Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Ione de Medeiros é agraciada no APCA; confira entrevista da diretora

Gostou? Compartilhe!

A encenadora mineira venceu o APCA na categoria Direção, pela montagem “Vestida de Noiva”, em cartaz no CCBB BH

Patrícia Cassese | Editora Assistente

A diretora mineira Ione de Medeiros foi a vencedora do Prêmio APCA, na categoria Direção. Os nomes agraciados foram anunciados na segunda-feira, dia 29 de janeiro. Encenadora, pianista, pesquisadora de teatro, curadora, produtora cultural e arte educadora brasileira, Ione de Medeiros foi escolhida, no caso, pela direção de “Vestido de Noiva”, baseado na obra de Nelson Rodrigues. Fundadora e diretora do Grupo Oficina Multimédia (GOM), Ione de Medeiros dirige essa nova versão do texto que traz, no elenco, por ordem alfabética, Camila Felix, Henrique Torres Mourão, Jonnatha Horta Fortes, Júnio de Carvalho, Priscila Natany e Victor Velloso.

Cena de "Vestido de Noiva", dirigido por Ione de Medeiros, que venceu o APCA na categoria Direção (Netun Lima/Divulgação)
Cena de "Vestido de Noiva", dirigido por Ione de Medeiros, que venceu o APCA na categoria Direção (Netun Lima/Divulgação)

De antemão, vale dizer que o espetáculo estreou em Belo Horizonte em maio do ano passado. Desse modo, na sequência, cumpriu a itinerância pelos CCBBs de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Em seguida, no final do ano passado, a montagem voltou ao CCBB BH. Assim, agora, cumpre temporada até o dia 5 de fevereiro, com sessões sempre às 20h. Confira o serviço acessando aqui.

“Vestido de Noiva” é o 24º espetáculo dirigido por Ione de Medeiros pelo GOM.

O prêmio

Criado em 1995, o Prêmio da Associação Paulista de Críticos Teatrais (APCA) abarca várias áreas do universo cultural, como artes visuais, cinema, dança, literatura, música popular, rádio, teatro, teatro infantil e, semelhantemente, televisão. Por último, mas não menos importante: a cerimônia de premiação acontecerá no dia 22 de abril, no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo.

Entrevista Ione de Medeiros (por tópicos)

A encenadora Ione de Medeiros (Jonnatha_Horta_Fortes/DIvulgação)
A encenadora Ione de Medeiros (Jonnatha_Horta_Fortes/DIvulgação)

A notícia do prêmio

Bem, inicialmente, a pergunta óbvia, mas imprescindível: Como foi, para você, saber que havia sido agraciada pelo prêmio APCA?

Ione – Bom, quando eu recebi a notícia que eu havia sido indicada ao APCA, já fiquei muito feliz, porque já era um destaque, para uma direção. A gente, aqui ,não tem muito essa oportunidade de ficar tanto tempo fora de Minas. Assim, dessa vez, ficamos seis semanas em São Paulo, muitos críticos foram assistir. Desse modo, a gente teve ótimos retornos. No entanto, até ali, a gente não estava ainda contando com essa indicação, ou seja, de um prêmio tão importante. E já estava sendo muito bom. Bom, é claro que, depois, quando veio a indicação e a confirmação (APCA), foi uma felicidade enorme. Porque, veja, Nelson Rodrigues é um autor que poderia até ter sido cancelado nos dias atuais, mas a obra, eu acho que é sempre maior do que quem escreve.

Nelson Rodrigues

Nelson Rodrigues fala de coisas que são clássicas do ser humano. Mas, assim, de qualquer maneira, voltando ao que estava falando, era uma montagem fora do eixo Rio-São Paulo. Então, junta todas essas coisas, um grupo que não tem essa fama, não tem ator famoso. São atores e atrizes, alguns mais novos, outros um pouco mais experientes. Então, acho que a soma desse reconhecimento em cima do elenco, mas na interpretação de um clássico, que foi bastante difícil, foi um reconhecimento muito gratificante. Nós ficamos três anos em cima dessa obra. A gente tinha uma estreia para 2019, veio a pandemia, a gente continuou. Depois veio essa montagem que foi uma soma das nossas experiências anteriores. O que foi muito necessário, porque “Vestido de Noiva” é uma obra difícil. E acho que tudo isso contribuiu para o bom resultado e para premiação. A sensação (de ser escolhida pelo júri do APCA é de muita felicidade.

Futuro da montagem

Vocês chegaram à 100ª apresentação, tendo cumprido o percurso dos CCBBs Brasil afora…

Sim, essa semana, nós fizemos a apresentação número 100. Inclusive, fizemos um brinde com a plateia, homenageando o teatro, a possibilidade de voltar aos palcos após a pandemia. As peças que estão em cartaz, que estão retomando a função nas artes, têm que estar muito felizes. Realmente, temos tido muito público. Aliás, acho que o teatro tem chamado muita atenção, inclusive mais que outras áreas. A volta ao presencial e a vontade de ver um artista ao vivo. Isso aí eu acho que é muito estimulante para todos. Ou seja, para os artistas e para o público, que estava querendo isso.

