Foto: Felipe de Oliveira / Autoretrato
11 jun 2018

‘Coração Disparado’: Felipe de Oliveira lança o primeiro disco

Belo Horizonte soube primeiro. O Brasil logo descobriu. Foi em 2016 que o cantor e intérprete Felipe de Oliveira ficou conhecido em todo o país após participar do programa The Voice. O primeiro show da carreira, em 2015, foi produzido por ele mesmo, na raça, em apresentação no Teatro de Bolso do Cine Theatro Brasil. Hoje, três anos depois, da mesma forma, Felipe se prepara para lançar  ‘Coração Disparado’, o disco primogênito.  “O primeiro disparo e primeiro tiro apontando para uma direção”, afirma o cantor.

Felipe desde criança teve contato com a música. Foi sua mãe, educadora, que o estimulava e o levava, junto com o irmão, a shows. A formação em uma escola que valorizava a cultura também contribuiu. Na adolescência, se apaixonou pela MPB e, desde então, começou a pesquisar. Teve formação diversa na arte. Assim, a vida inteira estudou música, teatro, dança e a bonecaria.

“Sempre tive contato com a arte e cultura, e principalmente, com a música. Quando criança estudei violão e canto com a Babaya. Qualquer oportunidade de estar no palco já aproveitava e cantava. Sempre dei palinhas em roda de amigos, na faculdade e na família. No entanto, só fui me tornar músico profissional aos 22 anos”, conta. Antes de se despontar na carreira de músico Felipe cursou Cinema. Formou-se em 2014, pela Una, e chegou até fazer um curta-metragem. Entretanto, foi na música que se descobriu e nela resolveu ficar.

“Reuni coragem um ano após formar e fiz meu primeiro show profissional. Aluguei o teatro, fiz toda a produção e cenário. Na apresentação interpretei músicas sobre o amor no sertão. Logo depois me inscrevi no The Voice”, relembra. O concurso Felipe não ganhou, mas com a participação no programa sua carreira deslanchou. Logo, aproveitou a oportunidade e uma semana após a aparição na TV iniciou um financiamento coletivo para lançar seu primeiro trabalho com canções inéditas: ‘Coração Disparado’.

 

Foto: Samuel Consentino / Divulgação

Primeiro disco

O trabalho traz 11 canções e fala sobre amor, mas numa perspectiva que não é convencional. Felipe considera o trabalho uma reflexão poética sobre as relações humanas. “Abordamos em Coração Partido o amor sob vários aspectos. Há músicas apaixonadas, outras pessimistas, outras otimistas, críticas, ácidas, sobre relacionamento abusivo, violência doméstica e por aí caminha”.

Com as músicas Felipe não pretende passar uma mensagem, deixa que cada um interprete a obra de acordo com sua vivência. Fala sobre o amor e canta com romance nos olhos, como dizem os amigos. Algumas das canções dedica a um grande amor. Nas músicas, Felipe expressa seu compromisso com a sonoridade brasileira. Sem se prender a um único estilo, o artista considera o trabalho com o um novo MPB. Seja como for, transita entre tango, xote, valsa, rock e samba.

O artista toma Caetano Veloso, Chico Buarque, Milton Nascimento e Elba ramalho como mestres. Se inspira e admira ainda o trabalho de intérpretes como Elis Regina, Gal Costa, Marisa Monte, Zé Ramalho e Maria Bethânia. Conta que há dez anos nunca perdeu um show deles. Foi em Bethânia que se baseou para a escolha do nome do disco. “Coração Disparado vem de um poema recitado pela cantora no show Drama Terceiro Ato. Ainda me inspirei na obra de de Adélia Prado, que tem um livro com o mesmo nome. A palavra disparo tem três significados: o disparo de arma, o disparo de acelerado, e ousado”.

 

Ousadia e performance no palco

Ousadia não faltará no show de lançamento do disco, marcado para dia 28 de junho, no Teatro do Minas Tênis Clube. Tanto na performance como na montagem do cenário. Felipe gosta de valorizar a dramaturgia do espetáculo, característica herdada nas aulas de cinema. Além disso, promete muita performance, pois considera o mais importante do espetáculo.

No show, além das músicas do disco, Felipe fará releituras de canções de grandes compositores, como Caetano Veloso, Chico Buarque, Milton Nascimento, Roberto Carlos, Gonzaguinha e Ednardo. Estão com Felipe no palco os músicos Marco Aur, André Milagres, Cláudio Kiari, João Paulo Drumond e Julian Tarragô. O projeto tem direção musical de Barral Lima e direção artística do próprio Felipe ao lado de Babaya Morais.

[O QUE] Felipe de Oliveira apresenta ‘Coração Disparado’ [QUANDO] 28 de junho, às 20h30 [ONDE] Teatro Bradesco – Rua da Bahia, 2244, Lourdes – BH [QUANTO] R$ 10

[COMPRE AQUI]

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Conheça os quatros intérpretes selecionados para o Sarau do Minas

Ivan Lins, Maria Bethânia, Sérgio Santos e Alceu Valença serão interpretados, respectivamente, pelos mineiros Lívia Itaborahy, Octávio Cardozzo, Maíra Manga e grupo Faca Amolada. Eles foram os selecionados para a segunda edição do Sarau Minas Tênis Clube. O projeto ocupará o Teatro do CCMTC nos dias 1, 2, 22 e 23 de outubro. Dessa forma, a apresentação dos […]

Leia Mais

Viver só de música em BH? Leo Moraes, d’A Autêntica, te explica como

Autêntica Por Mariana Peixoto Viver exclusivamente de música desde sempre foi o sonho de Leo Moraes. Com os pés no chão, diga-se de passagem. Aos 47 anos – 25 deles de música – ele vem conseguindo seu intento atuando em diferentes frentes. Como músico, compositor, produtor e arranjador esteve à frente de duas bandas: Gardenais […]

Leia Mais

Breve Festival encerra agosto musical de BH em grande estilo

A cena musical belo-horizontina esteve agitada neste mês de agosto. Três festivais mostraram que BH pode sim ter eventos de grande porte e a nível nacional. Se na semana passada o Sarará Sensacional chamou a atenção pelo número de público e atrações diversificadas, o Breve Festival, neste fim de semana, trouxe qualidade em produção e […]

Leia Mais

Comentários