fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Breve Festival encerra agosto musical de BH em grande estilo

Por Thiago Fonseca *

27/08/2018 às 12:51 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Phillipe Guimarães / Divulgação

A cena musical belo-horizontina esteve agitada neste mês de agosto. Três festivais mostraram que BH pode sim ter eventos de grande porte e a nível nacional. Se na semana passada o Sarará Sensacional chamou a atenção pelo número de público e atrações diversificadas, o Breve Festival, neste fim de semana, trouxe qualidade em produção e ecletismo na programação. Um evento que mostrou que o essencial agora é oferecer uma experiência mais ampla ao público e não mais apenas entretenimento.

Se no ano passado, em sua primeira edição, o Breve Festival despontou como um evento música alternativa, esse ano reafirmou o ideal e trouxe a BH diferentes nomes da música contemporânea brasileira. Uma mescla de ritmos que nos dias de hoje faz sentido. Dessa forma, produzir festivais é uma onda que veio para ficar. A tendência é reunir diversos artistas em um só lugar para atrair mais pessoas, e consecutivamente, lucrar. Deixar os eventos mais modernos e ‘gourmetizados’ também faz parte da nova vibe.

Mudanças

O Breve Festival investiu em uma programação para agradar gregos e troianos. De Pabllo Vittar a Caetano Veloso. Ainda nomes da música mineira como por exemplo, Julia Branco e Young Lights. Vinte e cinco atrações se revezaram entre dois palcos em dois dias de evento. Diferente de 2017, a organização do Breve decidiu que este ano o evento seria em dois dias. A escolha, segundo os organizadores, foi para deixar mais acessível e atingir mais pessoas.

De lá para cá, muita coisa mudou. O Breve quer ser referência nacional. Melhorou na produção, na ambientação, na estrutura e no set list. Dessa forma, proporcionou ao público experiências únicas. Entretanto, os debates sobre a música, presentes na última edição, não rolaram em 2018. Apenas BaianaSystem e a banda mineira Young Lights estiveram novamente no set list do evento.

Representatividade negra

O sábado, dia 25, foi marcado pelo encontro de Iza com Pabllo Vittar. As cantoras despontaram no cenário musical há pouco tempo e já são sucesso. Esta foi a terceira vez que Iza esteve na capital mineira. Foi a nona apresentação do primeiro dia de festival. Dessa forma, trouxe uma apresentação marcada pela representatividade negra. Seja como for, na letra das canções, com músicos e dançarinos negros, e show em tributo a artistas negros.

Iza é poderosa. Mostra sua força e voz potente no palco cercada de bailarinos e um back vocal de arrepiar. Cantou seus hits ‘Ginga’, ‘Esse brilho é meu’, ‘Pesadão e outros. A cantora agradeceu a recepção do público. Disse que estava machucada, com o joelho torcido, mas mesmo assim, fez questão de vir a BH. O show da cantora ainda foi marcado por tributo a personalidades negras, como por exemplo, Aretha Franklin, Alcione e Martin Luther King.

 

Caetano Veloso e os filhos Moreno, Tom e Zeca se apresentaram no último dia do festival – Foto: Enan Correia / Divulgação

 

Encontro memorável

Logo depois foi a vez de Pabllo Vittar subir ao palco do festival. Foi ovacionada. A drag é querida em BH, principalmente pelo público LGBT+. Já perdeu as contas de quantas vezes esteve na cidade, mas dessa vez, apresentou um show com melhor qualidade técnica e estética. Esteva rodeada de bailarinos, e uma delas que estava grávida chamou atenção pela performance. O show que Pabllo trouxe ao evento não foi tão longo. Alguns sucessos da cantora ficaram de fora do set list. Mas não deixou a desejar nem um pouco.

Ao som de ‘Indestrutível’ Pabllo levantou a bandeira LGBT+ e emocionou o público. No meio da plateia quem chamou atenção da drag foi a cantora Iza e seus dançarinos. Logo todos subiram ao palco e dançaram juntos ‘Open Bar’. A música foi uma das primeiras da artista e é uma versão brasileira de ‘Lean On’, de Major Lazer. Rolou ainda disputa de passinho entre os dançarinos das cantoras. Um encontro jamais visto.

