fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Bastidores do impeachment: ‘O processo’ e a função de documentar a história

Por Carol Braga

16/05/2018 às 15:49

Publicidade - Portal UAI

É difícil não se deixar envolver com o documentário O processo, de Maria Augusta Ramos. Seja como for, isso independe de seu posicionamento político. É um filme cansativo, denso e tenso.

Se você for de esquerda, ou tiver tendências, vai se incomodar mais. Muito mais. Dá arrepio rever políticos, eleitos, justificando seus votos em nome da família, de Deus e até de torturador.

É essa cena lamentável da história recente do Brasil que domina os primeiros 15 minutos do longa. De fato,  se trata de uma obra bastante complexa que poderá despertar olhares variados. O meu, por exemplo, centrou-se menos no político propriamente dito e mais em dois aspectos: como é triste – e prejudicial – a polarização política e social que vivemos. Além disso, como há um excesso de midiatização em nossa sociedade. Claro que a política perpassa o filme inteiro, mas esta análise deixo para os entendedores desse jogo.

 

Foto: Still Berlim / Divulgação

Polarização

O documentário começa com um plano aéreo e aberto de Brasília onde se pode ver duas partes bastante separadas. Do lado esquerdo, predomina o vermelho. Do direito, os tons de verde amarelo. No meio, tapumes, carros do corpo de bombeiro. Uma distância considerável.

A primeira cena do importante filme de Maria Augusta Ramos diz muito do que se verá ao longo de 137 minutos. É emblemática. Não há como negar a polarização. São lados bem marcados. Enquanto isso, dentro da Câmara dos Deputados a divisão também existe. Internamente, eles chegam no corpo a corpo. Partem para o combate, inclusive físico, com aparente ausência de racionalidade.

A todo momento a documentarista recupera esta informação. Para mim, cada vez que os lados opostos aparecem penso na necessidade de uma voz razoável, alguém que conseguisse dominar a passionalidade, o partidarismo e apresentasse uma análise razoável. Como sabemos, isso não aconteceu.

O filme de Maria Augusta Ramos acompanha o processo do impeachment desde o dia da votação na Câmara, passando pelo processo na Comissão do Senado e, por fim, a votação que destituiu a presidenta Dilma Rousseff. Não é a primeira vez que o tema Justiça aparece na obra de Maria Augusta. O processo é uma continuidade às abordagens desenvolvidas a partir do sistema judiciário do país na trilogia formada por Justiça (2004), Juízo (2013) e Morro dos Prazeres (2013).

A medida em que acompanha principalmente parlamentares petistas como Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias e o advogado José Eduardo Cardozo o longa assume seu lado. Advogada de acusação, Janaína Paschoal assim como o relator do processo de culminou no Impeachment, senador Antônio Anastasia são alguns dos antagonistas observados com mais distanciamento.

No fim, todos partem para a guerra. Porém, com em intensidades e estratégias variadas.

 

Foto: Still Berlim / Divulgação

Midiatização

Ao mesmo tempo em que a polarização aparece como um aspecto determinante na reflexão que Maria Augusta Ramos faz daquele histórico momento político brasileiro, a diretora acrescenta mais uma camada de análise crítica. Essa mais social do que propriamente política.

No campo da comunicação, Muniz Sodré chama de midiatização “o funcionamento articulado das tradicionais instituições sociais com a mídia”. É um conceito que permeia todo o filme de Maria Augusta.

Ao registrar deputados fazendo suas próprias transmissões ao vivo, cidadãos à caça de selfies, um excesso de câmeras jornalística de todos os portes, vê-se o que Guy Debord chamou de “sociedade do espetáculo”. Ele entende como espetáculo o conjunto das relações sociais mediadas pelas imagens.

É o que também se vê em O processo. Dá tristeza. Somos governados por políticos extremamente polarizados, pouco razoáveis, que operam segundo as regras da sociedade do espetáculo. Está difícil ser otimista.

[youtube modulo=”2″]Z3rHUGdOXUs[/youtube]

photo

CineOP: um legado para a cidade de Ouro Preto

O que de mais rico que um festival pode deixar para a cidade é o envolvimento da comunidade nas atividades e um legado de consciência cultural. Dessa forma age a CineOP. Seja como for, pela parceria na restauração do Cine Vila, na gratuidade de exibição dos filmes, na participação de escolas locais e na oferta […]

LEIA MAIS
photo

Se você ainda não começou, por que deveria ver La Casa de Papel?

Nove dos melhores ladrões da Espanha são convocados por um professor para assaltar a Casa da Moeda do país. O objetivo? Fabricar o próprio dinheiro e ter mais de seis dígitos na conta bancária. Eles estão em busca do “assalto perfeito”. A série de televisão La Casa de Papel foi produzida, inicialmente, para o formato […]

LEIA MAIS
photo

Comédias românticas da nova era: entre no clima do Dia dos Namorados

A semana do Dia dos Namorados não poderia começar sem ter dicas de comédias românticas para ver. Quem é fã de clássicos como 10 coisas que odeio em você e De repente 30, não pode deixar de explorar essa lista com novos representantes do gênero com temática adolescente. São histórias fofas, com personagens estilosos, autoamor […]

LEIA MAIS
photo

Livros e filmes para entender e repudiar o fascismo

Nos últimos dias, o Brasil e o mundo vêm passando por diversas manifestações antifascistas e a favor da democracia. Por aqui os atos são principalmente contra o presidente Jair Bolsonaro e os seus apoiadores, que pedem intervenção militar (sim, igual na ditadura) e no Supremo Tribunal Federal, o STF. Por outro lado, nos Estados Unidos, […]

LEIA MAIS
photo

Cinema drive-in: entenda como funciona a nova moda do entretenimento

O Cinema drive-in, que se popularizou entre as décadas de 1950 e 1970, está de volta. O formato de exibição de filmes, onde se assiste às produções dentro do carro, surgiu em junho de 1933, nos EUA. Por diminuir o contato entre as pessoas, é aposta do entretenimento fora de casa em 2020. Unidades já […]

LEIA MAIS
photo

Conheça Duda Beat: artista que sobreviveu à sofrência e ganhou o Brasil

O desabafo de relações amorosas frustradas e recados de amor próprio dão o tom às canções da artista pernambucana Duda Beat. Após o lançamento do primeiro disco, Sinto muito, em 2018, a cantora começou a ter visibilidade nacional e ganhou até o apelido de “rainha da sofrência pop”. Entretanto, há muita coisa por trás dessa […]

LEIA MAIS