A peça se encerra aqui? Ou há possibilidade de ter outras apresentações em outros estados, independentemente de equipamentos CCBB?

Na verdade, um espetáculo de um ano é muito novo. E como ele está sendo bem sucedido, a gente espera que possa continuar. Ou aqui ou que tenha outros convites. Assim, aproveitar ao máximo o investimento que nós fizemos. Se for o caso, vamos tentar buscar outros apoios e continuar a mostrar o espetáculo, divulgando a obra de Nelson Rodrigues. Que é um dramaturgo brasileiro, que fala do Brasil com muita competência, com uma identidade muito forte e que, assim, atinge a todos.

Work in progress

Queria que citasse um momento que particularmente tenha te tocado durante este período, da estreia até agora, com esse coroamento dado pelo prêmio APCA…

Olha, na realidade, são muitos momentos. Porém, o que eu acho mais significativo, o que me toca mais, é perceber que uma obra nunca está pronta. Então a gente estreou, logo depois já fizemos mudanças aqui, em BH, antes de viajar. Assim, fomos para São Paulo, e, lá, fizemos novas mudanças. Do mesmo modo, fomos para o Rio, novas mudanças, tal qual Brasília. Ou seja, essa obra inacabada. Não é que a gente esteja mudando tudo, mas esse “descascamento”, até chegar a uma coisa que fique mais precisa, mais essencial, isso leva tempo.

Aprendizado

Poderia especificar mais?

Falo desse aprendizado de estar sempre trabalhando na obra. Ou seja, a convicção de que a gente precisa estar sempre olhando, cuidando, para aprimorar o trabalho. Isso me chamou muita atenção dessa vez, inclusive pelo fato de termos feito cem apresentações seguidas. Então, assisto a todas (as apresentações) e volta e meia falo: “Não, isso aí pode melhorar”. E não só o texto, como algumas movimentações, um vídeo que entra mais, ou alguma mudança – que não comprometa toda a obra, claro, mas que vai aprimorando-a. Assim, ela vai ficando cada vez mais rica e mais bem acabada. Ou seja, isso é o que mais me chamou a atenção.

Confira, a seguir, a lista dos escolhidos pelo júri

APCA – Artes Visuais

Arte Contemporânea: “Thiago Honório – Orações” (Galeria Luisa Strina)
Arte: “Uma Memória – A Coleção Imaginária de Paulo Kruczynski” (Instituto Tomie Ohtake)
Contribuição à Arte Brasileira do Século XX: Ricardo e Ralph Camargo
Exposição Internacional: “Marc Chagall – Um sonho de amor” (CCBB)
Exposição Nacional: “Murilo Mendes Poeta Crítico: O Infinito Intimo” (MAM)
Fotografia: “Flieg – Tudo que é sólido” (IMS)
Projeto Expográfico: “Haron Cohen – Fé, Engenho e Arte: Os 3 Franciscos” (Museu de Arte Sacra)

Júri: Antonio Zago, Claudio Sitrângulo, José Henrique Fabre Rolim, João J.Spinelli e Silvia Balady.

APCA – Cinema

Filme: “Retratos Fantasmas”, de Kleber Mendonça Filho
Direção: Paula Gaitán, por “Luz nos Trópicos”
Roteiro: “Noites Alienígenas”, de Sergio de Carvalho, Camilo Cavalcanti e Rodolfo Minari
Atriz: Vera Holtz, por “Tia Virgínia”
Ator: Juan Paiva e Lucas Penteado, por “Nosso Sonho”
Documentário: “Incompatível com a Vida”, de Elisa Capai
Fotografia: Joana Pimenta, por “Mato Seco em Chamas”

APCA Dança

Espetáculo: “Dança Pra Lua”, Ivan Bernadelli, com a Cia. Jovem de Dança de Jundiaí
Coreografia/Criação: Vanessa Macedo, pela concepção, coreografia e direção de “Erga Omnes”, da Cia. Fragmento de Dança
Elenco: In SAIO Cia. de Arte, por “MIÊDKA – Uma Metáfora do Encontro”: Armando Aurich, Claudia Palma e Ana Mondini
Intérprete: Danielle Rodrigues, Laboratório Siameses, por “Circo da Meia-Noite”
Prêmio Técnico: Alisson Amador e Lucas Brogiolo, pela direção Musical de “Fênix”, da Clarin Cia de Dança
Projeto/Programa/Difusão/Memória: “Corpos Velhos – Pra que servem?”, Portal MUD e Luis Arrieta
Prêmio Especial: Programação de Dança do Centro Cultural São Paulo, Curadoria de Mark Van Loo

O júri dessa categoria foi constituído pelos seguintes nomes: Henrique Rochelle, Iara Biderman, Simone Alcântara e Yaskara Manzini.