 

Continua após a publicidade...

 

Caetano e filhos

No domingo, dia 26, quem roubou a cena foi o Caetano Veloso e os filhos. Mesmo com mais de uma hora de atraso o show foi o mais aguardado pelos fãs. Uma apresentação mais serena que deu uma quebrada no clima agitado do evento. Em suma, Caetano Veloso e os filhos Zeca, Tom e Moreno trouxeram para o Breve show do disco ‘Ofertório’. Segundo Caetano, a parceria com os filhos é de longa data. Aos nove anos Moreno e o pai fizeram a primeira música juntos. Desde então a parceria com os filhos só aflorou.

O talento pela música corre na veia da família de Caetano. É bonito de ver a versatilidade musical Zeca, Tom e Moreno. Enquanto Moreno faz som com diversos materiais, como por exemplo, folha de papel e prato de comer, Tom canta e reveza entre o teclado e outros instrumentos. O show é bonito e sereno. O público respondeu bem. Não é à toa que Caetano afirmou que os belo-horizontinos formam o melhor público do Brasil. Manifestações políticas também marcaram apresentação. ‘Lula livre’ foi gritado pelo público e Caetano logo respondeu com um ‘L’ feito com o dedo indicador e o polegar.

A medida que as canções eram interpretadas Caetano explicava o processo de criação delas. ‘Ofertório’, por exemplo, que dá nome ao disco, foi composta em homenagem a Zeca, Tom e a mãe de Caetano que são católicos. Tom e Caetano ainda arriscaram uns passos de dança no palco e o público foi à loucura. Um show bonito e emocionante. Esta foi a segunda vez que Caetano e filhos estiveram em BH. Da última vez o show foi no Palácio das Artes, em uma pegada mais intimista.

Pluralidade

Se apresentaram ainda no Breve Young Lights, Zeu, Djonga, Ed, Carne Doce, Julie & Gent, Mano Brown, Dede SantaKlaus, Disputa Nervosa, Devise, Tropkillaz, Naroca, Teach Me Tiger, JP, Dônica, Julia Branco, Luedji Luna, Rincon Sapiência, Loquaz, Daparte e, por fim, BaianaSystem. O evento este ano ainda inovou com a criação de uma linha de roupas e acessórios exclusivos de Festival. Ainda teve feira com produtores locais e diversas opções gastronômicas.

 

Continua após a publicidade...

photo

Confira as dicas para o seu fim de semana: 01 de fevereiro

O público de BH é tão fiel que vira e mexe, as bandas retornam à cidade com seus projetos. Este fim de semana, por exemplo, Nasi e cia voltam com o show acústico/folk do Ira!.  Além disso, na música também tem Palco Hip Hop, que sempre surpreende com a mistura de música e danças urbanas. […]

LEIA MAIS
photo

Maria Bethânia e Devendra Banhart tem shows confirmados em BH

Maria Bethânia vai trocar de palco em Belo Horizonte. Ela, que tradicionalmente se apresenta no Palácio das Artes, leva ao BH Hall (Antigo Chevrolet Hall) o show do disco Agradecer e abraçar. Ela já esteve por aqui com este espetáculo, em maio de 2015. Os ingressos estão à venda no site da Tickets for Fun. […]

LEIA MAIS
photo

[PONTO DE ESCUTA] ‘Djalma não entende de política’ ignora crise e renova irreverência

Hard-samba progressivo pós-wagneriano. Oi? É assim que Djalma não entende de política, banda formada por André Albernaz, Carlos Bolívia, Carol Abreu, Drica Mitre, Fernando Feijão e Terêncio de Olveira se apresenta. É para entender? Claro que não. Irreverência é a marca do coletivo que desde 2011 se reúne para fazer música na vibe do sem […]

LEIA MAIS