fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Marcelo Veronez lança novo clipe com participação de 30 artistas

Por Carol Braga

30/07/2018 às 15:04

Publicidade - Portal UAI
Marcelo Veronez em cena do clipe de 'Nunca vi'. Crédito: Reprodução YouTube - Ceres Canedo

O cantor Marcelo Veronez escolheu a data de aniversário (30/07) para o lançamento do segundo clipe da carreira. Dessa forma, aproveita as boas vibrações para divulgar algo muito importante para a carreira. Afinal, hoje em dia, além dos singles, são os clipes que bombam!

Nunca vi, a canção escolhida, é cheia de histórias. Apesar da letra atualíssima, é uma curiosa parceria entre Marku Ribas e o escritor Paulo Coelho que data de 1976. Já o vídeo, com direção de Gustavo Ruas e Leonardo Fonseca, sintetiza algo muito marcante na carreira de Veronez: o coletivo.

“Tudo o que vier de Narciso deu um grito tem que ser muito coletivo. O disco foi construído assim: é fruto do carnaval, cheio de participações e feito por financiamento coletivo”, conta o cantor. Dessa forma, ele fez questão de participar mais do que protagonizar as cenas do clipe. Nunca vi foi gravada pela banda Iconili além de Lira Ribas, Cláudia Manzo e Ana Reis.

A escolha da canção para o segundo clipe do disco Narciso deu um grito foi dos diretores. Marcelo, inclusive, disse que procurou não interferir na escolha dos artistas que participaram. Ao todo são 30. Em sua maioria, rostos conhecidos do teatro mineiro e da música independente produzida em Belo Horizonte. Ou seja, a turma de Veronez mesmo.

Profissionalismo

O primeiro registro audiovisual do álbum foi da canção Corte Devassa, tema do bloco homônimo do carnaval de BH. “Foi gravado no carnaval, com uma câmera, mais para fazer um registro”, diz. O porte de Nunca vi foi outro. Sendo assim, a direção de fotografia e câmera é de Ceres Canedo, direção de arte e figurino de Tati Boaventura, edição e finalização: Carlos Henrique Roscoe.

As gravações foram na sede do grupo 171 e também na Gruta, reduto no Horto que há cerca de 10 anos é palco para os projetos musicais de Marcelo Veronez.

A letra de Nunca vi contém uma lúcida – e atemporal – crítica social. Em especial ao Brasil. “Nunca vi país democrata para ter tanto Rei. (Tanto Rei, tanto Rei). / Rei do Rock, Rei do Samba, Rei da bola”. Na versão audiovisual, os diretores se distanciam de símbolos clichês nacionalistas e focam em pessoas. De todos os tipos e com uma coisa em comum: são livres.

 

[youtube modulo=”2″]O49k0spS-WU[/youtube]

 

photo

Quais são as apostas do RAP para 2020? Preste atenção nestes nomes!

A todo momento novos nomes surgem na música. Seja no pop, no rock ou no funk, cada artista aparece com novas referências e experiências para apresentar ao público. Com o rap não é diferente! O estilo surgiu em meados dos anos 1970 entre as comunidades afrodescendentes dos Estados Unidos. É um dos pilares da cultura […]

LEIA MAIS
photo

O indie folk de Devendra Banhart encanta plateia de BH

É muito bonito ver um artista que está no palco para uma real troca com a plateia. É essa a sensação mais marcante depois de ver o encontro de Devendra Banhart e o público de BH. Não que ele tenha feito “o” show diferentão. Foi até bem comum, mas foi de verdade, foi generoso e, […]

LEIA MAIS
photo

A arte e a originalidade de Ara Malikian em Belo Horizonte

O violinista libanês Ara Malikian acompanhado de sete músicos. Crédito: Clarisse Antunes Por Clarisse Antunes * Ara Malikian é considerado um dos artistas mais originais e inovadores do cenário musical. Esteve em Belo Horizonte para apenas um show na noite de sábado, no Grande Teatro do Sesc Palladium. É a primeira visita que traz ao […]

LEIA MAIS