fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cia de Dança Palácio das Artes une humor e poesia em Nuvens de Barro

Por Carol Braga

13/10/2016 às 22:07

Publicidade - Portal UAI
Nuvens_de_Barro_-_CDPA__Paulo_Lacerda_-_FCS_3

Cena de Nuvens de Barro, novo espetáculo da Cia de Dança Palácio das Artes. Foto: Paulo Lacerda/Divulgação

Não se levar a sério sem deixar de sê-lo. Está aí um dos méritos de Nuvens de Barro, o novo espetáculo da Cia de Dança Palácio das Artes. Aliás, a mistura do humor com a crítica e a tradução de outras artes em movimento corporal tem marcado fase mais recente deste corpo artístico da Fundação Clóvis Salgado.

Primeirapessoadoplural, montagem do ano passado, com coreografia de Tuca Pinheiro, representou uma bela retomada de norte para o grupo.

Há uma “estranha” leveza (no bom sentido) nessa nova montagem, dirigida por Fernando Martins e Joaquim Elias. O ponto de partida é o universo poético de Manoel de Barros. Desta vez o elenco de 18 bailarinos se divide em dois para a ocupação da Sala Ceschiatti do Palácio das Artes. É uma mudança de paradigma para o grupo.

Ao som de passarinhos, os primeiros bailarinos surgem. Aos poucos, cabe a pergunta: eles são gente, são animais, elementos da natureza? A constante busca por significações configura o jogo entre bailarino e espectador. É divertido.

O programa diz que o ponto de partida para a montagem foi o trecho “poesia não é para compreender, mas para incorporar”. Pois, incorporações, realmente, não faltam. Mas o legal é que isso se dá por um caminho lúdico. Os bailarinos passam a impressão de que brincam de ser.

Os momentos que podemos chamar de mais contemporâneos são mais interessantes. As danças coletivas ainda revelam certo desconforto com o espaço. Vi o espetáculo  na sessão de 21h do dia 12 de outubro e saí com a impressão de que havia alguma contagem fora do compasso. Pode até ser intencional. Ficou a dúvida e torcida de que sintonia e harmonia se aproximem desses instantes coletivos.

Por último vale destacar a trilha sonora de Rodrigo Salvador. Há um forte diálogo sonoro com a trajetória da Cia de Dança, mas sem perder originalidade.

NUVENS DE BARRO
Teatro João Ceschiatti (Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro)
5ª e 6ª às 20h, sáb. e dom. às 18h e 20h. Até 16 de outubro.

 

photo

‘Sobre ratos e homens’: um clássico que não perde validade

Prepare-se para os dez minutos finais de Sobre Ratos e Homens. O espetáculo em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil pode ser considerado um clássico. Foi escrito por John Steinbeck em 1937. Para aquela época, tratou de um tema contemporâneo: o impacto que a crise de 1929 deixava na vida das pessoas. Lá se […]

LEIA MAIS
photo

Espetáculos de rua e para crianças em destaque no FIT 2018

O conceito do Festival Internacional de Teatro Palco e Rua de Belo Horizonte 2018 é Corpos-Dialetos. Ou seja, propõe um olhar sobre as diásporas africanas e a cena nordestina. Analisamos todos espetáculos de rua e os infantis escolhidos pela curadoria e fazemos aqui nossas apostas. Confira! Você pode ainda conferir as apostas entre as peças […]

LEIA MAIS
photo

Cinco curiosidades sobre GIL, novo balé do Grupo Corpo

Ao longo dos 44 anos do Grupo Corpo, o diretor artístico Paulo Pederneiras já se acostumou com a pergunta que todos os compositores convidados para a trilha sonora fazem. Então, “existe algum norte conceitual para a criação”? A resposta é sempre a mesma. “Normalmente a gente prefere ter a influência do compositor. Ele vem com […]

LEIA MAIS
photo

Já estão à venda os ingressos para o novo espetáculo do Grupo Corpo

Mesmo com décadas de carreira, toda estreia do Grupo Corpo é cercada de expectativas. Desta vez não é diferente, sobretudo porque a trilha sonora da nova montagem é uma criação de Gilberto Gil. Por isso, o balé foi singelamente – e acertadamente – batizado de apenas GIL. É desse jeito mesmo. A caixa alta ajuda […]

LEIA MAIS
photo

Banho de Sol volta ao cartaz para única apresentação em BH

É natural que cada espectador tenha uma relação particular com obras artísticas. Agora, é curioso quando há um sentimento comum de impacto. As intensidades podem variar, é claro, mas fato é que desconheço uma só pessoa que tenha saído inerte de Banho de sol, a nova peça da Cia Zula de Teatro. Por isso, repito […]

LEIA MAIS
photo

Por que Petra Costa é uma diretora para se prestar atenção?

A estreia do documentário Democracia em Vertigem na Netflix chamou a atenção para o nome de uma jovem diretora: Petra Costa. A cineasta de 36 anos tem três longas-metragens no currículo e dois curtas. Todos eles têm algo em comum. Em resumo: é um cinema que Petra procura analisar o mundo, mas sempre a partir […]

LEIA MAIS