fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Conheça Louise Glück, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura 2020

Depois da escritora polonesa Olga Tokarczuk, Glück é a 16ª mulher a ganhar o Nobel em 120 anos de premiação

Por Jaiane Souza *

09/10/2020 às 08:34 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Sigrid Estrada / AP

“Por sua inconfundível voz poética que com austera beleza torna universal a existência individual”.  Foi essa a justificativa do júri do Nobel de Literatura para premiar Louise Glück em 2020.

Aos 77 anos, além de poetisa, Glück é professora na Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Já é reconhecida como uma das poetisas mais importantes do país antes mesmo do Nobel, que chegou como uma surpresa para todos, já que ela não era uma das favoritas. 

Ainda não há nenhum livro dela traduzido no Brasil. No entanto a revista Piauí publicou, em 2018, a tradução de poemas de quatro escritoras americanas. Entre elas, Louise Glück. Confira aqui.

O G1 também publicou duas traduções por Camila Assad.  Além do Nobel, um dos prêmios mais importantes da literatura, a autora foi vencedora de outros. Entre eles, a Medalha Nacional de Humanidades, o Pulitzer, o Prêmio Nacional do Livro e o Bollingen. Todos nos Estados Unidos. 

Sendo assim, conheça um pouco mais sobre a história de Louise Glück.

Origens e relação com a literatura

Louise Glück nasceu em 22 de abril de 1943 em Nova York. É descendente de judeus húngaros que imigraram para os Estados Unidos. Desde cedo, recebeu muito incentivo na educação com foco em mitologia grega e histórias clássicas, como a de Joana d’Arc, por exemplo. Dessa forma, começou a escrever ainda menina.

Um pouco mais velha, teve sérios problemas com uma anorexia nervosa, o que a levou a passar muitos anos em terapia e reabilitação. Durante esse período, teve aulas de poesia, se inscreveu em workshops e se desenvolveu como poetisa. 

A estreia na literatura foi em 1968, quando lançou Firstborn. A coleção de poemas chamou pouca atenção da crítica. Depois disso, entrou em bloqueio criativo, que só foi curado quando passou a ensinar poesia no Goddard College, em 1971. A produção dessa época resultou na sua segunda publicação The House on Marshland, em 1975. Nesse momento, a crítica reconheceu o trabalho como inovador.

 

louise glück

Alguns dos livros de Louise Glück. Foto: Henrik Montgomery / Reuters

Características e prêmios

A produção de Glück tem fortes traços autobiográficos. Ela costuma refletir sobre o casamento, família, passagem do tempo, morte, traumas e até mesmo relações entre mãe e filha, por exemplo. Por outro lado, também é tida como clássica.

Os críticos descrevem a sua poesia como de controle e elegância. É uma escrita recheada de figuras femininas, como Penélope e Perséfone, da literatura antiga. A autora também evita recortes específicos. Só para exemplificar, em geral, ela não faz distinção de gênero nos personagens, não delimita religião ou afiliação e não insere relação política. 

Depois de um incêndio que destruiu todas as coisas de Louise Glück, ela escreveu o quarto livro, The Triumph of Achilles (1985). A crítica considera uma obra fundamental. Com ele a autora ganhou Prêmio National Book Critics Circle de poesia. Na sequência, vieram outra obras importantes, como Arat (1990), The wild Iris (1992), que ganhou o Pulitzer, Averno (2006) e Faithful and Virtuous Night (2014). Ao todo são 12 coleções.

photo

Cinco livros para ler mais autoras e autores negros 

Como em diversas outras artes, a produção literária feita por autores negros foi e ainda continua sendo invisibilizada. Entretanto, as narrativas são diversas, passando por todos os gêneros, como poesia, biografia, poesia e romance, por exemplo. Por isso, selecionamos algumas obras para que você leia e embarque nesse universo riquíssimo da produção literária feita por […]

LEIA MAIS
photo

Por que você deveria ver o documentário Axé: Canto do povo de um lugar?

“Já pintou verão, calor no coração, a festa vai começar…” Assim é a abertura de Axé: canto do povo de um lugar, documentário dirigido por Chico Kertész. A voz em off é de Ivete Sangalo cantando Baianidade Nagô, música do álbum Negra (1991) da Banda Mel. De cara, bate forte no coração dos apaixonados por […]

LEIA MAIS
photo

Roteiros Turísticos para você viajar com segurança no feriado de 12 de outubro

Com o início da flexibilização, algumas cidades de Minas estão retornando com o turismo. Neste post, separamos cinco destinos para você conhecer as belezas do estado no feriado prolongado do dia 12 de outubro, dia de Nossa Senhora da Aparecida. Tudo com segurança e seguindo protocolos contra a Covid-19. Tem opção para quem gosta de natureza, cidade […]

LEIA MAIS