fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cinco pontos marcantes no atrapalhado Oscar 2017

Por Carol Braga

27/02/2017 às 11:17

Publicidade - Portal UAI
Mike Baker / ©A.M.P.A.S

Apesar da gafe histórica, cerimônia do Oscar em 2017 teve resultados contundentes e equilibrados. 

O diretor Barry Jenkins recebe de Warren Beatty o envelope correto. A festa terminou em um climão sem precedentes. Foto: Aaron Poole / ©A.M.P.A.S

E o Oscar vai para… La La Land. Não, Moonlight. Climão.

Era para ser uma homenagem a Warren Beatty. Coitado. Acabou como porta-voz da maior manota da história do Oscar ao anunciar erradamente o prêmio de melhor filme para La La Lan: cantando estações. O real vencedor foi Moonlight. O veterano deu uma empacada na hora de dizer o nome do filme mas a “partner” Faye Dunaway achou que era brincadeira e soltou o verbo.

Só depois das comemorações, já com as estatuetas na mão, que o produtor Jordon Horowitz, do então vencedor percebeu o erro. O Oscar terminou num climão geral.

https://www.youtube.com/watch?v=v3RLFhwzUgk

 

 

Ritmo de festa

O mais engraçado é que a cerimônia que terminou na maior saia justa da história começou em um clima totalmente diferente. Diferentemente dos outros anos, Justin Timberlake entrou no Dolby Theatre já cantando e colocando todo mundo para dançar. Ele estava indicado com a radiofônica Can´t stop the feeling canção da animação Trolls.

Docinhos e convidados

O apresentador Jimmy Kimmel caprichou nas gracinhas. Não bateu o recorde de simpatia de Ellen DeGeneris, mas ok, mandou bem. Distribuiu doces para a plateia e preparou uma surpresa para um grupo de turistas que visitava Hollywood. O público parece que gostou mas eu fiquei na dúvida: ele fez graça nas costas de gente simples. Acho isso delicado. No mais, foi irônico em suas intervenções e talvez quem mais colocou pedra no sapato do presidente Donald Trump.

Vitória da minoria

O Oscar que se anunciava o mais político de todos teve um resultado super contundente com todo o esforço feito para garantir a diversidade. Dar o prêmio a Moonlight é um avanço considerável. Lembrando que, grosso modo, é a história de um negro, pobre e gay. Ou seja, pura minoria. Pena que a confusão na entrega do prêmio tenha desestabilizado tanto na hora do discurso. Barry Jenkins, diretor, roteirista e diretor, nem teve chance de falar direito  tamanha confusão formada.

E tom político? Leve, bem leve.

O tom de protesto dos discursos foi bem leve perto do que se anunciava. Não houve ninguém com a coragem que Meryl Streep demonstrou no Globo de Ouro. O mexicano Gael García Bernal, de improviso, deixou sua marca. “Como mexicano, como latino-americano, como imigrante, como trabalhador, sou contra qualquer muro”, disse. Antes dele, a crítica mais contundente apareceu na cerimônia por carta. O diretor iraniano Ashgar Farhadi, vencedor do Oscar de melhor filme em língua estrangeira com O apartamento mandou o recado: “Minha ausência tem a ver com o respeito que sinto pelas pessoas de meu país e pelos cidadãos de outros seis países que foram vítimas de uma falta de respeito. Assim se divide o mundo. Os diretores de cinema criam empatia e unem”.

https://www.youtube.com/watch?v=DmpCKLNs7iA

 

 

 

photo

CineBH e MAX movimentam o setor audiovisual em BH

Esta é a décima segunda vez que Belo Horizonte recebe a Mostra de Cinema de Belo Horizonte e a terceira que acolhe a MAX Minas Gerais Audiovisual. No ano passado as duas até uniram forças e tiveram programação em conjunto. Neste ano não terão ligação direta. Entretanto, os dois eventos começarão nesta terça-feira, dia 28 e […]

LEIA MAIS
photo

‘De Repente uma Família’: história de adoção para rir e se emocionar

Por Ana C. A. Souza Não é de se estranhar que os lançamentos estão recheados de temas natalinos, de redescoberta dos valores e da magia que essa época pode proporcionar. Surfando nisso, ‘De Repente uma Família’ (Instant Family) se destaca como uma das dramédias do momento. O filme aborda a delicadeza de uma história sobre […]

LEIA MAIS
photo

Conheça os vencedores e destaques da 23ª Mostra Tiradentes

Que os ventos não andam bons para a cultura, todo sabem. Mas, além de reforçar os posicionamentos políticos, longas e curtas exibidos na 23ª da Mostra de Cinema de Tiradentes apontaram luzes no fim do túnel.  Bem, pelo menos na maior parte dos filmes vistos pela equipe do Culturadoria. Tratam de temas fundamentais para a […]

LEIA MAIS
photo

Tia Má estreia no cinema com o potente filme ‘Até o fim’

Forte concorrente ao Troféu Barroco como melhor longa da Mostra Olhos Livres segundo o Júri Jovem em Tiradentes, o longa Até o fim, de Glenda Nicácio e Ary Rosa, alcança o equilíbrio que há muitos anos desejo ver nas telas do festival. Ao mesmo tempo em que consegue “conversar” com um público mais popular, é […]

LEIA MAIS
photo

Pacarrete: providencial reflexão sobre a arte em Tiradentes

É difícil não se emocionar com a saga de Pacarrete. Se tiver um time de pessoas que se desestruturam depois de conhecer a história da mulher que defende com unhas e dentes o poder da arte, faço parte dele. Talvez por isso, o longa de estreia de Allan Deberton, exibido na Mostra de Cinema de […]

LEIA MAIS
photo

Sete anos em maio: média-metragem vai ter distribuição comercial no cinema

“Para o preto que morreu cedo demais”. A frase, que abre o filme Sete anos em maio, deixa subentendido o que está por vir: a morte precoce e a violência contra corpos negros na sociedade. É justamente sobre isso que o média-metragem trata ao relatar a vida de Rafael dos Santos Rocha.  Um dia, ao […]

LEIA MAIS