fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

‘Arábia’: o cinema sensível e político na tela da Mostra de Cinema de Tiradentes

Por Carol Braga

21/01/2018 às 13:12

Publicidade - Portal UAI
Sessão de Arábia. Crédito: Jackson Romanelli/Divulgação

Não é todo filme que consegue gerar empatia. Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans alcança esse feito. Faz mais. É político, contundente com o nosso tempo, tem leveza e humor.

 

Faz muito sentido o longa estar na programação da Mostra de Cinema de Tiradentes. Não apenas pela temática, já que é um total Chamado Realista, mas principalmente pela trajetória dos criadores.

 

Um dos sonhos de ouro de curadores e festivais é fazer as apostas certas.  Sabe aquela coisa de descobridores de talento? De revelar nomes da nova geração. Uchoa é cria de Tiradentes. Todos os filmes dele passaram pelo evento com o marco de ter conquistado em 2014 o cobiçado prêmio da Mostra Aurora.

 

Arábia não chegou aqui inédito. Veio depois de exibições no cultuado Festival de Roterdã, na Holanda, e dos prêmios do Festival de Brasília. Ou seja, bingo!

 

O FILME

 

Affonso Uchoa afirma que fez um épico. Dizer que Arábia é um road movie mineiro também faz sentido. Um olhar mais humorado sobre o filme o denomina “Forest Gump” de Minas. O roteiro acompanha a trajetória de Cristiano (Aristides de Sousa), um morador de Contagem que depois de passar um tempo na prisão, parte em odisseia por vários cantos do estado.

 

Cristiano cai na estrada, vai catar mexerica na roça, marretar em uma pedreira, fabricar tecidos, carregar de tudo um pouco e até operar fornos industriais. O trabalho é o que define a vida dele. Toda a narrativa parte da história que o protagonista registra em um caderno. Apesar de uma condição de sobrevivência muito rude, a forma como Cristiano olha para própria existência revela um homem sensível.

 

Debate do filme Arábia na Mostra de Cinema de Tiradentes. Crédito: Beto Staino/Divulgação

 

ENCENAÇÃO

 

A maior parte de Arábia é com voz em off. Há momentos de encenação. Geram estranhamento. Em alguns momentos até o off me soou estranho. Distante. Frio.

 

Segundo Affonso Uchoa, tal como o distanciamento proposto por Brecht no teatro, tudo foi proposital. Inclusive, foi totalmente consciente a mistura do elenco de atores com experiências esporádicas no cinema e nomes da cena teatral de BH Glaucia Vandeveld, Renata Cabral, Janaína Morse, Robson Abreu e outros.

 

DEBATE

 

O bacana do Festival de Tiradentes é a oportunidade de ouvir os criadores. Se a sensibilidade de Cristiano foi o que mais me chamou atenção, a questão não foi relevante na hora em quem mais de 100 pessoas se reuniram para debater Arábia. Falou-se sobre procedimentos narrativos, imitação da realidade, ficção e documentário. Ah sobre os bastidores também.

 

João Dumans contou que o objetivo era pensar uma história que tivesse um arco grande. Para Affonso Uchoa, o filme se relaciona com a história do Brasil. De maneira mais direta, sobre a situação do trabalhador. É de fato uma rotina que vai engolindo até chegar um momento em que o sujeito pensa “na ausência total de sentido em sua figura social”.

 

Continua após a publicidade...

 

Debate do filme Arábia na Mostra de Cinema de Tiradentes. Crédito: Beto Staino/Divulgação

AUTENTICIDADE

 

O mediador da mesa, Francis Vogner dos Reis destacou o quanto Arábia é diferente de A Vizinhança do Tigre (2014). “Isso mostra que é sempre um tiro n’água tentar definir os filmes pelo estilo dos atores. Isso nos serve em alguma medida mas obviamente não serve para todas as carreiras dos diretores”, destacou.

 

Para João e Affonso a autenticidade de Arábia deveria vir da força da relação com o espectador. Atingir essa meta, não necessariamente significava recriar a realidade. “O cinema, como forma de arte, nos forneceu recursos formais que nos servem para ver o mundo e dizer sobre ele. Por que ficar restrito e fazer relações tão identitárias entre as coisas?”, perguntou Uchoa.

