Foto: Thygo Andrade / Divulgação 
05 maio 2018

Morena Nascimento marca abertura do ‘Tiradentes em Cena’

Um ano após se tornar mãe a bailarina Morena Nascimento voltou aos palcos com solo especial e inédito para a abertura do Tiradentes em Cena, na noite desta sexta-feira, dia 04. ‘Pacha Harvey Mama Zulu’ foi uma dança dedicada a mãe dela. Segundo a bailarina, um espetáculo que coleciona intensidades no corpo.  A abertura ainda contou com discurso de autoridades, vídeo de artistas globais e leitura dramatizada. 

A bailarina trouxe um solo com elementos de toda sua trajetória. Uso de luzes, vela, trocas de figurino e expressão marcaram a apresentação. A performance misturou dramaturgia, artes visuais e trilha sonora bem elaborada porque são todas músicas que abordam o universo da mulher. Dessa forma, deixou claro a influência da dança contemporânea americana na sua formação. A presença da alemã Pina Bausch, uma das maiores coreógrafas da história, pode ser vista no figurino do espetáculo. Morena integrou a companhia de Pina por três anos.  

“Trouxe para Tiradentes um solo sobre a valorização da mulher. Quando danço, evoco gesto de outras no meu gesto. A apresentação é um prólogo do meu desejo de dançar todas as mulheres. Fico emocionado de estar na cidade e tenho uma ligação afetiva. Lembro do meu pai que morou aqui e morreu há dois anos. É especial”, conta Morena.

Morena Nascimento é uma das principais expoentes da nova geração da dança contemporânea. Com mãe e padrasto bailarinos, Morena formou-se em artes corporais na Unicamp, em 2001. O traço marcante das apresentações da bailarina é a versatilidade, uma vez que transita entre os papéis de intérprete, diretora e coreógrafa.

Foto: Thygo Andrade / Divulgação

Cerimônia

A idealizadora do evento, Aline Garcia, agradeceu as parceria e deu destaque à importância de abordar Liberdade como o tema em 2018. Daniel Prado, artista local, ainda leu e interpretou um texto de sua autoria sobre Teatro, amor e liberdade.

O Festival

Tiradentes em Cena chega em sua sexta edição se consolidando como um evento que pretende aproximar a população da cidade ao teatro.  O festival ocupará praças, becos, casarões e teatros entre os dias 04 a 12 de maio. Serão nove dias, com mais de 20 espetáculos, além de performances, rodas de conversa, oficinas, exposição e shows. Tendo Liberdade como tema a edição homenageia Zezé Motta. A programação completa você confere aqui.

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

‘Pagliacci’ é um dos destaques do Festival Mundial de Circo

Uma grande homenagem à arte do palhaço e uma das montagens mais elogiadas do ano passado em São Paulo. Só por essa combinação, Pagliacci a mais recente montagem da Cia LaMínima, já deveria estar na programação do Festival Mundial de Circo de 2018. Porém, existe uma série de outros fatores afetivos que fazem a presença […]

Leia Mais

Crítica em diálogo: monólogo ‘Peixes’, de Ana Regis

Crítica em diálogo é um experimento proposto pelo Culturadoria para a crítica de teatro. Mais que uma relação unilateral, acreditamos na potência da conversa. Por isso, convidamos a atriz, dramaturga e diretora Ana Regis a participar desse diálogo crítico sobre Peixes. Peixes, por Carolina Braga Peixes não é um espetáculo fácil de se ver. Incomoda. […]

Leia Mais

Festival BH Artes Cênicas terá mais de 50 atrações até o fim de julho

Cadê o público que estava aqui? Foi baseada nesta pergunta que o Festival BH Artes Cênicas chega para fomentar o movimento na plateia no mês de julho. O evento promete buscar um intercâmbio cultural entre grupos, produtores e artistas de todo o país. Serão 62 espetáculo em cartaz, quatro oficinas e três debates/palestras. O evento […]

Leia Mais

Comentários