fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Aladdin: impressões sobre a versão live-action de Guy Ritchie

A versão com atores da animação da Disney chega aos cinemas com alta expectativas dos fãs

Por Carol Braga

27/05/2019 às 15:47

Publicidade - Portal UAI
Mena Massoud e Will Smith em Aladdin. Foto: Disney/Divulgação

Quando procurei as primeiras informações sobre Aladdin me surpreendi com o fato da produção da Disney ter sido um lançamento do ano de 1992. Tinha impressão de que era mais antiga. O fato de não ser é um sinal do quanto o desenho sobre o jovem ladrão que se apaixona pela princesa Jasmine marcou.

Naquela época, atingiu o recorde como a primeira animação a lucrar mais de US$ 200 milhões. Perdeu o posto para ‘O Rei Leão’, dois anos depois. Outra coisa que deu o que falar foi a dublagem de Robin Williams, um gênio em todos os sentidos. Era dele a voz do carismático gênio azul do filme. Pois bem, quem assume o papel nesta versão com atores é Will Smith. Quando foi escolhido pelo diretor Guy Ritchie, sabia que conseguiria ser diferente. No caso, nem tentaria competir. Seria uma perda de tempo mesmo!

Sendo assim, mesmo que a versão live-action de Aladdin seja bastante fiel ao roteiro original, há uma leve e interessante atualização. Nesse sentido, a que mais me chamou atenção foi a postura um tanto quanto mais contemporânea da princesa Jasmine (papel da jovem Naomi Scott). Ela se sente desconfortável com a posição “passiva” da princesa. Mesmo que seja um pouco mais questionadora do que o original, poderia ter sido mais.

De uma maneira geral, Aladdin chama atenção pelo aspecto visual. A fotografia contrasta a tonalidade do deserto com as cores fortes da cultura indiana. Destaque para a cena em que o príncipe entra na pequena fila. Em resumo: aquilo mais parece um desfile de carnaval feito por gringos. De toda forma, é divertido.

Diferença de ritmo

Aladdin, o live-action, começa muito fiel à animação. Tão fiel que teve gente que se deu o trabalho de comparar algumas cenas. Veja aqui.

 

 

O longa tem ritmo ao apresentar Aladdin (interpretado pelo ator egípcio/canadense, Mena Masssoud) como um ladrão de rua e o primeiro encontro com Jasmine. Nos primeiros minutos fica claro, também, que o macaco Abu será o responsável por doses extras de humor.

Porém, a partir do momento em que Aladdin é capturado pelo vilão Jafar (Marwan Kenzari). Talvez aqui o problema seja justamente o tom caricato da interpretação dele. A dinâmica cresce novamente durante a aventura de Aladdin e Abu dentro da caverna e logo outra baixa, curiosamente na aproximação romântica entre os protagonistas. O longa somente recupera o fôlego às vésperas da realização do segundo desejo (ops, leve spoiler). Aí engrena!

 

Mena Massoud como Aladdin. Foto: Disney/Divulgação

 

Elenco

Guy Ritchie, que já dirigiu longas como Sherlock Holmes (2009 e 2011), Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes (1998), disse que sabe fazer histórias sobre traficantes de rua. “E Aladdin é um traficante de rua clássico que faz bem”. Sendo assim, em um paralelo com a carreira dele, há um pouco de Sherlock Holmes em Aladdin. Aliás, há um pouco de tudo o que ele já vez. Vide as cenas de perseguição.

Encontro paralelos também na forma como ele cria a empatia com os personagens principais. Se o Sherlock de Robert Downey Jr. é um exemplo disso, Aladdin de Mena Massoud não fica atrás. Ele, inclusive, chama mais atenção do que a grande estrela do elenco, Will Smith. Talvez porque o veterano não faça nada tão diferente do que já fez. No caso de Mena, é um rosto novo e aparentemente promissor. Sobretudo nessa fase em que hollywood anda buscando ampliar a representatividade.

O elenco desse filme é um exemplo. Há uma nítida predominância de atores de descendência. O próprio Massoud tem sangue egípcio, Naomi Scott (Jasmine) é anglo-indiana, o intérprete de Jafar, Marwan Kenzari, é holandês-tunisiano. Até os americanos no elenco Navid Negahban (o sultão) e Nasim Pedrad (Dalia) tem descendência iraniana.

Embora tenha seus altos e baixos no ritmo do roteiro, no fim das contas, o live-action de Aladdin consegue cumprir duplo papel. Ao mesmo tempo que encanta nova audiência, deixa os fãs da animação com um afago no saudosismo.

 

Mena Massoud como Aladdin. Foto: Disney/Divulgação

photo

Museus para todos: cinco pontos sobre as tendências da área

Rio de Janeiro – Qual a percepção que o brasileiro tem sobre museus? Essa foi uma das perguntas que nortearam a pesquisa ‘Narrativas para o futuro dos museus’, encomendada pelo Oi Futuro e feita em parceria pela Consumoteca. Os resultados, apresentados em evento no Rio de Janeiro, confirmam impressões que sempre tivemos sobre o consumo […]

LEIA MAIS
photo

O que são ‘easter eggs’ e por que eles povoam o mundo do cinema?

Os ‘easter eggs’ estão com tudo. O termo parece estar em todo lugar quando o assunto é cinema ou séries de TV. Mas, afinal, o que são os ‘easter eggs’? Quando surgiram? Para que, de fato, servem os mesmos? Atualmente, sobretudo com o sucesso do Universo Cinematográfico da Marvel Studios, o termo se tornou mais […]

LEIA MAIS
photo

Cinco motivos para você explorar o universo da Dreamworks no CCBB

Banguela, Soluço, Shrek, Melman, Po. Se você gosta de um desses personagens  de filmes como ‘Como treinar seu dragão’, ‘Shrek’, ‘Madagscar’ ou de tantos outros do universo criado pela Dreamworks pode abrir o sorriso. A exposição que o ocupa o Centro Cultural Banco do Brasil até o dia 29 de julho vai apresentar o avesso […]

LEIA MAIS