 

Deixar claro que alguns momentos são mesmo encenados, portanto, foram escolhas. “Estávamos cansados do registro muito baseado na eficiência. O ator ser eficiente é imitar perfeitamente. Chega uma hora que você não aguenta mais a farsa”, completou João. Eles queriam despertar a sensibilidade do espectador por outros lados.

 

PROCEDIMENTOS

 

Arábia foi feito em três anos. As filmagens se dividiram em 2014, 2015 e 2016. Além do roteiro propriamente dito, o off foi algo que demandou atenção especial. Tudo tinha cerca de 210 páginas, o que é fora dos padrões. “Dessas, tipo 150 era de off”, detalhou Affonso.

 

Além disso, no momento do set mudavam muita coisa, acrescentavam falas. “O texto foi nascendo de todos esses processos”, contou. A medida em que o diretor contava sobre os bastidores, a expressão do ator Aristides de Sousa mudava. Não deve ter sido uma empreitada fácil.

 

Aristides de Sousa, o intérprete de Cristiano, também fez parte de A vizinhança do Tigre. Ele diz se sentir representado pelo longa. “Vejo semelhanças como se pudesse ser minha vida”. Juninho, como é chamado pela equipe, diz encontrar novos significados no filme a cada projeção.

 

Da experiência com Affonso, aprendeu muitas coisas. Entre elas, que cinema é uma arte coletiva. “Se um acerta, todos ganham.  Se uma erra, todos perdem”. Mesmo que a repercussão do filme não seja unânime, pelo visto, até agora, Affonso Uchoa e companhia segue ganhando.

 

*A repórter viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes

 

Continua após a publicidade...

photo

Lista completa dos indicados ao Globo de Ouro 2019

O Globo de Ouro 2019 será entregue no dia 06 de janeiro. Confira a lista completa dos indicados:   CINEMA Melhor filme – Drama “Infiltrado na Klan” “Pantera Negra” “Bohemian Rhapsody” “If Beale Street Could Talk” “Nasce uma estrela” Melhor Filme – Musical ou Comédia “Podres de ricos” “A Favorita” “Green Book: O Guia” “O […]

LEIA MAIS
photo

‘Eu, Daniel Blake’: um retrato do mundo que deu errado

Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes o filme Eu, Daniel Blake me deixou profundamente incomodada ao longo dos 100 minutos de projeção. Não porque seja ruim. É o contrário. O filme é muito muito bom. O diretor Ken Loach joga tanta verdade naquela tela que é inevitável não sentir alguma coisa. Arte […]

LEIA MAIS
photo

Cineop: Célia Xakriabá em defesa do cinema indígena

“Não estamos lutando para manusear a câmera mas também para questionar os métodos existentes”. Essa é  apenas uma das importantes ideias que Célia Xakriabá defendeu durante a Cineop. Em 2019, a temática central da Mostra de Cinema de Ouro Preto é território. Sendo assim, em especial, são promovidas diversas mesas que discutem, por exemplo, tanto […]

LEIA MAIS
photo

Cineop: tom de resistência marca homenagem a Edgard Navarro

“Um pódio absoluto”. Essa foi uma das maneiras que o cineasta baiano Edgard Navarro definiu a homenagem recebida durante a abertura a Cineop. A Mostra de Cinema de Ouro Preto vai até segunda. Aos 70 anos de idade, dedicou mais 50 anos dedicados a uma questionadora produção audiovisual. O diretor recebeu o troféu Vila Rica […]

LEIA MAIS
photo

Grupo Galpão lança HQ e exposição da peça Os Gigantes da Montanha

Qual o papel da arte e da poesia neste mundo em que vivemos? Foi a partir desta indagação que os atores do Grupo Galpão, o artista plástico multimídia Carlos Avelino, o Grupo Autêntica e a Casa Fiat de Cultura desenvolveram duas novidades para os amantes da cultura. Primeiro, uma versão em historia em quadrinhos da […]

LEIA MAIS
photo

Festas Juninas em BH: uma lista para você aproveitar o mês de Junho

Junho chegou. E nada melhor do que aproveitar as festas juninas, as comidas típicas e o frio. Bem, isso se ele aparecer! Assim, para os que pretendem sair de casa e abandonar o sofá por algumas noites, separamos cinco festas juninas imperdíveis em BH. Além dessas, para os que procuram opções diferentes longe de grandes […]

LEIA MAIS