APCA Literatura

Romance: “Onde Pastam os Minotauros”, de Joca Reiners Terron (Todavia)
Contos: “Ninho”, de Bethânia Pires Amaro (Record)
Poesia: “Veludo Rouco”, de Bruna Beber (Companhia das Letras)
Tradução: Guilherme da Silva Braga, por “É a Ales”, de Jon Fosse (Companhia das Letras)
Ensaio: “O Que é Meu”, de José Henrique Bortoluci (Fósforo)
Biografia: “Baviera Tropical”, de Betina Anton (Todavia)
Infantil: “Os Pombos”, de Blandina Franco e José Carlos Lollo (Companhia das Letrinhas)

Votaram: Gabriel Kwak, Ruan de Sousa Gabriel e Ubiratan Brasil.

APCA Música Popular

Grande Prêmio da Crítica: Jards Macalé
Artista do Ano: Ludmilla
Disco do Ano: “Me Chama de Gato Que Eu Sou Sua”, Ana Frango Elétrico
Artista Revelação: Mateus Fazeno Rock
Show do Ano: Luiza Lian – 7 Estrelas | Quem Arrancou o Céu?
Projeto Especial: Projeto Relicário (Selo Sesc)
Menção Honrosa: Titãs – “Encontro”

Júri composto por Adriana de Barros, Alexandre Matias, Bruno Capelas, Camilo Rocha, Cleber Facchi, Felipe Machado, Guilherme Werneck, José Norberto Flesch, Marcelo Costa, Pedro Antunes, Pérola Mathias.

APCA Rádio

Programação: Rádio Baruk FM, com Afrânio Wanderley
Programa de rádio/podcast: “CBN Noite Total”, com Tânia Morales (CBN)
Melhor Produção: Guilherme Cimatti, Rádio Bandeirantes
Sonoplastia: Podcast “Imagina Só – Histórias para Crianças”
Profissional de Rádio: Walkíria Brit, “Alpha By Night” (Alpha FM)
Programação Musical/Cultural: ‘Diversas”, com Fabiana Ferraz (Cultura Brasil)
Cobertura Cultural: Festival “The Town!” (Mix FM)

Componentes do júri: Fausto Silva Neto, Marcelo Abud, Maria Fernanda Teixeira e Fabio Siqueira.

APCA Teatro

Rosana Stavis em cena de "A Aforista" (foto Renato Mangolin/Divulgação)
Rosana Stavis em cena de “A Aforista” (foto Renato Mangolin/Divulgação)

Dramaturgia: Alan Mendonça, Cleydson Catarina, Naruna Costa e Uberê Guelè, por “Boi Mansinho e a Santa Cruz do Deserto”
Direção: Ione de Medeiros, por “”Vestido de Noiva”
Ator: Marco Antônio Pâmio, por “A Herança” 1 e 2
Atriz: Grace Gianoukas, por “Nasci pra Ser Dercy”
Espetáculo: “A Aforista”
Prêmio Especial: Companhia Antropofágica pelos 20 anos celebrados na Okupação no TUSP
Grande Prêmio da Crítica: Clara Carvalho, por sua atuação como atriz, tradutora e diretora em 2023

Votaram: Bob Sousa, Celso Curi, Edgar Olimpio de Souza, Ferdinando Martins, José Cetra, Kyra Piscitelli, Miguel Arcanjo Prado, e Vinicio Angelici.


APCA Teatro Infantojuvenil

Melhor Espetáculo: “A Grande Questão”, da Cia. de Feitos
Direção: Marcelo Várzea e Erica Rodrigues, por “Valentim Valentinho”
Dramaturgia: Sara Antunes, por “Voz de Vó”
Adaptação: Bruno Gavranic e Grupo 59 de Teatro, por “Um Dia, Um Rio”
Elenco: Antonia Pethit, Alexia Twister e Athena Leto, por “Alice no Pequeno Grande Quarto das Maravilhas”
Intérprete Revelação: Bibi Valverde, por “Kafka e a Boneca”
Melhor Desenho de Luz: Matheus Brant, por “Zebra sem Nome”

Júri: Dib Carneiro Neto, Gabriela Romeu, Julia Rodrigues, Marcio Tito e Monica Rodrigues da Costa.

APCA Televisão

Novela: “Vai na Fé” (Globo)
Ator: Milhem Cortaz/”Os Outros” (Globoplay)
Atriz: Sophie Charlotte/”Todas as Flores” (Globoplay)
Série Ficção: “Os Outros” (Globoplay)
Série Documental/Documentário: “Vale o Escrito” (Globoplay)
Revelação: Alice Carvalho (foto abaixo/”Cangaço Novo” (Prime Video/02)

Alice Carvalho em cena de "Cangaço Novo" (Prime Video/O2/Divulgação)
Alice Carvalho em cena de “Cangaço Novo” (Prime Video/O2/Divulgação)


Variedades: “Avisa Lá Que Eu Vou” (GNT)

Votaram: Cristina Padiglione, Edianez Parente, Fabio Costa, Fabio Maksymczuk, José Armando Vanucci, Leão Lobo, Neuber Fischer, Tellé Cardim e Tony Goes.

Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!

[ RECOMENDADOS ]