Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

‘De Repente uma Família’: história de adoção para rir e se emocionar

Por espculturadoria*

28/11/2018 às 16:33

Publicidade - Portal UAI
Foto: Paramount Pictures / Divulgação

Por Ana C. A. Souza

Não é de se estranhar que os lançamentos estão recheados de temas natalinos, de redescoberta dos valores e da magia que essa época pode proporcionar. Surfando nisso, ‘De Repente uma Família’ (Instant Family) se destaca como uma das dramédias do momento. O filme aborda a delicadeza de uma história sobre relações familiares. Fala também sobre a descoberta de uma paternidade/maternidade. São personagens bem humorados e cativantes nas suas personalidades próprias (e alguns estereótipos, também).

O filme é baseado nas experiências reais do diretor Sean Anders (‘Pai em Dose Dupla’ e ‘Quero matar meu chefe’). Dessa maneira, ‘De Repente uma Família’ aceita o desafio de falar de adoção de um jeito despretensioso e muito (fofo) leve, sendo extremamente bem sucedido nisso. Ellie (Rose Byrne) e Pete (Mark Wahlberg) formam um casal branco e de classe média que nunca pensou em ter filhos. Mesmo assim eles se aventurando na vida de serem pais. É assim que Juan (Gustavo Quiroz), Lizzy (Isabela Moner) e Lita (Julianna Gamiz), três irmãos de descendência latina e de idades (e personalidades) totalmente diferentes, aparecem.

A partir daí, a relação dos cinco, assim como as desventuras e sabores da vida familiar são os elementos que preparam essa história gostosa de assistir. São momentos muito bem pensados de alívio cômico e pitadas de melodrama, com cenas feitas para chorar. A trama flui sem ficar cansativa.

 

Foto: Paramount Pictures / Divulgação

 

O enredo

A responsabilidade que a narrativa assume, também deve ser levada em conta. Falar sobre adoção, ao mesmo tempo em que decide mostrar que isto se trata de uma missão e tanto, traz tons de “pé no chão” para a trama. Ela poderia descambar facilmente para algo bem monotom e sem graça. É aí que o conhecimento de causa de Anders não nos deixa na mão. Contam também o entrosamento e afinidade com que Rose e Mark entregam ao casal protagonista. Eles mostram que amizade e cumplicidade que não falham.

Apesar de tentar esclarecer muita coisa em relação aos processos de adoção (nos EUA), o longa não está interessado em se ater aos trâmites legais. Na verdade, quer contar sobre essa experiência e (talvez) fazer mais pessoas considerarem essa possibilidade em suas vidas. Então, desde o elenco até o plot dessa história, a intenção fica muito clara. Em resumo: mostrar como família é família, independente de como se forma.

 

[youtube modulo=”2″]P0c7ndA1IG0[/youtube]

 

De Repente uma Família foi uma cabine do Mesa, em parceria com o Culturadoria.

 

Continua após a publicidade...

photo

Os sinais do Globo de Ouro sobre a temporada de prêmios e Hollywood

O Globo de Ouro não é uma premiação para palpites. Pelo menos para mim. É como se fosse um primeiro encontro com um conjunto de filmes que certamente ainda teremos muito o que comentar. Eis aqui alguns pontos que chamaram a atenção durante a cerimônia e anunciam o que vem por aí no burburinho da […]

LEIA MAIS
photo

[CRÍTICA] ‘Insubstituível’ destaca o valor da vocação no mundo capitalista

Todas as vezes que me deparo com uma comédia francesa fico imaginando a força que o gênero tem por lá. Tanto que comédias como Insubstituível, Os Intocáveis, por exemplo concorrem com frequência ao Cesar, o principal prêmio do cinema francês. François Cluzet, o protagonista dos dois filmes, concorreu em 2017 ao trofeu de melhor ator. […]

LEIA MAIS
photo

Feminismo domina cena no primeiro dia de debates em Tiradentes

Era inevitável que o tema da Mostra de Cinema de Tiradentes transbordasse para muito além do que estava proposto. Oficialmente o conceito da programação gira em torno do Cinema em reação, cinema em reinvenção. Oficialmente. Na prática o papel da mulher no cinema dominou até agora todas as atividades que tiveram a participação das homenageadas, […]

LEIA MAIS