Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

O funk ocupa o palco do Palácio das Artes

Gostou? Compartilhe!

Lá da Favelinha estreia o espetáculo de funk “Brinco de Ouro” no Palácio das Artes, em 31 de outubro

Por Helena Tomaz | Assistente de Conteúdo

Quem acompanha de perto a cena cultural belo-horizontina certamente já ouviu falar do Lá da Favelinha. Fundado em 2015 pelo artista Kdu dos Anjos, o centro cultural fica localizado na Vila Novo São Lucas e  atende os moradores do Aglomerado da Serra. Ao longo dos seis anos de existência, a iniciativa se ampliou e ganhou novas frentes. É o caso do Favelinha Dance, núcleo dedicado à dança. 

Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira
Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira

No dia 31 de outubro, o Lá da Favelinha dá mais um importante passo para a própria história e para a cultura da cidade, como destaca Kdu em entrevista ao Culturadoria. Isso porque, na data, o Favelinha Dance sobe ao palco do Palácio das Artes, no coração da cidade, para apresentar o primeiro espetáculo de funk no icônico espaço. 

No bate-papo, Kdu explica, ainda, a história por trás do nome do espetáculo, que remete aos brincos usados por pessoas escravizadas líderes da capoeira em Minas Gerais. Dessa forma, o espetáculo também se propõe a traçar um paralelo entre as lutas periféricas da época e as atuais, evocando símbolos de poder e subversão. Confira, a seguir, a entrevista completa de Kdu dos Anjos ao Culturadoria:

Antes de falarmos propriamente sobre o espetáculo, queria que explicasse como funciona o Lá da Favelinha hoje em dia, já que o “Brinco de Ouro” é fruto do Favelinha Dance, certo? 

Hoje em dia, o Centro Cultural Lá da Favelinha continua com as oficinas semanais [que já eram ofertadas]. Esse ano, a gente está com algumas novidades incríveis: uma oficina de Libras e uma oficina de danças urbanas, para além do que a gente já fazia (a capoeira, o rap, o funk, o pré-Enem, bordado, teatro e por aí vai). 

Especificamente as oficinas de Libras, de danças do funk e a de danças urbanas são frutos do Pontos de Cultura [programa governamental de incentivo à cultura]. A gente propôs para o Pontos de Cultura uma incubadora de funk, que é o “Por Trás do Bailão”. De contrapartida a esse projeto maravilhoso, a gente tinha que entregar só um vídeo, fruto desse ensaio, já que os dançarinos passam a ter uma bolsa (que é quase uma ajuda de custo mesmo) para garantir que venham ensaiar – e não só quando tem um show ou um espetáculo, que o cachê já paga. A gente ia apresentar o [vídeo como] fruto desses ensaios, mas, megalomaníacos que somos (risos), a gente montou um espetáculo, que é o Brinco de Ouro!

_
Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira
Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira

Em uma dessas, o nosso diretor artístico maravilhoso, que é o Léo Garcia – que fez parte do balé tradicional do Palácio das Artes – fala: “Poxa, a gente podia estrear um espetáculo de funk no Palácio das Artes”. Eu gostei da ideia, fiz umas três ou quatro ligações e conseguimos uma data lá, para fazer essa estreia. 

É uma estreia que vejo como um marco na história da cidade, da história da cultura do funk brasileira. Acho que é levar para um patamar que, querendo ou não, mesmo o palácio sendo super parceiro e abrindo as portas para nós, ainda é um palco ‘inalcançável’ para a periferia. Quase elitista. E a gente vai entrar com o nosso funk. 

A classificação etária é 14 anos, assim, menor de 14 anos só entra acompanhado dos pais, mas a gente traz o funk original da favela. Não vai ter cena de violência, não vai ter cena de sexo explícito, a censura pegou ali, nos 14 anos. 

Você já trabalhava com o Léo? 

Já. O Léo Garcia é um bailarino incrível que, além do jazz, do ballet, do contemporâneo, é um grande influente das danças de raízes africanas, danças de terreiro mesmo. Ele é um cara que pesquisa muito e que trabalha com o funk. Foi um dos caras que, no próprio Rio de Janeiro, que é o berço do funk, conseguiu fazer algumas estruturas coreográficas, de coreografar passinho, de coreografar outras danças que existem dentro do funk. Ele trabalha nas duas principais companhias/incubadoras de funk do Brasil, que são o Heavy Baile e o Studio Funk.

Então, ele deu muitas aulas para a gente durante a pandemia, mas mesmo antes disso ele já era parceiro, dançou em uma noite de gala na qual a gente arrecadou dinheiro para ir para a Europa em 2019. Sempre trabalhou muito com a gente. 

E é importante falar desta direção coreográfica – porque todo mundo cria coreografia aqui no grupo – porque o grupo é formado por seis bailarinos incríveis e cada um traz uma referência de dança das suas raízes, das suas origens, cada um é diferente nesse aspecto. Então, era aquela coisa: “Muito cacique para pouco indígena!”. Assim, ele vem com uma liderança muito importante e conquistou um respeito muito grande por parte do grupo. Está bem interessante esse trabalho com o Léo Garcia.  

Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira
Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira
Como foi o processo criativo de pensar um espetáculo de funk para o palco, para o teatro? Porque, de certa forma, é uma transposição, não é? Como foi pensar isso em equipe?

Essa pergunta é muito interessante, porque, de fato, nós estávamos acostumados a fazer showcases, shows-apresentações, para eventos corporativos, festas de 15 anos, formaturas. E é completamente diferente nos apresentarmos em um baile de formatura e apresentarmos em um palco – no caso, já estreando no do Palácio das Artes. 

A pesquisa começa a partir de a gente querer contar a história do funk. Depois a gente cai na real de que estamos dentro das montanhas, e aqui já tem a identidade do funk mineiro. Inicialmente, o espetáculo ia se chamar “BH é Nóis”, até que, nessa pesquisa, tentando entender a origem do funk, a gente entende que ele é quase um primo do samba, e que o funk também traz muito da malandragem, da rua.

Aí a gente foi beber na fonte da capoeira e do escravagismo no Brasil e descobre, através de um capoeirista aqui, da Favelinha, que a capoeira era proibida. Eles [capoeiristas escravizados do passado] começaram a se encontrar ‘na calada’. Os mais respeitados, principalmente em Ouro Preto, usavam uma argolinha de ouro [na orelha] para mostrar subversão, valentia. E a gente falou “Cara, isso é muito legal!”.

Em nenhum momento do espetáculo a gente usa objetos de ouro. É como se o corpo de baile, os dançarinos e os DJs fossem os brincos de ouro. Eles são essa representatividade da subversão, do não querer estar dentro de toda a exploração, que acontece não apenas com o minério de Minas Gerais, mas com as periferias. A gente se sente explorado. E assim nasce o nome “Brinco de Ouro”. 

Então vocês já começaram o espetáculo pensando que ele seria para o palco do Palácio das Artes?

Não! A gente cria a cenografia e todos os elementos pensando em todos os palcos possíveis, inclusive na rua. Quando vem a oportunidade de fazer no Palácio das Artes, a gente dá essa ênfase em pensar, por exemplo, em uma luz tratada, digna de Palácio das Artes. A gente começa a pensar em elementos do próprio corpo: como coloquei antes, dançar em uma festa de formatura é uma coisa, dançar naquele palco é outra. Assim, o “Brinco de Ouro” é um espetáculo adaptável, ou seja, dá para fazer em teatro de bolso, na rua, em baile… Onde a gente for chamado!

Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira
Brinco de Ouro. Foto: Ester Teixeira
Então, os planos são de continuar com o espetáculo em repertório?

Sim, continuar com o espetáculo! Inclusive, já vamos receber alguns olheiros do universo das danças – inclusive internacionais. Já tem papo de [apresentar) em 2024 na Europa, nos Estados Unidos… Mas vamos esperar a estreia primeiro, né?! 

Você já falou um pouco sobre isso, mas o que significa, para você – pessoalmente e como gestor de todo esse projeto – se apresentar nesse espaço tão significativo para a cidade? 

Acho que ter um espetáculo de funk no Palácio das Artes ultrapassa várias camadas sociais. No Lá da Favelinha, nós somos muito ligados à arquitetura, e o Palácio tem o projeto original de Oscar Niemeyer. (Nós ganhamos prêmios de arquitetura com a Favelinha, com a minha casa*). 

Agora, vamos nos apresentar com o devido respeito que aquele espaço merece. Eu acho que aquele palco, aquele teatro, é uma entidade. Os maiores e melhores passaram por ali. Então, a gente entra com muito respeito, sabendo do tamanho da responsabilidade que é estar ali, mas, acima de tudo, com muito orgulho de ter conseguido colocar um espetáculo de funk em uma das casas da cultura de Minas Gerais, do Brasil e talvez até do mundo. 

É muito orgulho, muito trabalho e muita dedicação. Nós estamos frenéticos nesses últimos dias. É um nascimento, é um bebê que está vindo para o mundo e que vai crescer, ficar bem forte, bonito, saudável, inteligente e valente! [Risos]. 

Por fim, o que quem for conferir o espetáculo vai encontrar?

É interessante as pessoas irem com a mente bem aberta. Coração, olhos e sentidos bem apurados. É um espetáculo interativo, emocionante.

Então, as pessoas podem ir preparadas para se emocionar bastante. E é muito subversivo, isso: pensar no funk, que tem todas essas mazelas, de violência urbana, e fazer algo que pretende emocionar as famílias. E não só as famílias dos bailarinos, mas todo mundo que for, vai conhecer esses bailarinos por trás das cortinas. 

Tem muito amor, tem muita sarração, tem muita polêmica também. A gente traz alguns símbolos religiosos, passando de Jesus a Exu. As pessoas podem ir com coração e mente abertos, porque vão ser muitas emoções. 

* Conhecida como Casa no Pomar do Cafezal, a residência de Kdu dos Anjos, projetada pelo arquiteto Fernando Maculan, foi a vencedora na categoria Casa do Ano pelo projeto ArchDaily, de amplitude internacional, além de ter sido um dos vencedores do 8º Premio de Arquitetura do Instituto Tomie Ohtake, por exemplo.

Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!

[ RECOMENDADOS ]