Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Crítica em diálogo: a força do encontro entre a literatura e o teatro em ‘A peste’

Por Carol Braga

22/08/2018 às 17:00

Publicidade - Portal UAI
Foto: Renato Mangolin / Divulgação

Artaud, Stanisláviski, Grotowski foram alguns dos pensadores do teatro do século XX que confiaram no poder da cena politizada. Para eles, uma peça de teatro também poderia – e até deveria – ter a missão de conduzir o espectador a uma tomada de consciência política. Quem nos conta isso é a autora Marie-Claude Hubert no livro ‘As grandes teorias do teatro’.

Me recorro a ele pois foi justamente esta a sensação que tive depois de ver ‘A Peste’. O monólogo com Pedro Osório, direção de Vera Holtz e Guilherme Leme Garcia, recupera o teatro como lugar de reflexão. No caso, o que me soou mais forte foram provocações sobre alienação, certa apatia social, que se instala nas pessoas diante de cenários graves.

Em outras palavras, o que A peste – a peça – faz durante 50 minutos é oferecer diversos estímulos metafóricos com o objetivo de despertar a consciência política no espectador. Convenhamos que, nem sempre, este é um processo tranquilo ou confortável. É muito bom que não seja mesmo.

 

Continua após a publicidade...

 

Adaptação

O espetáculo é uma adaptação para os palcos do livro homônimo de Albert Camus. Nele, a partir do fato de ratos espalharem uma peste mortal, o escritor, metaforicamente, fala sobre a importância da resistência. Como resistir? Quem resiste?

É por isso que a história se aplica a outros contextos. Camus parte de algo concreto, ficcional para dizer como cada um reage a contextos que podem ser tanto de guerra, como cenários fascistas ou ditatoriais.

Sendo assim, o maior desafio da peça A Peste é transportar esse nobre propósito inscrito na literatura para a sala de espetáculos. A opção da direção foi a de explorar o que poderia haver de teatral ali. No caso, o texto. A narrativa tem um peso.

Se a literatura trabalha principalmente com a imaginação do leitor, a experiência que eles reproduzem no palco também conta com isso. Ou seja, é a forma como o ator Pedro Osório narra os fatos que prendeu a minha atenção.

Outros elementos

O cenário se resume a uma faixa de linóleo branco em meio a um breu, tendo em um dos lados um monte de carvão. A principal movimentação que ele faz durante a peça é transportar os pedaços de tocos de madeira de um lado para o outro.

Me perguntei o que tal limitação poderia significar. O sufoco, a falta de esperança, a impossibilidade de fuga? Sabe aquela coisa de não saber bem para onde fugir? Pois é!

A medida em que o ator avança no texto, aquele único elemento do cenário – o monte de carvão – se desdobra. Ora é rato e em outro momento é gente, são restos. Representa a morte. É bonito quando um espetáculo respeita a capacidade do público criar significados que extrapolam o que nos foi dado. Se a equipe de A peste faz isso muito bem com o cenário, o mesmo não ocorre com a sonorização, por exemplo.

Se a iluminação, principalmente lateral, valoriza os gestos do ator, a trilha sonora marca os momentos de tensão. O ator, inclusive, usa microfone talvez para intensificar o discurso em uma outra parte. Ou seja, o recurso técnico sublinha, a meu ver mais do que o necessário, as pausas e pontos onde interessa à direção que a plateia aprofunde sua própria reflexão.

 

Foto: Renato Mangolin / Divulgação

Crítica em diálogo

O Culturadoria tem procurado estimular o diálogo crítico. Por isso, sempre que vamos publicar uma crítica teatral convidamos alguém da equipe do espetáculo a responder o nosso texto. Dessa maneira, Pedro Osório, gentilmente, topou nosso desafio.

Resposta de Pedro Osório

Carolina, muito obrigado por abrir o diálogo, acredito que uma peça se abre a esse momento de diálogo, sempre. Seu olhar toca em pontos convergentes. Tivemos muito estudo sobre a obra do autor. O movimento cênico foi inspirado no mito de Sisifu. Não sou bom de escrita, me sinto um peripatético, sempre caminhando e refletindo…

O conceito é filosófico e dialogado com o público. O carvão representa essas fogueiras acesas, a pedra de sisifu… Sou ator, narrador. Meu trabalho se realiza em cena e só. A trilha, a direção o figurino e o cenário vem pra provocar a imaginação deste lugar ficcional e real de peste diária e atemporal. Os exilados..de hoje. Nos, os abstraídos. Esse alerta foi o que me motivou. Obrigado pelo olhar e carinho. Pedro Osório.

photo

Pi – Panorâmica Insana celebra o ‘teatro de risco’ de Bia Lessa

“Expectativa nunca é uma coisa boa. Melhor se abrir para o presente”, avisa Leandra Leal. Pi – Panorâmica Insana, espetáculo dirigido por Bia Lessa em que a atriz divide a cena com Cláudia Abreu, Rodrigo Pandolfo e Luiz Henrique Nogueira chega para a temporada em BH, nos dias 23 e 24 de março, cheio de […]

LEIA MAIS
photo

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 18 de agosto

A agenda teatral está bastante generosa no fim de semana na nossa Culturadoria. São várias estreias de peso dos grupos de BH. Tem proposta ousada de Rita Clemente, mostra comemorativa da Cia Afeta e novo espetáculo do Grupo Ponto de Partida, de Barbacena. Na música, o Savassi Festival começa com promissor show de Rosa Passos […]

LEIA MAIS
photo

Um norte para você não se perder na programação dos três festivais de teatro em cartaz em junho

A programação teatral de junho em Belo Horizonte, e principalmente, em Contagem, na região metropolitana, será de grande movimentação. Três importantes festivais de artes cênicas entram em cena praticamente juntos. O ‘La Movida In Box’ chega em Contagem, no dia 8 de junho e fica até o dia 10. O ‘Trama Festival’ também ocupa os espaços da […]

LEIA MAIS