fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

A moral e suas dores no filme iraniano ‘O apartamento’

Por Carol Braga

06/01/2017 às 16:15

Publicidade - Portal UAI
Os atores Taraneh Alidoosti e Shahab Hosseini em 'O apartamento'. Crédito: Pandora Filmes/Divulgação.
Os atores Taraneh Alidoosti e Shahab Hosseini em 'O apartamento'. Crédito: Pandora Filmes/Divulgação.

Os atores Taraneh Alidoosti e Shahab Hosseini em ‘O apartamento’. Crédito: Pandora Filmes/Divulgação.

Nem sempre um desmoronamento é algo físico. É um sentido mais alargado do termo que o cineasta iraniano Asghar Farhadi persegue em O apartamento (2016). O longa sucede os incensados A separação (2011), que rendeu ao diretor uma indicação ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira e O passado (2013).

Na primeira sequencia de O apartamento um prédio ameaça desabar por causa de escavações – provavelmente irregulares – no terreno vizinho. Asghar Farhadi filma a correria pela sobrevivência com objetividade e maestria.

O foco está na história que pretende construir. Ou seria o homem que pretende desconstruir? Ali interessa contar como protagonista era um cidadão de bem, porém passível de rachaduras.

O ator e professor Emad Etesami (papel do ótimo e contido Shahab Hosseini que também fez A separação com o diretor) é solidário, capaz de colocar a própria vida em risco para salvar o outro. Mas o trincar de paredes e janelas acaba gerando também fendas inesperadas na vida dele.

Emad e a mulher Rama (Taraneh Alidoosti), que também é atriz e assim como o marido faz parte do elenco da montagem de A morte do caixeiro viajante, clássico de Arthur Miller, são obrigados procurar outra morada. Aceitam a ajuda de um colega de elenco sem saber o que o passado do imóvel afetaria tanto o presente deles.

Rama é atacada dentro de casa. Em geral, o subentendido tem mais força.

Asghar Farhadi não precisou mostrar o ato de violência e nem mesmo detalhar a agressão para trazer ao filme discussão sobre machismo, sobre o que representa em uma sociedade baseada em valores religiosos rígidos e o que bastaria para ferir a moral de um homem iraniano que convive com a revolução Islâmica.

Mesmo focando em um personagem, Asghar Farhadi constrói uma narrativa em camadas que prende a atenção do espectador, em especial os 30 minutos finais.

A relação entre a jornada de Emad e Willy, o Caixeiro Viajante na peça de Arthur Miller tem paralelos. Os dois convivem com dramas que unem passado e presente trazendo à tona conflitos sociais e familiares capazes de destruí-los pouco a pouco.

Os silêncios são longos e dizem muito em O apartamento. A partir do momento em que o conflito é dado, o não dizer demonstra uma dificuldade – até mesmo cultural – em lidar com temas de ordem íntima.

Asghar Farhadi explora o vazio de diversas formas. O não ter onde morar, não ter o que falar e não saber como agir. São esses outros desmoronamentos, talvez os de alma, que fazem de O apartamento um filme instigante, profundo e atual.

Em tempo: O apartamento concorre ao Globo de Ouro de Melhor Filme em língua estrangeira e está na finalíssima para uma das vagas do Oscar, na mesma categoria.

 

photo

Bohemian Rhapsody surpreende no Globo de Ouro 2019

Foi uma noite que começou com poucas surpresas mas que rolou um revertério do meio para final. Principalmente nos prêmios entregues nas categorias de filmes. No fim das contas, os grandes vencedores foram Bohemian Rhapsody, Green Book: o guia e Roma. Entre as séries, destaque para o reconhecimento da novata O método Kominsky. O Globo […]

LEIA MAIS
photo

‘120 Batimentos por Minuto’: Um brinde aos loucos que amaram – e lutaram

Por Daniel Oliveira – Colaboração especial para o Culturadoria Em uma cena de 120 Batimentos por Minuto, um personagem descreve um carro pego de surpresa por uma nevasca, parado no meio da estrada. Era impossível ver se estava no acostamento ou não. Os outros veículos passavam tirando fininho, podendo bater e destruí-lo a qualquer momento. […]

LEIA MAIS
photo

Green Book: jornada coletiva contra preconceitos estruturais

Lembra nos anos 90, daqueles filmes de comédia bem bestas? Se você quer dar esse exemplo pra alguém é bem provável que diga: “tipo Debi e Loide?”. Pois sabia que esse filme que é ícone do besteirol americano tem uma relação com o belo e sensível Green Book. Sim, o diretor é o mesmo: Peter […]

LEIA MAIS