A exposição “Arte Favela - Memórias Urbanas” está em exibição até o dia 28 Abril no Museu Inimá de Paula - Foto: Alexandre Tavera / Divulgação.
04 abr 2018

Exposição de grafite retrata memórias urbanas sobre BH

Quem passa pelas ruas da cidade e se encanta pelos grafites espalhados por aí agora pode conferir a arte exposta dentro de uma galeria. A exposição “Arte Favela – Memórias Urbanas” está em exibição até o dia 28 Abril no Museu Inimá de Paula. Ao todo estão expostas 35 telas feitas por artistas convidados do projeto.

As obras são de Ataide Miranda, ED-Mun, Gud Assis, Hely Costa, John Viana, Nilo Zack e Scalabrini Kaos. Eles utilizam diversas técnicas e valorizam as próprias memórias.

Segundo Hely Costa, coordenador do Projeto Arte e Favela, a mostra tem como objetivo valorizar um polo artístico. Além disso, também contribui para o fortalecimento da identidade cultural de artistas urbanos da cidade. “Pegamos um pouco do trabalho dos artistas de rua e levamos para dentro do museu”.

A exposição apresenta o grafite no contexto das artes visuais. Desta forma, não apenas reconhece a rua como espaço natural mas também cria outras formas para ampliar as possibilidades técnicas, expressão criativa e difusão cultural.

 

A exposição “Arte Favela – Memórias Urbanas” está em exibição até o dia 28 Abril no Museu Inimá de Paula. Foto: Alexandre Tavera / Divulgação.

OUTRO OLHAR PARA O GRAFFITI

“Dentro do museu as pessoas estão tendo outro olhar. Veem a parte artística do grafite e suas manifestações. Às vezes, na rua, elas passam despercebidas mas dentro de uma galeria podem observar com mais detalhes. Além de tratar a arte de maneira diferenciada e não como atos de vandalismo e depredação ao patrimônio público”, pontua Hely.

Além disso, a mostra também propõe criar um ambiente de discussão quanto ao aspecto da particularidade da criação local. As obras enfatizam a visão pessoal dos participantes na interpretação da realidade e também a emoção como um fator a ser alcançado. As artes não são só concebidas numa perspectiva de livre expressão.

VIVA FAVELA

A Exposição dá continuidade ao projeto Arte Favela, realizado desde 2003, na Vila Presidente Vargas, bairro Goiânia, região nordeste de BH. Ele surgiu em um momento em que a comunidade enfrentava um aumento na violência e conflitos envolvendo adolescentes na criminalidade. Desta maneira, o grafite contribuiu para a mudança da realidade do local, já que se trata de uma linguagem artística de interesse dos jovens.

Hely Costa acredita que o grafite é uma arte que tem um valor social. Além disso, tem enorme valor artístico e deve ser praticada pelos jovens. “Além de ser uma arte o grafite tem o cunho social de educar. Trabalhar o graffiti com jovens traz muitos benefícios, além de ser algo com que a juventude gosta e quer participar”.

 

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

#BH121: Cinco dicas para explorar o aniversário da cidade

Nesta quarta-feira, dia 12, Belo Horizonte completa 121 anos. Diferente do ano passado, a programação de aniversário deste ano está enxuta. Entretanto, há algumas opções bem legais. Separamos cinco atrações para você curtir.   Show de Maurício Tizumba Tizumba é uma figura respeitada e conhecida na capital. Nesta quarta, dia 12, às 20h, fará show […]

Leia Mais

Programe-se: conheça as atrações de dez bares e boates para o Réveillon

Tem quem acredite que a energia da virada do ano dite como será o que está por vir. Quem tem fé nesse dito popular não deixa de celebrar o réveillon em grande estilo. A partir de hoje vamos publicar uma série de matérias com dicas de locais para a comemorar a chegada de 2019. Começamos […]

Leia Mais

Gastronomia Boêmia: um roteiro para explorar a Guaicurus

 Por Gabriel Lacerda e Thiago Fonseca  Ivonilda Silva não revela idade e é de pouca fala. Ainda está tímida e receosa com as visitas curiosas. Chegou à ‘Pensão Mineira’, na Rua Guaicurus, em BH, há poucos dias e ainda tenta pegar o “jeito do serviço”. Quem conhece a fama da região deve pensar que Ivonilda […]

Leia Mais

Comentários