fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cacio e Pepe Osteria ganha público com boa gastronomia e ambientação

Casa está há quatro meses na capital, também possui como atrativo jazz e open wine durante a semana

Por Gabriel Lacerda *

31/07/2019 às 13:52 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Pollo al Basilico e Pomodoro Quattro Formaggi Foto: Kellen Pavão

BH é sim a capital dos bares, mas não podemos negar que estamos muito bem servidos de bons restaurantes. Sejam de comidas japonesas, gregas, veganas, steaks, mexicanas e os tradicionais italianos, como é o caso da Cacio e Pepe Osteria.

Uma charmosa entrada localizada no número 615 chama a atenção de quem passa na rua mar de Espanha. Bem ali, subindo aqueles poucos degraus existe um dos pedaços mais charmosos da capital.

A luz posta mais baixa, a decoração em madeira, as plantas e as pinturas em profundidade se combinam para formar a decoração da Osteria. O ambiente harmoniza com o restante da identidade do restaurante, principalmente com a cozinha.

Osteria, para que ainda não sabe, é um tipo de cozinha italiana que visa servir comida simples e saborosa, e vinhos. E é seguindo esse conceito que a Cacio e Pepe está servindo, há apenas quatro meses, os belo-horizontinos.

Segundo o chef de cozinha da casa, Walter Seixas, o objetivo é levar comida da alta gastronomia com preço acessível. E um dos motivos que torna a ideia possível é o preparo das massas e molhos serem feitos no próprio lugar. O que gera uma economia de custo e reflete no preço final.

Confira outros destaques da Gastronomia no Culturadoria

Comida, jazz e open wine

Na quarta e na quinta tem open wine na osteria. No primeiro dia, a cada duas pessoas é servida uma entrada de cortesia. No segundo, os participantes do open wine não pagam o couvert para poder apreciar cada vinho ao som de jazz. O preço é de R$ 59 por pessoa.

Para iniciar a noite com uma boa pedida, escolha o polpete. São bolinhas de carne recheadas de queijo que podem ser do tipo gorgonzola, muçarela e parmesão. A entrada custa R$ 31. Outra opção é o frango envolvido no molho arrabbiata e queijo muçarela servido na panhoca e custa R$ 29. Aproveite!

Para o prato principal, a tradicional lasanha satisfaz bem. A massa é preparada com molho com linguiça, cebola roxa e bacon. Ela  custa R$ 40, serve bem uma pessoa e, dependendo, pode servir até duas.

Se você optar por massa recheada, peça o cannelloni due formaggi ala matriciana. Ele é recheado com muçarela e parmesão, acompanhada de molho de tomate, queijo pecorrino, cebola roxa e bacon (R$ 42). Para beber, escolha vinho branco (consultar opções na casa).

A parte de bebidas também é bem interessante. A variação vai desde não alcoólicos, passando por cachaça (R$ 9), whisky (R$ 16), cervejas (variam entre R$ 8 a 24), gin (R$ 18), mojito (R$ 16) e limoncello (R$ 15). Os vinhos apresentam cartela especial que deve ser consultada na casa.

 

Couvert de pães Foto: Kellen Pavão

Couvert de pães Foto: Kellen Pavão

 

Endereço:
Rua Cristina, 1445 – Santo Antonio (entrada lateral, pela Rua Mar de Espanha).
Telefone: (31) 99824-9655.
Horário de funcionamento:
Qua a Sex – 18h à 00h
Sáb 12h às 00h
Dom – 12h às 16h.
Instagram: @cacioepepebh

photo

Cinco curiosidades sobre GIL, novo balé do Grupo Corpo

Ao longo dos 44 anos do Grupo Corpo, o diretor artístico Paulo Pederneiras já se acostumou com a pergunta que todos os compositores convidados para a trilha sonora fazem. Então, “existe algum norte conceitual para a criação”? A resposta é sempre a mesma. “Normalmente a gente prefere ter a influência do compositor. Ele vem com […]

LEIA MAIS
photo

Por que Petra Costa é uma diretora para se prestar atenção?

A estreia do documentário Democracia em Vertigem na Netflix chamou a atenção para o nome de uma jovem diretora: Petra Costa. A cineasta de 36 anos tem três longas-metragens no currículo e dois curtas. Todos eles têm algo em comum. Em resumo: é um cinema que Petra procura analisar o mundo, mas sempre a partir […]

LEIA MAIS
photo

Treinamento cênico para artistas, o Rampa, tem mostra final em BH

Um treinamento cênico para artistas da música com a ideia de incorporar dramaturgia em suas apresentações. Este é um dos objetivos do projeto Rampa, idealizado pelo artista mineiro Marcelo Veronez. Quem já foi a um show dele, consegue ter ideia do que isso significa. Além do amadurecimento como cantor, chama atenção a presença no palco, […]

LEIA MAIS