26 jan 2018

“Baixo Centro”: Uma melancólica declaração de amor à BH

A solidão em meio à multidão, a dificuldade de conquistar os espaços, a necessidade de ocupá-los e a busca pelo sentimento de pertencimento são temas que poderiam ser trabalhados em qualquer grande centro urbano.

Apesar de possuir sua universalidade, Baixo Centro é um filme que definitivamente dialoga mais intensamente com os belo-horizontinos. Ao escolher a cidade como cenário, os diretores Ewerton Belico e Samuel Marotta se aproveitaram de um momento ímpar na história da capital mineira.

Nos últimos anos, diversos grupos sociais tem ocupado a cidade e reivindicado os espaços urbanos. O que tem transformando o cenário e deixado a cidade mais com a cara de seu povo.

O filme

Quem embarcar nessa experiência esperando imagens institucionais dos pontos turísticos da cidade deve se decepcionar. Ao invés do conjunto arquitetônico da Pampulha, temos aqui a praça Raul Soares, o viaduto Santa Tereza e a Avenida Augusto de Lima durante a madrugada.

Os registros noturnos possuem um propósito específico. Lançar um olhar aos indivíduos marginalizados dos centros urbanos. O bêbado que invade o show durante o duelo dos Mc’s, ou o morador de rua que fala consigo mesmo.

Baixo Centro é um filme sobre pessoas perdidas, que tentam desesperadamente se encontrar. Mais uma vez não temos uma dramaturgia convencional. O filme faz várias experimentações de linguagem. Há uma belíssima sequência que retrata a aproximação de um casal no viaduto Santa Tereza, feita exclusivamente com fotografias. Uma referência ao desejo humano de eternizar os momentos.

Em vez de narrar trajetórias de personagens, Baixo Centro apenas apresenta recortes, fragmentos. Isso se reflete fortemente no texto. Os diálogos são substituídos por monólogos e desabafos carregados de sentimentos. O engajamento do público depende fortemente da identificação com tais experiências.

No debate realizado após a exibição, os diretores Ewerton Belico e Samuel Marotta afirmaram que a intenção era, de fato, transformar Belo Horizonte em um personagem. “É sobre o fracasso da utopia da cidade como um espaço integrador. Mas também sobre como essa utopia se entranha na vida das pessoas, e se mantém viva com a experiência concreta”, explicou Ewerton.

Um dos destaques do filme – que se enquadra no gênero ficção – é o elenco. Alexandre da Sena, Cris Moreira, Marcelo Souza, Bárbara Colen e Renan Rovida demonstraram compreender bem a visão dos diretores e entregaram performances naturalistas impressionantes.

A transformação de Belo Horiznte em cenário para uma série de encontros e desencontros é fascinante. A poesia visual criada pela dupla de diretores é eficiente o bastante para fazer até mesmo um belo-horizontino afastado há apenas uma semana, para cobrir uma mostra de cinema, sentir saudades de casa.

*Viajou a Convite da Mostra de Cinema de Tiradentes

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Bastidores do impeachment: ‘O processo’ e a função de documentar a história

É difícil não se deixar envolver com o documentário O processo, de Maria Augusta Ramos. Seja como for, isso independe de seu posicionamento político. É um filme cansativo, denso e tenso. Se você for de esquerda, ou tiver tendências, vai se incomodar mais. Muito mais. Dá arrepio rever políticos, eleitos, justificando seus votos em nome da […]

Leia Mais

BH recebe Mostra de Diretoras Negras no Cinema Brasileiro

Um levantamento da Agência Nacional do Cinema (Ancine) apontou que nenhum filme foi dirigido ou roteirizado por uma mulher negra no ano de 2016. A pesquisa teve como base 142 longas-metragens brasileiros lançados comercialmente em salas de exibição. Deste modo, com o objetivo de incentivar a produção cinematográfica de diretoras negras a ‘Mostra de Diretoras […]

Leia Mais

‘Ex-Pajé’: um retrato poético, triste e urgente sobre a erosão da cultura indígena

  Perpera, o ex-pajé, caminha no meio da floresta. Calça preta, gravata da mesma cor. Frouxa. A camisa branca parece ter dois números a mais. O senhor, com pouco domínio do português, também vai ao supermercado. No corredor de frios, precisamente, esmagado entre infinitas marcas de margarina. Mais uma vez, surge a sensação de inadequação […]

Leia Mais

Comentários