba surgiram anos depois, na Lagoinha, na Região Noroeste.

Neste post separamos cinco mineiros que você deve conhecer. São sambistas queridos do Culturadoria e que se destacam na cena. 

Aline Calixto

Com DVD novinho na praça, Aline Calixto é um dos nomes fortes nessa área. A sambista é carioca mas mudou para Minas Gerais ainda na infância. “10 Anos Aline Calixto – Ao Vivo em BH” (LAB 344) celebra a primeira década da carreira dela. Foi gravado em 2018 e traz um dos últimos registros ao vivo de Beth Carvalho, madrinha no samba de Aline. Ou seja, a moça nunca esteve de brincadeira. Com o primeiro disco, de 2009, ganhou o prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) na categoria melhor ano. Desde então, Aline só cresceu no samba. Comanda um dos blocos de carnaval mais animados da cidade. Aline é conhecida pela voz potente, borogodó e carisma.

Thiago Delegado

Nascido em Caratinga, no Leste de Minas, Thiago Delegado veio para a capital mineira fazer o terceiro ano do Ensino Médio, em 2000, e se tornou sambista. Ele até se formou em engenharia eletrônica e de telecomunicações, mas foi na música que se descobriu. É referência nacional no violão de sete cordas. Além disso é cantor, instrumentista, produtor musical e compositor. Já participou de inúmeros projetos, que vão desde a instrumentalização à produção. Há 12 anos realiza o projeto DelegasCia. É autor do disco Sambetes Vol. 1. Clique aqui e saiba mais sobre o artista. Neste Dia Nacional do Samba faz uma edição especial do Delegas Samba Clube com participação de Cinara Ribeiro, Giselle Couto, Marina Gomes e Manu Dias. O canal oficial do YouTube transmite, a partir das 19h, o show gravado no O Muringueiro. 

 

 

 

Adriana Araújo

Adriana tem uma das vozes femininas que se destacam no samba de BH. Voz potente e performance chamam atenção de fãs que até orquestram ações pela internet. A cantora nasceu na Pedreira Prado Lopes, na região da Lagoinha, e dividiu palcos com grandes nomes. Por exemplo, Leci Brandão, Fabiana Coza e Jorge Aragão. Artistas que começou a imitar na infância. Ela iniciou na música sem ter um gênero específico. Foi parar no samba por influência do companheiro Evaldo Araújo. E daí em diante, deslanchou. Em 2016 lançou o single Meu Refrão. Atualmente prepara disco para 2021.

Giselle Couto

Timbre forte e marcante são características da voz da sambista Giselle Couto. Nascida em Mariana, a jovem foi revelada com o grupo Samba na Ladeira. Cantou na noite e hoje circula divulgando seus discos. O mais recente, Natureza, produzido por Thiago Delegado será lançado neste Dia do Samba (02/12). Nele assim, como na carreira, Giselle trabalha com elementos da cultura popular junto ao samba. Além disso, integra o grupo Flor de Abacate, o Samba da Criação e o bloco Bebadosamba. Por fim, é a anfitriã dos encontros da Central do Samba.

Manu Dias

Dona de um samba contagiante, a ouro-pretana, com coração belo-horizontino, Manu Dias começou a carreira na adolescência. Aos 13 anos cantava com o pai, Toninho Batista. Hoje lá se vão mais de 20 anos de carreira. Boa parte deles cantando em bares e na noite das cidades mineiras. Lançou o primeiro disco aos 36 anos, em 2019. Sambadear foi produzido por Thiago Delegado e Alexis Martins. São dez faixas com canções animadas com muito partido cortado. Clique aqui e saiba mais sobre o álbum. 

Thiago Delegado
Thiago Delegado - Foto: Beth Freitas / Divulgação
photo

O Auto da Compadecida: curiosidades sobre o filme vencedor do mata-mata do Culturadoria

O Auto da Compadecida, de Guel Arraes, é o grande vencedor do Mata-mata cinematográfico do Culturadoria! Não sabe do que estamos falando? Fizemos uma enquete no Instagram perguntando qual é o melhor filme brasileiro de todos os tempos. Dessa forma, a partir das respostas, foi feita uma votação até chegar no campeão. A disputa foi […]

LEIA MAIS
photo

Entenda a importância dos quilombos para a história e cultura

Segundo um levantamento feito pela Fundação Cultural Palmares, há no Brasil 3.524 comunidades quilombolas. Belo Horizonte acaba de ganhar mais uma. O Quilombo Souza, no bairro Santa Tereza foi reconhecido como patrimônio imaterial. O processo de registro foi iniciado em julho de 2019 e terminou no dia 18 de novembro de 2020. Além dele, há […]

LEIA MAIS
photo

Restaurante Quina BH: criatividade e mineiridade na esquina

Toda vez que conheço um novo restaurante em Belo Horizonte penso o quão merecido é o título de Cidade Criativa da Gastronomia. A última vez que eu tive constatação parecida foi ao entrar o Quina BH, projeto comandado pelo chef Uamiri Menezes. A casa fica na esquina, daí também o trocadilho do nome, das avenidas […]

LEIA MAIS