fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

CineOP: um legado para a cidade de Ouro Preto

Por Thiago Fonseca *

16/06/2018 às 11:14 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Leo Lara / Divulgação

O que de mais rico que um festival pode deixar para a cidade é o envolvimento da comunidade nas atividades e um legado de consciência cultural. Dessa forma age a CineOP. Seja como for, pela parceria na restauração do Cine Vila, na gratuidade de exibição dos filmes, na participação de escolas locais e na oferta de uma programação cultural viva e que agrega.

Foi tão lindo e alegre ver centenas de crianças ocuparem o Cine-Teatro do Centro de Convenções e o Cine Vila Rica para assistirem a Sessão Cine-Escola. Muitas delas não têm acesso constante a esse tipo de cultura. Na sessão desta sexta, dia 14, foram exibidos quatro curtas no Cine-Teatro. Os filmes são de cineastas de todo o Brasil.

‘Dourado’, do mineiro Bernardo Teixeira, foi um deles. O filme conta a história de Arthur, um garoto de seis anos que vive uma grande aventura ao se perder da mãe em um passeio no mercado central. Lá ele encontra um peixe dourado e a história se desenvolve. “É um prazer representar o filme na CineOP para crianças de escolas públicas da cidade. Um convite como esse nos anima, ainda mais em um país que é tão difícil fazer cinema”, afirma Leandro Wenceslau, produtor do curta.

“Adorei vir aqui, nunca tinha vindo. Gostei da história do menino que ganhou o peixe. Espero voltar aqui mais vezes”, diz Matheus Diniz, de sete anos, da Escola Estadual Dom Velloso. A professora do Matheus, Kátia Rocha,  disse que a iniciativa ajuda no desenvolvimento intelectual do aluno. “Sempre trabalhamos com o audiovisual nas aulas. Trazer os alunos para o cinema é ainda mais rico. Após a sessão fazemos uma roda e discutimos o filme, dessa forma, trabalhamos várias vertentes do aprendizado do aluno”, explica.

 

Foto: Beto Staino / Divulgação

Ocupação dos espaços públicos

 

Montar um cinema em meio à praça pública não é tarefa fácil. Mas o resultado conforta. Na Praça Tiradentes, em frente ao museu Museu da Inconfidência, foi montado um com capacidade para mil pessoas. É só chegar e sentar. Algumas interferências externas afetam, mas nada que tire a atenção. O frio também aperta. Mas é uma experiência diferente. Se você vier à Mostra, dê uma passada por lá.

Na sexta-feira, dia 14, foram exibidos no Cine-Praça cinco curtas-metragens. ‘Nada’, de Gabriel Martins, ‘Travessia’, de Safira Moreira, ‘La Mer’, de Louise Belmonte, ‘Filme-catástrofe’, de Gustavo Vinagre, e ‘Que Tal a Vida, Camaradas?”, de Luís Felipe Labaki. O Cine Vila Rica também é point da CineOP. Por lá, são exibidos os longas da “Mostra Preservação”. Ontem foi dia de ‘Dawson city: Tempo Congelado”, de Bill Morrison e  ‘O Demiurgo’, de Jorge Mautner.

O Centro de Artes e Convenções da UFOP também integra os espaços que recebem as atividades da Mostra. Dessa maneira, oferece ao público shows com músicos e DJ’s que trabalham em consonância com a Tropicália. O mais interessante é que as festas são ocupadas, principalmente, pelo moradores da cidade.  Mas tem gente de todo o canto do país que veio aproveitar a CineOP.

 

photo

Confiras dicas para o seu fim de semana: 26 de abril

Chegou o grande dia. Vingadores: O Ultimato estreia ocupando 80% das salas de cinema do Brasil inteiro. Alguma dúvida que é a maior abertura no cinema no ano? Eu não, mesmo estando em abril. As redes exibidoras terão uma taxa de ocupação neste fim de semana bem superior ao que estavam tendo ultimamente. Sim, você […]

LEIA MAIS
photo

O que filmes e séries ensinam sobre momentos de pandemia

“A gripe é extremamente difícil de prever. Basta uma pessoa, um hospedeiro para começar um surto, o que pode levar a uma pandemia”. A frase dita na série Pandemia, de 2019, disponível na Netflix, nunca esteve tão popular. Em tempos de Coronavírus, ela e outras produções audiovisuais podem nos ensinar muita coisa sobre como lidar […]

LEIA MAIS
photo

Pabllo Vittar mostra poder no palco e reforça título de Rainha Drag em BH

Por Thiago Fonseca* O público respondeu sim! Gritou e cantou. Pabllo Vittar certamente é o que comunidade LGBT necessitava na representatividade musical. Não é à toa que a artista estrelou música com Anitta e Major Lazer. O show, com plateia um pouco tumultuada, começou tarde. Os fãs ficaram impacientes com a espera. Anseio só terminou […]

LEIA MAIS