fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Abertura da CineOP 2018 é marcada por manifestações e homenagens

Por Thiago Fonseca *

15/06/2018 às 14:25 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Leo Lara / Divulgação

Marielle: presente! Matheusa, também! No dia em que a execução da vereadora do Rio de Janeiro completou três meses a CineOP lembrou o caso. Foi em um vídeo na cerimônia de abertura nesta quinta feira, dia 14, que a foto dela e de outras figuras que marcaram a história foram exibidas. A cerimônia, no Cine Vila Rica, ainda foi marcada por apresentação do mineiro Marcelo Veronez com alunos da Escola Estadual Dom Velloso, homenagem aos artistas da Tropicália e entrega do troféu Vila Rica para a atriz  Maria Gladys.

“Estamos vivendo um momento muito oportuno para focar a tropicália na década de 1960 e 1970 com um olhar contemporâneo. É preciso discutir o que foi produzido naquela época contra a cultura e como podemos fazer analogia com o agora. Queremos ainda, pensar o que foi o Cinema Novo e Marginal, em suma, como ele dialoga com outras artes. Dessa forma, podemos observar que o cinema não fica ultrapassado. Sempre será reflexo da atualidade”, pontua Raquel Hallak, coordenadora geral do evento.

Na celebração dos 13 anos da CineOP, Raquel anunciou que o Cine Vila Rica será revitalizado. Um feito em consonância com a Mostra, uma vez que propõe ser instrumento para salvar e guardar o cinema como patrimônio. Manifestações políticas contra o governo de Michel Temer e do prefeito de Ouro Preto Júlio Pimenta tomaram conta do cinema. Até Gladys manifestou e pediu a liberdade do ex-presidente Lula.

 

Apresentação artística de Idylla Silmarovi – Foto: Jackson Romanelli / Divulgação

Apresentações artísticas

Com direção de Chico de Paula e Grazi Medrado a abertura contou com apresentação de David Maurity, trilha sonora do Barulhista e participações de Idylla Silmarovi, Marcelo Veronez, Leo Piló e alunos da Escola Estadual Dom Velloso. Destaque para Idylla. Ela entrou no palco com rosto coberto e oprimido. No mesmo instante, trechos do depoimento de Eny Moreira sobre a tortura que sofreu na época da Ditadura Militar foram exibidos. A cada relato a artista representava o sofrimento.

O músico Marcelo Veronez interpretou ‘Roda Viva’, de Chico Buarque, e ‘Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua’, de Sérgio Sampaio. Em seu discurso de homenageada, Maria Gladys disse que estava muito feliz. Lembrou-se da geração que inovou no cinema brasileiro e falou sobre o golpe militar. Confessou que nem sempre quis ser lembrada como uma atriz brasileira, mas hoje tem orgulho. Falou ainda que o maior ganho da carreira é o aprendizado. Gladys foi destaque do Cinema Novo e cinema marginal nos anos 1960 e 1970.

Na cerimônia ainda foram exibidos o curta ‘Maria Gladys, uma atriz brasileira’, de 1980, de Norma Bengell, e ‘Sem Essa, Aranha’, de Rogério Sganzerla. O primeiro, contou a carreira artística e o cotidiano de Gladys. Como só havia uma cópia em acervo produção teve que digitalizar a preciosidade para ser exibida. Já o segundo, é um experimento radical de linguagem e interpretação que mostra a situação pela qual o país atravessava em 1970.

A 13ª edição CineOP exibirá, até segunda-feira, dia 18, 134 filmes, de 12 estados brasileiros e três países.

 

 

*O repórter viajou a convite da CineOP

photo

Links para você assistir aos indicados ao Globo de Ouro 2020

Uma prova de que os tempos realmente são outros, quando o assunto é exibição cinematográfica, é que no mesmo dia que sai a lista de indicados ao Globo de Ouro você já pode imediatamente assistir às produções mais badaladas. No caso da cerimônia do dia 05 de janeiro de 2020, Histórias de um casamento, que […]

LEIA MAIS
photo

Pacarrete: providencial reflexão sobre a arte em Tiradentes

É difícil não se emocionar com a saga de Pacarrete. Se tiver um time de pessoas que se desestruturam depois de conhecer a história da mulher que defende com unhas e dentes o poder da arte, faço parte dele. Talvez por isso, o longa de estreia de Allan Deberton, exibido na Mostra de Cinema de […]

LEIA MAIS
photo

Vaga Carne é convite a experimentar o cinema de outra forma

Assim como Vaga Carne, a peça, Vaga Carne, o filme é um convite ao espectador a se abrir a experiências diferentes em uma sala de cinema. É tão experimental que não seria equivocado dizer que se trata de uma performance para a tela. O média-metragem dirigido por Grace Passô e Ricardo Alves Jr. abriu a […]

LEIA MAIS