Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cursos em BH qualificam músicos para empreender

Por Thiago Fonseca*

10/12/2018 às 13:39

Publicidade - Portal UAI
Foto: Aline Porto / Divulgação

Em 2017, o mercado de música no Brasil teve aumento de 17,9% em relação a 2016 e apresentou uma média mundial de crescimento de 8,1%. Foi o que apontou o relatório do Mercado Fonográfico Brasileiro e Mundial divulgado neste ano. Em Belo Horizonte, o mercado da música, principalmente o autoral, cresce não é de hoje. Diante desse cenário fica cada vez mais nítido o quanto é preciso investir na gestão de carreira. Para isso, cursos na área da música em BH inovam e oferecem didática voltada para gestão e negócios para músicos e produtores.

Música independente

O programa de música independente do Sebrae Minas é um deles. Criado em 2011 o projeto tem como objetivo capacitar músicos e produtores para entender de gestão de carreira e o mercado musical. “No curso o aluno aprende como viver da música e ter uma visão da carreira como um negócio. Temos aulas, como por exemplo, de marketing, como gerir carreira e parte financeira. A didática mescla consultoria com aulas”, explica Erick Krulikowski, coordenador do curso.

O programa é realizado uma vez por ano e tem duração em média de seis meses. Segundo Erick, ele vem para suprir necessidades do mercado musical que é promissor e complexo. “BH tem uma cena autoral muito forte. Há muitas bandas e músicos no mercado. Dessa forma, o artista tem que ter um diferencial para sobreviver. Entender a carreira, como se posicionar no mercado são exemplos. Com isso, ele não fica na expectativa de ser descoberto”.

Aprender para empreender

O músico Felipe de Oliveira foi aluno do curso há dois anos. Desde então colhe frutos do aprendizado. No início deste ano lançou o primeiro disco ‘Coração Disparado’. Segundo ele, foi no Sebrae que tomou coragem para colocar o projeto na estrada. “Se não tivesse feito o curso, o disco não aconteceria ou não existiria. Ele só foi feito graças a uma campanha de financiamento coletivo que ganhou forças no curso. Além disso, as aulas me ajudaram na conexão com pessoas do setor, a ter uma postura diante da carreira e ver isso como uma profissão”.

De acordo com especialistas da área, enxergar a música negócio é uma das maiores dificuldades dos músicos. Dados do Sebrae Nacional de 2016 apontam que existem 91.023 pequenos negócios formalizados operando na indústria musical no Brasil. Em síntese, isso significa que ser músico nos dias atuais é ter uma empresa. Um setor que ajuda a movimentar a economia do país.

Para saber mais sobre o curso, clique aqui. 

 

 

Programa da Música do SEBRAE-MG!!Inscrições abertas!!https://goo.gl/forms/KzclfGwH2mmpw7R83

Posted by Raquel Vilarino Reis on Friday, May 26, 2017

 

Music Coach

Outra iniciativa de aprimoramento voltado para a gestão de carreira musical na capital mineira que tem dado certo é o ‘Music Coach’. Foi criado há três anos pelo músico Márcio Brant. Ele desenvolveu uma metodologia para ensinar músicos como gerenciar a carreira artística por meio de workshops. Além de BH, o projeto já passou por outros estados, como Rio de Janeiro e São Paulo.

Brant decidiu criá-lo após trabalhar como produtor há 15 anos. Em resumo, constatou que os músicos chegavam no estúdio com muitas dúvidas sobre o cenário musical e carreira. “Sempre respondia com o que sabia. Depois decidi estudar e criar o projeto. Juntei a administração, a psicologia e a produção musical e criei o workshop. Nele falo sobre o mercado e com um conjunto de ferramentas direciono o planejamento da carreira do artista. Convido as pessoas a pensarem no que é melhor para eles, como por exemplo, se é melhor gravar um disco ou investir em uma música”, explica.

O processo de Music Coach, ainda conforme Márcio, dá ao artista o entendimento e conhecimento de todo o cenário e o prepara para seguir em frente com mais força e assertividade em tempos que se fazer arte é cada vez mais difícil. “O músico tem que saber de negócios. Ele foca em talento e esquece de estudar a profissão e como gerir a carreira. Em tempos em que as os patrocínios vão acabar é importante saber disso tudo”.

Para saber mais sobre o curso, clique aqui. 

 

Música Popular e Gestão de Carreira

Muitas universidades de Belo Horizonte oferecem a graduação de música. Entretanto, são mais voltadas para o ensino da questão artística e atribuições musicais do artista. Diante desse cenário e das mudanças na música, o UniBH criou neste ano o curso de Música Popular e Gestão de Carreira. Uma opção para quem quer se aprimorar na área com mais aprofundamento.

A proposta é combinar disciplinas de música, empreendedorismo e comunicação durante quatro anos para formar uma formação interdisciplinar. “O aluno terá aulas da história da música, de arranjos, produção, marketing, comunicação, entre outras. Queremos preparar o aluno de maneira completa para que ele possa ter noção do mercado e se constituir nele”, conta Rodrigo Borges, coordenador do curso.

Dessa maneira, entre as disciplinas da grade curricular estão, por exemplo, estética musical, gestão de projetos culturais, sociologia da música, entre outras.“Estamos em um momento econômico de transformação é muito importante abrir o leque da formação. Ter uma formação é se adaptar melhor ao mercado de trabalho”, salienta Rodrigo Borges.

Para saber mais sobre o curso, clique aqui. 

 

 

Continua após a publicidade...

photo

Júlia Ribas volta aos palcos com projeto comemorativo

Nos últimos dois anos a cantora mineira Júlia Ribas se afastou dos palcos para se dedicar exclusivamente à filha Rute, que nasceu em 2016. Já estava meio sumida antes, quando foi para o sertão. Perto de completar 40 anos de vida e 25 de carreira, em novembro, a artista decidiu que era hora de voltar […]

LEIA MAIS
photo

Júlia Dias anuncia novo clipe e participação em musical sobre Elza Soares

Foi dentro de casa que Júlia Dias teve o contato com a arte. Ela é filha de Maurício Tizumba, um dos mais populares artistas de Minas Gerais. Aos cinco anos já dividia os palcos com o pai. Na adolescência teve contato com o teatro. Formou-se em jornalismo, mas foi na arte que se encontrou. Hoje, […]

LEIA MAIS
photo

Márcia Tiburi: força feminina no país da delicadeza perdida

Marcia Tiburi não é uma mulher dócil. Aliás, nenhuma deveria ser. Cuidado para não confundir docilidade com delicadeza, elegância, educação. “Como você vai ser dócil sendo o machismo a coisa mais tosca, grossa, ogra que existe no mundo. Como ser meiga, delicada? É uma ironia, né, gente!”, disse. A cada fala, um pensamento, uma provocação. […]

LEIA MAIS