Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cinco curiosidades sobre o filme A Favorita

Filme dirigido pelo grego Yórgos Lánthimos recebeu 10 indicações ao Oscar. Destaque para as interpretações de Rachel Weiz, Emma Stone e Olivia Colman

Por Carol Braga

04/02/2019 às 12:03

Publicidade - Portal UAI
FOX FILM DO BRASIL / DIVULGAÇÃO - A FAVORITA

Cada espectador tem um modo muito particular de se deixar seduzir por um filme. No meu caso, as produções que tem qualidade de interpretação me pegam de jeito. É por isso que A Favorita ganhou muitas estrelinhas no meu ranking pessoal.

Rachel Weiz, Emma Stone e Olivia Colman – todas indicadas ao Oscar 2019 – nos brindam com um trabalho cheio de nuances. No caso delas, não tem coadjuvantes. Todas são protagonistas. E que protagonistas!

Tudo é sobre sexo. Menos sexo

A Favorita foi dirigido pelo grego Yórgos Lánthimos. Ele tem no currículo alguns longas que são estranhos ao mesmo tempo que divertidos, como O Lagosta, já disponível na Netflix. Quem conhece à fundo o trabalho dele diz que A Favorita é o filme mais ‘acessível’. Talvez por contar uma história verídica – com devidas liberdades poéticas – ou então por abordar temas universais tais como amor, sexo, poder, ambição.

Frank Underwood, protagonista de House Of Cards, se apropriou de uma frase de Oscar Wilde que, por sua vez, se adequa perfeitamente para descrever A Favorita. “Tudo é sobre sexo. Menos sexo. Sexo é sobre poder”. Em síntese: intrigas para alcançar o poder não faltam em A Favorita. Todas incluem sexo.

História real da família Real

A trama se passa no século XVIII quando a rainha Ana (Olívial Colman) comandava a Grã-Bretanha. Ela reinou entre 1702 e 1713. Isso é relativo pois, já bastante debilitada por muitas doenças, quem mandava mesmo era a amiga, Lady Sarah (Rachel Weiz), Duquesa de Marlborough.

Como está registrado na história oficial do País, a Rainha Ana vivia uma depressão fortíssima. Ela engravidou 17 vezes e nenhum filho vingou. Foi depois que marido – nem mencionado no longa de Lánthimos – morreu que ela engatou uma amizade com direitos extras com Lady Sara.  Dessa forma, era uma relação bastante intensa e cheia de interesses. Tanto que despertou a atenção da jovem e ambiciosa Abigail (Emma Stone).

 

A FAVORITA – FOTO: FOX FILM DO BRASIL / DIVULGAÇÃO

 

Distorções e Fotografia

Vários aspectos técnicos chamam a atenção no longa. Antes de comentá-los, vale lembrar um dado histórico: a luz elétrica foi inventada no século XIX. É uma informação que interfere na estética da fotografia, de Robbie Ryan também indicado ao Oscar. As cenas são muito escuras.

Ryan usou muito pouco equipamento para alcançar o clima do filme. A iluminação valoriza os contrastes da luz do dia, assim como era na época. Em resumo: a máxima do filme era usar a iluminação disponível, seja a do dia, a de velas. O diretor manteve o equipamento de iluminação de reserva em stand-by, mas usou muito pouca luz adicional.

Além disso, o claro e o escuro tem relação com os humores das personagens. O uso de lentes grande-angulares também cria distorções. Aliás, distorção é o que não falta no comportamento de quem convive com aquela corte inglesa do século XVIII.

Direção de arte e figurinos

Nem precisaria acrescentar que, por se tratar de uma história de séculos atrás, há um primor na direção de arte e figurinos. Coloque reparo no tanto que as paredes do Palácio são suntuosas assim como as louças usadas na produção.

Sobre o figurino, uma das curiosidades que constam no IMDB, é o fato de tudo ter sido construído do zero. Inclusive as perucas. Dessa maneira, o filme garantiu total fidelidade ao que era usado na época.

Ponto de vista feminino

Apesar de ser um filme dirigido por um homem, elas dominam. São todas personagens muito fortes, cada uma à sua maneira. É uma escolha do diretor contar essa trama pelo ponto de vista das mulheres. Cabe a elas as decisões políticas, não as domésticas.

Yórgos Lánthimos faz um cinema provocador. Muitas vezes distópico, mas que sempre desperta algum tipo de reflexão. O que parece interessar ao diretor grego são as misérias humanas. Tanto quando fala mais diretamente sobre amor (A Lagosta) ou sobre política (A Favorita).

 

 

Continua após a publicidade...

photo

A moral e suas dores no filme iraniano ‘O apartamento’

Nem sempre um desmoronamento é algo físico. É um sentido mais alargado do termo que o cineasta iraniano Asghar Farhadi persegue em O apartamento (2016). O longa sucede os incensados A separação (2011), que rendeu ao diretor uma indicação ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira e O passado (2013). Na primeira sequencia de […]

LEIA MAIS
photo

Momentos mais marcantes da abertura da Mostra de Cinema de Tiradentes

A Mostra de Cinema de Tiradentes começou animada. Convidados e autoridades lotaram o Cine Tenda para ver a cerimônia marcada por consistência conceitual, equilíbrio no tom político e reações acaloradas do público. Tom político  A capacidade do cinema em reagir aos fatos e o papel desempenhado pela mulher nesta arte foram os temas principais da […]

LEIA MAIS
photo

CineBH 2018 fomenta setor audiovisual e amplia diálogo com outras artes

O projeto mineiro ‘A professora francês’, do diretor Ricardo Alves Jr. e produção de Thiago Macêdo Correia, da ‘EntreFilmes’ foi o grande vencedor do 9º Brasil CineMundi – 9th International Coproduction Meeting. O evento, realizado como parte importante das atividades da Mostra CineBH é o “braço” voltado para o fomento à produção audiovisual. Durante os seis dias […]

LEIA MAIS